Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quarta-feira, 5 de julho de 2017

EUA | O MUNDO É TODO DELES | Por trás do novo vírus global, as digitais da NSA



O Petya, que estreou ontem e está se alastrando rapidamente, também apoia-se na ferramenta criada pelos EUA para invadir computadores no mundo todo

Bryan Clark, no TheNextWeb | Outras Palavras | Tradução: Antonio Martins

A Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA começou, há mais de cinco anos, a usar uma ferramenta de invasão de computadores denominada EternalBlue. Durante este tempo, a agência descobriu sua capacidade sem paralelos de violar redes, aproveitando-se de uma falha no sistema operacional Windows. A brecha foi considerada tão perigosa, entre integrantes da NSA, que a agência considerou a hipótese de revelá-la à Microsoft, responsável pelo Windows.

Enquanto debatia, a agência continuou usando a ferramenta – e ponderando as implicações devastadoras do que poderia ocorrer se o EternalBlue alguma vez escapasse do controle.

Então, isso aconteceu.

A NSA finalmente informou à Microsoft sobre a vulnerabilidade no início deste ano – mas apenas depois de a ferramenta ter sido roubada e, em seguida liberada online. A Microsoft lançou um alerta “crítico” em março e em maio o vírus WannaCry – que usava o EternalBlue para penetrar em computadores baseados em Windows – havia infectado mais de 230 mil PCs, em mais de 150 países.

Ontem, o mundo conheceu o NotPetya.

O NotPetya é similar a outro vírus, o Petya, mas deve ser classificado à parte, segundo pesquisadores de segurança com que falei. Ambos usam o EternalBlue, mas a maior parte das similaridades termina aqui. O NotPetya é uma forma inteiramente nova de vírus, usado na manhã desta terça-feira para derubar tudo na Ucrânia – do sistema de detecção de radiações em Chernobyl ao metrô de Kiev, bancos – além de diversas empresas europeias e ao menos um hospital nos Estados Unidos.

A empresa de segurança Kaspersky calcula que ao menos 2 mil organizações em todo o mundo foram afetadas, nas últimas 24 horas – e a contaminação continua.

Apesar de todo o seu poder destrutivo, o WannaCry era uma ferramenta precária, cheia de bugs [programações incorretas] e criada por amadores. O NotPetya, segundo especialistas, não é.

“Será um acontecimento grande – realmente grande”, afirmou à revista Forbes David Kennedy, um ex-analista da NSA.

Ao contrário do WannaCry – que continha um botão para desabilitar remotamente o programa e afetou principalmente versões antigas do Windows – não há ferramenta de desativação agora, e o NotPetya pode afetar qualquer versão de Windows, inclusive o Windows 10. Pior, ele é capaz de movimentos laterais automáticos entre aparelhos, o que significa que pode infectar inclusive máquinas previamente protegidas, se houver um PC não-protegido na rede.

A incapacidade de manter o EternalBlue fora das mãos de criminosos desperta preocupações reais sobre se as agências que desenvolvem tais ferramentas podem esperar que elas permaneção “a salvo”. Devido ao fato agências como a NSA e a CIA apostarem firmemente neste projetos – como parte de sua ação de espionar e capturar informações em todo o mundo – é provável que a abrangência das ferramentas de invasão creça ao longo do tempo. Crescerão junto os danos que elas provocam quando caem nas mãos de criminosos.

Não nos esqueçamos: o NotPetya era inteiramente previsível – se a NSA quisesse enxergar.

1 comentário:

imagem disse...

Permaneçam e não "permaneção"