sábado, 12 de janeiro de 2019

Portugal | Montenegro não "andou por aí" muito tempo e é nova dor de cabeça para Rio


O antigo líder parlamentar do PSD esperou cerca de um ano para apresentar a candidatura à liderança social-democrata. Rui Rio promete reagir em breve.

A vida de Rui Rio como presidente do PSD tem sido marcada por diversas mini-crises no último ano. A liderança atribulada de Rio encontra agora o seu maior desafio, com a dimensão de uma crise que ecoa na divisão interna no partido social-democrata desde que o antigo presidente da Câmara Municipal do Porto sucedeu a Passos Coelho como líder laranja.

Luís Montenegro disse que ia andar por aí e que não ia pedir “autorização a ninguém” quando decidisse agir. Não esperou muito tempo. Aliás, nem sequer esperou que Rio disputasse as legislativas deste ano como se previa. Esta sexta-feira apresentou a sua candidatura à liderança do PSD porque, como fez questão de dizer, “é preciso salvar” o partido.

“Passou um ano desde a eleição do dr. Rui Rio como líder do PSD. Um ano depois o estado a que o PSD chegou é mau, preocupante e irreversível com esta liderança. Rui Rio prometeu fazer do PSD uma alternativa e uma oposição firme ao Governo. Falhou”, afirmou perante os seus apoiantes, entre os quais se contava Hugo Soares.

Apelidou a oposição que este PSD de Rio tem feito de “frouxa”. Algo que pretende mudar. “Estou aqui para ser o adversário que o primeiro-ministro António Costa não tem tido” e desafiou o presidente dos sociais-democrata a marcar eleições diretas imediatamente.

Não tardou para que os principais contestatários de Rui Rio, a ‘ala’ de Passos, mostrassem o seu agrado pela decisão de Luís Montenegro. Paula Teixeira da Cruz afirmou que ia apoiar Montenegro e Teresa Morais apontou-o como uma alternativaFernando Negrão preferiu manter-se para já fora desta disputa antecipada.

Montenegro até pode nem ser o único candidato a disputar a liderança com Rui Rio. Miguel Morgado também já se mostrou disponível para entrar na guerra pelo trono laranja.

Rio reage "em breve" ao desafio de Montenegro


“É um grito de desespero para manter o poder, os lugares. Parece-nos horrível, pela sede de poder não vale tudo, não vale destruir o partido e dá-lo de bandeira à maioria de esquerda e prejudicar o próprio pais”.

Rio, que se encontrou com Marcelo Rebelo de Sousa na noite desta sexta-feira, frisou que não ia “fazer de conta que nada está a acontecer” e que vai responder ao desafio de Luís Montenegro “em breve”.

Marcelo não se vai envolver

Sempre atento à vida política do país, o Presidente da República não quer “interferir” nas questões do PSD. Esclareceu que a reunião com Rui Rio serviu para falar sobre temas de política interna e externa e salientou que “a vida do PSD é com o PSD”.

“As questões de um partido A, B, C ou D é dele. Eu pedi a Rui Rio para ter uma breve conversa com ele hoje porque tínhamos calendários completamente incompatíveis para a semana para tratar três problemas de política interna e outro de política externa e em que era muito importante saber a opinião, porque tenho que tomar decisões sobre diplomas e tinha que falar com ele antes de tomar a decisão no começo da semana que vem”, explicou.

Até porque segunda-feira tem agendada uma reunião com… Luís Montenegro. “Pediu-me há dias para ser recebido. Eu recebo segunda-feira. Eu vou ouvir. Pedem-me uma audiência, eu vou ouvir, não tenho que me pronunciar”, referiu Marcelo.

“Em breve” saberemos se haverá diretas no PSD antes das legislativas e se será Rio a bater-se com António Costa nas eleições de outubro.

Fábio Nunes | Notícias ao Minuto | Foto: Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens

Sem comentários: