domingo, 18 de abril de 2021

A guerra de sanções entre os EUA e a Rússia: simbólica, substantiva ou estratégica?

#Publicado em português do Brasil

A recentemente e intensificada “guerra de sanções” entre os EUA e a Rússia fez muitos observadores se perguntarem se essa escalada é simbólica, substantiva ou estratégica.

Andrew Korybko* | OneWorld

A imposição dos EUA na semana passada de suas sanções mais intensas contra a Rússia em vários anos levou a Grande Potência da Eurásia a responder na mesma moeda. A Reuters publicou uma caixa de fatos útil sobre os movimentos iniciais dos Estados Unidos, enquanto o Sputnik lançou um sobre os da Rússia, ambos os quais devem ser revisados ​​por leitores que não estão totalmente familiarizados com o que acabou de acontecer. Os EUA reagiram de forma muito negativa à resposta da Rússia, vendo-a como uma chamada “escalada”, apesar de ser quase sempre na mesma moeda. Moscou também deu a entender que tem mais alguns truques de sanções na manga se Washington decidir levar o assunto adiante. Portanto, resta saber o que pode vir a seguir, mas agora é o momento perfeito para refletir sobre os eventos da semana passada, a fim de determinar se eles são simbólicos, substantivos,

Em suma, os EUA sancionaram a moeda e a dívida russas, as empresas de tecnologia, os meios de comunicação e as autoridades, além de expulsar dez diplomatas russos. A Rússia respondeu expulsando um número igual de diplomatas americanos, publicando uma lista de várias autoridades americanas que estão banidas do país, impondo restrições às práticas de contratação de missões diplomáticas americanas e à movimentação de seus diplomatas, e prometendo frustrar todos os apoiados pelos Estados Unidos intromissão de esforços dentro da Rússia. Os movimentos americanos foram feitos sob o pretexto infundado de acusações de invasão e intromissão da Rússia, enquanto as da Rússia foram promulgadas puramente em autodefesa. Os EUA pretendem criar um estigma em torno das empresas russas, sua economia e meios de comunicação amigáveis, enquanto a Rússia pretende expor a verdadeira intromissão americana no país.

Pode-se argumentar que ambos os conjuntos de movimentos são simbólicos, substantivos e estratégicos. Os americanos reagiram a uma narrativa de guerra de informação armamentizada (simbólica), visam elementos da economia russa (substantiva), e aumentam a campanha da chamada “pressão máxima” contra Moscou (estratégica). A Rússia, por sua vez, respondeu na mesma moeda, expulsando diplomatas americanos e publicando a lista de funcionários que foram proibidos (simbólico), restringindo as atividades diplomáticas dos Estados Unidos (substancial) e, assim, tornando mais difícil para os Estados Unidos se intrometerem nos assuntos internos da Rússia (estratégico ) Basicamente, as ações dos EUA são ofensivas, enquanto as da Rússia são defensivas,

Ao contrário da guerra comercial EUA-China, nenhum dos lados pode realmente infligir tantos danos ao outro, uma vez que seus países nunca se “acoplaram” para se “desacoplar” no presente de uma forma que pode ser mutuamente prejudicial. Essa observação tem prós e contras para cada lado. O lado "positivo" das coisas é que os movimentos de cada parte têm muito poucas chances de provocar o outro e prejudicar significativamente seus interesses, enquanto o lado "negativo" é que isso significa que cada parte pode, pelo menos em teoria, continuar com seus movimentos inabaláveis, dependendo em sua vontade política de fazê-lo, uma vez que é improvável que a resposta de sua contraparte os afete adversamente tanto. Obviamente, as determinações “positivas” e “negativas” são relativas e aos olhos dos mais ousados, dependentes também de suas intenções, ideologias,

Com isso em mente, é apropriado avaliar as chances de sucesso de cada estratégia. Os EUA só terão consequências se Washington tiver vontade política de impor as chamadas “sanções secundárias” contra aqueles que compram divisas e dívidas russas, o que ainda está para ver. Mesmo nesse cenário, no entanto, a resposta russa poderia ser, previsivelmente, aproximar-se muito mais da China nessas frentes, acelerando assim sua grande convergência estratégica e fortalecendo a recém-formada “ Liga da Justiça” entre essas duas grandes potências multipolares. Quanto às chances de sucesso da estratégia defensiva da Rússia, ela tem perspectivas muito melhores, já que as medidas de Moscou restringirão muito a capacidade de Washington de se intrometer em seus assuntos internos. Por esta razão, prevê-se que os EUA perderão sua “guerra de sanções” com a Rússia, mesmo que considere seu fracasso um sucesso.

*Andrew Korybko | analista político americano

ONEWORLD

Sem comentários: