terça-feira, 8 de junho de 2021

Por que a vacinação anti-covid vai tão mal em África?


# Publicado em português do Brasil

O continente africano é o que tem a menor taxa de vacinação. Além de poucas doses disponíveis, enfrenta problemas de infraestrutura e temores contra os imunizantes. E falta solidariedade da comunidade internacional.

Enquanto, em média, quase 11% da população mundial já foi vacinada pelo menos uma vez contra a covid-19, na África, essa proporção não chega nem a 2%, só 0,6% está completamente imunizada, segundo o portal de estatísticas Our World in Data. Enquanto em Burkina Faso e Madagascar as campanhas de vacinação entraram em andamento há apenas pouco tempo, em países como Tanzânia ou Chade elas sequer começaram.

Contudo, se decepcionará quem espere que ao menos a partir de agora o processo vá ganhar impulso. Recentemente a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Banco Mundial alertaram contra uma paralisação das vacinações no continente africano.

Richard Mihigo, diretor do programa de imunização e desenvolvimento de vacinas da OMS na África, explicou à DW que, em vez dos 66 milhões de doses que a iniciativa internacional de vacinas Covax deveria disponibilizar aos países africanos, só foram entregues 19 milhões.

Até o momento, menos de 49 milhões de doses de imunizantes do coronavírus chegaram até 51 nações africanas: além das fornecidas pelo Covax, que opera principalmente com o produto da Astrazeneca, Estados isolados importaram vacinas da Johnson & Johnson, Biontech-Pfizer, Sinovac e outras, através de doações ou de acordos bilaterais.

Contudo vários países do continente não estão em condições financeiras de fechar seus próprios contratos com os fabricantes. Isso agrava as consequências quando os imunizantes não chegam, ou em apenas pequena quantidade, através do Covax.

Dados obtidos pela DW indicam que Uganda até agora só recebeu do programa internacional 864 mil doses, o que não basta para uma primeira vacinação de sequer 2% da população. A OMS informa que dez países – Botswana, Costa do Marfim, Essuatíni (antiga Suazilândia), Lesoto, Líbia, Marrocos, Namíbia, Ruanda, Togo e Tunísia – já utilizaram todo o estoque recebido através do Covax.

Causas da escassez

No início de 2021 foram desembarcadas nos Estados africanos as primeiras doses no âmbito do Covax. Porém já em março as entregas começaram a rarear. A OMS calcula que até o fim de junho o déficit será de 190 milhões de doses.

Isso se deve, em grande parte, à decisão da Índia de suspender as exportações dos imunizantes, após a eclosão de uma grande onda nacional de covid-19. O maior fabricante mundial, o indiano Serum Institute, produz para a gigante farmacêutica sueco-britânica Astrazeneca, e antes era a principal fonte de vacinas anti-covid para a África.

Entretanto a escassez de doses não parece ser a única razão das baixas taxas de inoculação. Richard Mihigo assegura que a vacinação contra o novo coronavírus transcorre de maneira exemplar em países como Egito, Gana, Nigéria ou Ruanda. No entanto, 15 Estados não empregaram sequer a metade de seus estoques, e "Benim, Camarões, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Guiné, Sudão do Sul e Comores só usaram 10% de suas doses de vacina".

Portanto, das poucas doses disponíveis, em alguns locais apenas uma pequena proporção pôde ser ministrada. Por um lado, certos países parecem estar guardando as doses para a segunda vacinação. Nesse sentido, a OMS apelou por uma reavaliação, recomendando que se forneçam tantas primeiras doses quanto possível.

A diretora regional da organização, Matshidiso Moeti, declarou a esse respeito: "Enquanto exigimos justiça na vacinação, a África também tem que tomar a iniciativa e tirar o máximo daquilo que tem. Precisamos levar todas as doses que temos até os braços do povo."

Outros fatores que contribuem para os atrasos são a infraestrutura insuficiente para as campanhas de vacinação, inclusive a falta de pessoal capacitado, assim como um ceticismo muito forte contra as vacinas. Crises e conflitos, como na Etiópia, Mali ou República Democrática do Congo (RDC), dificultam a situação mais ainda.

Foi assim que, no fim de abril, a RDC se viu forçada a repassar a outras nações 1,3 milhão de doses não utilizadas da Astrazeneca, pois não teria podido ministrá-las antes do fim da data de validade. O mesmo aconteceu algumas semanas mais tarde no Maláue, onde cerca de 17 mil doses tiveram que ser destruídas. Segundo o governo, o motivo principal foi a insegurança da população quanto a possíveis riscos de saúde da vacina da Astrazeneca.

Aposta na solidariedade internacional

Independente de problemas de distribuição e do ceticismo nos próprios países, a iniciativa internacional Covax precisaria ser fortalecida. No fim de maio, a OMS voltou a apelar à comunidade mundial para que partilhe vacinas com a África, a fim de cobrir a aguda demanda no continente.

Pelo menos conseguiu-se, numa conferência virtual de doadores da Covax, na quarta-feira (02/06), arrecadar 2,3 bilhões de euros em verbas adicionais. Segundo os organizadores, mais do que o esperado, e o suficiente para comprar 1,8 bilhão de doses, e até o princípio de 2022 vacinar 30% dos cidadãos dos países mais pobres contra o coronavírus. Além disso, diversas nações industrializadas – que através de contratos separados com os fabricantes já compraram grande parte da produção – prometeram doar outros 54 milhões de doses já adquiridas.

Tendo em vista a cúpula com seus colegas do G7, a se iniciar no dia seguinte, na conferência virtual o ministro alemão da Saúde, Jens Spahn, voltou a pedir mais solidariedade: "Só estaremos seguros quando todos no mundo estiverem seguros." Por isso, ele iria "mais uma vez apelar para que não só a União Europeia exporte para o mundo" – numa provável alusão sobretudo ao Reino Unido e os Estados Unidos, que até o momento disponibilizaram poucas vacinas para outros países.

No entanto, recentemente os EUA anunciaram que apoiariam a suspensão temporária das patentes para imunizantes contra o Sars-Cov-2. Foi uma surpresa positiva para diversos países africanos, que há bastante tempo reivindicam essa medida.

A ideia é que, sem a restrição das patentes, aumentaria o total de doses disponíveis, e especificamente a produção in loco na África, já que no momento 99% das vacinas para o continente precisam ser importadas. A Alemanha também se dispõe a incentivar a fabricação em solo africano, embora o ministro Spahn visualize o caminho até lá antes através de cooperações, do que de patentes.

Ines Eisele | Deutsche Welle

Sem comentários:

DESTAQUE

Neoliberais e ultradireita: o tronco único

# Publicado em português do Brasil Por trás das diferenças aparentes, as correntes se encontram. Partiram da reação oligárquica ao comunismo...