terça-feira, 8 de junho de 2021

“Marrocos não é um país amigo e perdeu a batalha da opinião pública” -- Barbulo

SH24H.- O jornalista e escritor espanhol Tomas Barbulo indicou em entrevista ao site saharaui SH24H que Marrocos com as suas atitudes não é um país amigo de Espanha e considerou que o Makhzen perdeu a batalha da opinião pública ao utilizar a imigração como arma de chantagem contra a Espanha e a Europa.

Aqui está o texto completo da entrevista publicada pelo SH24H no último dia 30 de maio.

Nos últimos dias, as causas e a história do povo saharaui colocaram-se na linha da frente dos debates a nível nacional (Espanha). Com base na sua experiência como jornalista e investigador sobre o Sahara Ocidental, como avalia o conhecimento da opinião pública espanhola sobre um conflito tão próximo?

Até poucos meses atrás, era um conhecimento superficial. No entanto, a recente agressão marroquina em Ceuta, usando centenas de menores como carne para canhão sob a desculpa de que o Secretário-Geral da Frente Polisário se encontrava num hospital espanhol, contribuiu para aumentar o interesse público pelo conflito.

Marrocos tem procurado chamar a atenção para a figura do Presidente da RASD, Brahim Ghali, como justificação da agressão à soberania territorial de Espanha. Como avalia a abordagem dos meios de comunicação e quais as intenções de Marrocos?

Os ataques ao governo por hospedar Brahim Ghali são uma manobra de diversão. A realidade é que Mohamed VI está muito preocupado com o facto da União Europeia não seguir o caminho de Donald Trump em reconhecer a soberania de Marrocos sobre o Sahara Ocidental. Por isso criou um conflito diplomático com a Alemanha, que não funcionou para Marrocos, e por isso também criou um conflito com a Espanha. Todas essas manobras buscam a mesma coisa: que a UE viole o direito internacional e reconheça a sua soberania sobre o Sahara Ocidental. Há meios de comunicação que o compreenderam e denunciaram e outros que decidiram defender a estratégia de Rabat. Eles saberão por que o fazem.

É possível considerar o atual tratamento mediático da questão do Sahara Ocidental, ditado pelo profissionalismo e pelo acompanhamento periódico e objetivo dos acontecimentos do conflito do Sahara Ocidental, ou simplesmente uma circunstância em que a questão do Sahara é explorada para pressão ou chantagem e tudo isso às custas da verdade e da nobreza da luta do povo Saharaui?

Há de tudo. Existem meios de comunicação e profissionais que relatam objetivamente os fatos e outros que os deturpam e os utilizam para atacar o Governo. Mas, para além das misérias de alguns, a opinião pública espanhola apoia principalmente o povo saharaui e rejeita as agressões marroquinas.

Como define a posição do governo sobre os factos? E a posição das diferentes forças políticas?

Como em quase tudo o que diz respeito ao Marrocos, faltam informações para interpretar os fatos com precisão. À primeira vista, o governo respondeu com rapidez e força à agressão marroquina. A posição do PP e do seu líder, Pablo Casado, parece-me incompreensível. Ele diz que com ele em La Moncloa (Assembleia Nacional) o ataque não teria ocorrido. Por quê? Porque teria reconhecido a soberania de Marrocos sobre o Sahara Ocidental?

Analisando em detalhe as declarações da embaixadora marroquina de Rabat, percebe-se uma clara interferência: Marrocos está em posição de forçar o pulso?

As declarações da embaixadora são inadmissíveis em qualquer país. Consegue imaginar o que teria acontecido se o embaixador espanhol em Rabat tivesse dito algo semelhante? Ele teria sido expulso do Marrocos imediatamente. Essa senhora foi desativada para representar o seu país em Espanha. Espero que o Governo o entenda assim e que rejeite o seu regresso a Madrid.

De Rabat procuram marcar as linhas de trabalho do Poder Judiciário espanhol, qual a intenção e em que medida pode ser prejudicado?

Neste e em outros assuntos, como os que mencionamos antes, Mohamed VI age como um valentão de escola, tentando intimidar os outros com bravatas. Acho que esse tipo de ação é para fazer os seus súditos verem que ele é um fortalhaço, mas visto da Espanha, as suas ameaças à justiça são ridículas.

Marrocos tem sido patrocinado por importantes lobbies políticos e mediáticos espanhóis para distorcer a luta saharaui e branquear o regime de Rabat. Como é que a recente agressão contra Espanha influenciou a suposta imagem de “Marrocos, o país amigo”?

Acho que ficou claro para a opinião pública que Marrocos não é um país amigo. É verdade que Mohamed VI tem um bom número de gangsters na comunicação social espanhola. Em muitos casos, ele exerce a sua influência por meio de acionistas que têm compromissos com empresas francesas ou fundos de investimento relacionados a Israel. Agora, depois da agressão em Ceuta, esses “amigos de Marrocos” têm muita dificuldade em defender Marrocos , porque isso significa alinhar-se com aqueles que se revelaram inimigos. Por isso, em vez de defenderem, atacam a Polisário e o seu secretário-geral.

Falam de “um antes e um depois” nas relações ou imagem de Marrocos. Como pode isso influenciar a luta saharaui e a posição de Marrocos em Espanha?

As relações entre Espanha e Marrocos são muito complexas. A Espanha cedeu muitas vezes à grosseria e aos caprichos de Mohamed VI em troca da sua cooperação em imigração e terrorismo. Embora eu ache que isso deva parar, vejo que é difícil. A atitude do líder da oposição, Pablo Casado, nesta matéria, ao lado de Rabat, é uma vergonha para os seus eleitores. Se apoia publicamente Marrocos quando Mohamed VI faz uma monstruosidade como a que fez em Ceuta, o que se pode esperar dele? De resto, creio que Marrocos perdeu a batalha da opinião pública e que o povo saharaui pode aproveitar esta oportunidade para dar um novo impulso ao conhecimento dos espanhóis da sua luta.

O que é que Marrocos pode extrair nacional e internacionalmente das imagens que demonstram o uso da população como instrumento político?

Condenação e desprezo. Usando as pessoas mais vulneráveis, incluindo centenas de crianças, como munição, Mohamed VI provou ser um monstro.

A posição da UE como bloco é um elemento chave na defesa dos interesses de Espanha e da defesa de Ceuta e Melilha como fronteiras políticas europeias. Porquê Marrocos tenta dissociar a UE e Espanha aplaude as declarações de apoio recebidas de Bruxelas?

Marrocos percebeu que a sua agressão em Ceuta prejudicou gravemente a sua imagem na Europa, a ponto de pôr em perigo os milhares de milhões de ajudas que recebe de Bruxelas, e é por isso que tenta fazer crer que só tem um problema com Espanha . Mas, desta vez, o apoio da UE às fronteiras de Ceuta e Melilla como fronteiras europeias foi claro. Em outras palavras, o tiro saiu pela culatra.

Desde 1975, Espanha tem procurado desvincular-se da sua responsabilidade no processo de descolonização do território da RASD sob ocupação marroquina, até quando veremos um perfil discreto de Madrid num assunto que lhe diz respeito a um nível jurídico e geoestratégico?

A Espanha vem drenando a maior parte dessa questão há quase meio século. Por isso, é preciso dizer que ela foi cúmplice dos massacres que Marrocos perpetrou no passado e da repressão que agora exerce contra os saharauis . Diante da morte de idosos, mulheres e crianças, e diante da tortura, não há desculpas: ou está com o torturador ou está com a vítima. Não há silêncio. Mas temo que a posição da Espanha não mude.

Como podem os intelectuais e a opinião pública influenciar a ação política da Espanha em relação ao Sahara Ocidental?

Explicando repetidamente os fatos que demonstram a responsabilidade da Espanha no Sahara . Através de ensaios, romances, filmes, artigos, peças de teatro, poemas … Quanto mais consciente estiver a opinião pública, mais cuidadosos serão os governos em não a ofender para não perder os seus votos.

porunsaharalibre

Imagens: 1Maomé VI de Marrocos, soberano absolutista de um país pária que ilegalmente ocupou o Sahara Ocidental, a exemplo da Indonésia quando ocupou Timor, conforme é reconhecido pela ONU e por inúmeros países do mundo, A repressão, a tortura, as mortes causadas ao povo sahauri são o nefasto e exposto troféu do regime do monstruoso reino ocupante de um país e de um povo vizinho; 2O jornalista e escritor espanhol Tomas Barbulo 

Sem comentários:

DESTAQUE

Neoliberais e ultradireita: o tronco único

# Publicado em português do Brasil Por trás das diferenças aparentes, as correntes se encontram. Partiram da reação oligárquica ao comunismo...