Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quarta-feira, 25 de maio de 2016

A ERA DO PETRÓLEO BARATO E EVENTUAIS CONSEQUÊNCIAS PARA ÁFRICA



Rui Peralta, Luanda

A Era do Petróleo barato e do gás começou. No período 1970-2013 os preços do barril de petróleo aumentaram cerca 900%. Para termos uma ideia do que isso representa em termos de impacto na produção e no consumo (na oferta e na procura), através da comparação com outros recursos finitos, observe-se que o índice de preços para os minerais e metais indica um aumento dos preços - no mesmo período - de 68%. A cartelização (mais politica do que económica) da produção petrolífera foi responsável por esse absurdo aumento de preço e pelas distorções criadas nas relações entre oferta e procura.

Aparentemente esse período de alta de preços parece ter chegado ao fim. No entanto, pelo facto de a cartelização continuar a persistir e a dominar este mercado – a solução encontrada entre os principais Estados produtores (e aqui reside o cerne da questão) – as distorções continuam a causar instabilidade no sector e a gerarem grandes incógnitas que ultrapassam o bom senso de uma análise realista. Por outro lado a propagação e as dinâmicas causadas por duas revoluções em curso asseguram uma mais ampla produção petrolífera e a preços muito mais módicos do que os praticados entre 2010-2014: a extracção a partir do xisto e a aplicação de novas tecnologias (ferramentas inteligentes) na extracção convencional (perfuração horizontal).

Iniciada nos últimos 10 anos a extracção a partir do xisto contornou, nos USA e no Canadá (países onde se desenvolveu), o declínio a longo prazo das respectivas produções. Apesar dos actuais preços baixos e dos danos que estes provocam nos lucros, um excedente criado pelos altos índices de produtividade obtidos nesta técnica extractiva gera um optimismo moderado no sector. Foram identificados uma série de impactos ambientais negativos e as pesquisas estão agora viradas para a ultrapassagem desses problemas, para que este método de extracção se torne compatível com a legislação ambiental e não tenha impactos negativos no ecossistema.

Quanto á introdução de novas tecnologias, principalmente ao nível de máquinas-ferramentas inteligentes, avança gradualmente e sem grande alarido na perfuração horizontal (o seu expoente encontra-se na Rússia, Austrália e Noruega). Os seus resultados acabarão por fazer-se sentir a longo-prazo, mas representarão uma significativa redução nos custos de produção.

A única solução viável para o sector petrolífero gira em torno dos baixos preços e estas duas silenciosas revoluções em curso poderão ser lucrativas e com margens razoáveis, a preços médios de 40 USD/barril, daqui por 10 a 15 anos. A propagação global destas revoluções e o subsequente preço baixo poderão trazer grandes vantagens á economia mundial, mesmo apesar da quebra de receitas nos países produtores. Estas quebras serão compensadas por factores diversos (politicas de diversificação das exportações e das entradas de divisas) externos ao sector petrolífero, ao mesmo tempo que as margens de lucro (proporcionadas pelas reduções dos custos de produção) normalizam.

Aparentemente estas duas revoluções cimentam e prolongam a dependência petrolífera e as políticas climáticas. Os esforços para desenvolver energias alternativas e renováveis com o objectivo da estabilização climatérica tornar-se-ão mais dispendiosos – uma vez que requerem mais subsídios – do que os baixos preços do petróleo. Petróleo barato e abundante gerará novos equilíbrios no mercado mundial e nas relações internacionais.

Para África este é um desafio que poderá representar uma oportunidade única. Uma vez mais a questão coloca-se no eixo da unidade e da integração africana. As petrolíferas estatais africanas são autênticos elefantes-brancos, máquinas colossais de burocratização e centros de custos exacerbados, além de grandes bancos experimentais de incompetência e de negociatas.

Inicialmente constituídas para dar respostas ao desenvolvimento das economias africanas as companhias petrolíferas estatais acabaram por fazerem parte da grande maquinação neocolonial que perpetua a situação periférica do continente e nos Estados neocoloniais não passam de grandes centros de subsidiarização das oligarquias locais. A integração das petrolíferas africanas (públicas, mistas e privadas) num grande conglomerado de capitais continentais, a constituição de grandes projectos regionais e de uma rede continental de oleodutos, gasodutos e rede petroquímica, e a criação de uma bolsa petrolífera para o mercado africano são passos fundamentais para o desenvolvimento do continente e para a afirmação de África no mundo.

No fundo, meus caros, trata-se de retomar o lema fundamental dos movimentos de libertação nacional da África progressista: “resolver os problemas do Povo”.

Sem comentários: