Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sábado, 2 de julho de 2016

A NARRATIVA ALEMÃ



Pedro Silva Pereira* - Jornal de Notícias, opinião

Poucas vezes é possível apanhar um pirómano em flagrante, ainda de lata de gasolina na mão, mas foi o que aconteceu esta semana quando as televisões transmitiram as especulações levianas de Wolfgang Schäuble sobre um eventual segundo resgate para Portugal. Ainda ardiam as chamas do Brexit, semeando a incerteza e a turbulência nos mercados, e já o ministro das Finanças da Alemanha, de forma totalmente irresponsável, desferia, por razões mesquinhas de cariz puramente ideológico-partidário, um golpe baixo de pura agressão contra o Governo de Portugal e a escolha democrática que os portugueses fizeram no sentido de virar a página da austeridade.

As declarações de Schäuble mereceram condenação geral, é certo. Mas de pouco serve essa condenação se ela se fizer ao estilo de Passos Coelho, que se limitou a questionar a sua "oportunidade" mas lá foi acrescentando palavras de compreensão para com o seu amigo alemão porque, bem vistas as coisas, é a política do Governo português que "não gera confiança".

O que está em causa é muito mais grave do que o potencial incendiário das imprudentes declarações de Schäuble. Grave, mesmo, é a "narrativa alemã" que lhe está subjacente, porque é ela que está a prejudicar Portugal e a atrofiar a resposta da União Europeia à crise.

Por estranho que possa parecer a quem viu o debate no Reino Unido focar-se na política de imigração e no confronto entre a soberania democrática nacional e a burocracia de Bruxelas, há hoje uma corrente de pensamento na Direita alemã, mas também noutros países do Centro e do Norte da Europa que, contra toda a evidência, pretende sustentar a tese de que o descontentamento que explica o Brexit e outros movimentos eurocéticos se deve, imagine-se, à "falta de credibilidade" das regras orçamentais, isto é, à insuficiente disciplina na execução da política de austeridade! É essa doutrina extraordinária que inspira as críticas de Schäuble a qualquer inflexão na política de austeridade em Portugal, mas é ela também que inspira a luta do líder alemão do PPE pela aplicação de sanções a Portugal e à Espanha, e se possível também à França e à Itália, tal como é ela que inspira a recusa do PPE, feita esta semana em conferência de imprensa, da proposta de Renzi de responder ao Brexit com mais flexibilidade orçamental e resolução dos problemas estruturais da arquitetura institucional do euro, incluindo a mutualização das dívidas.

O caso é sério. Quem, como Schäuble, alimenta permanentemente o argumento falacioso de que os alemães andam a pagar os faustosos benefícios sociais dos portugueses, não pode depois dizer-se surpreendido por ver progredir nesse caldo de cultura o populismo nacionalista, adversário do projeto europeu. Do mesmo modo, quem, como Passos Coelho, sempre se bateu pelo triunfo da "narrativa alemã", não deveria surpreender-se com a imposição de sanções absurdas, que não são outra coisa do que o corolário lógico dessa narrativa.

Não há volta a dar: o projeto europeu só será capaz de superar este Cabo das Tormentas se a "narrativa alemã" for denunciada - e derrotada.

*Eurodeputado

Sem comentários: