sábado, 29 de outubro de 2016

Bem-vindos à escravocracia



As guerras em curso não são, afinal, mais do que uma nova etapa da deslocalização e da desregulação dos mercados, medidas imprescindíveis para a ditadura global imposta pelo sistema neoliberal. Alguma dúvida?

José Goulão – AbrilAbril, opinião

Há quem se surpreenda e se declare até chocado quando alguém denuncia, escorado em indesmentíveis evidências captadas no mundo actual, que alguns dos mais influentes dirigentes mundiais têm comportamentos escravocratas, no seu afã de corresponder às exigências prementes e irrecusáveis dos grandes tutelares da economia transnacional e do casino financeiro mundial.

A reportagem transmitida esta semana pelo insuspeito programa «Panorama BBC», intitulada «Os Refugiados que fazem as nossas Roupas», poderia vir agitar as consciências de tais dirigentes e respectivos acólitos – se eles as tivessem – porque demonstra como é balofo e inconsequente o discurso sobre a primazia dos direitos humanos e a justiça das «guerras libertadoras» conduzidas pela NATO e suas divisões especiais, chamem-se «Estado Islâmico» ou «Al-Qaida».

Nessa reportagem, o jornalista britânico Darragh MacIntyre mostra crianças fugidas à guerra na Síria, e refugiadas na Turquia, fabricando roupas de algumas multinacionais da moda – Zara, Marks & Spencer, Mango, ASOS – e trabalhando 12 horas por dia, a 1,12 euros por hora. O jornalista teve que fazer a investigação e as filmagens de maneira clandestina, correndo riscos devido ao cariz ditatorial da «democracia» de Erdogan. Só desse modo conseguiu trazer à luz do dia este caso de ineludível escravatura. Ou não?

É um caso apenas, dirão alguns. O que tem isso a ver com os dirigentes mundiais? Perguntarão os mesmos ou outros.

Não sejamos ingénuos. O exemplo de trabalho clandestino, cujos muros o jornalista britânico derrubou, é um átomo de um submundo que todos sabemos existir e que vem ocasionalmente à superfície, como agora.

Assim como as marcas exploradoras não serão as únicas, bem longe disso.

Além disso, esta degeneração tem tudo a ver com os dirigentes internacionais, porque são estes que formatam o mundo de que são donos os grandes nomes da finança e da economia, sejam eles da moda ou de qualquer outro sector que pratica a selvática caça ao lucro. Além disso, não nos desviemos do significado principal deste caso minúsculo e, ao mesmo tempo, de grande envergadura.

A Turquia é um pilar do «mundo livre», um país na verdade associado à União Europeia e permanentemente na soleira da sua porta; é, sobretudo, um dos membros mais estratégicos da NATO e aliado operacional de todos quantos, a partir de Washington, Paris, Londres, Berlim, Telavive e Riade, destroem países do Médio Oriente em cadeia. Criando assim, entre muitas desumanas aberrações, um exército de trabalho escravo que exponencia, à custa de sangue e terror, os lucros da nata empresarial, como agora está definitivamente demonstrado.

Nos dias em que assistimos à vergonha franco-britânica da «selva de Calais», na qual as vítimas de conflitos provocados pelos governos francês e britânico são pudicamente tratadas por «migrantes», e não por aquilo que verdadeiramente são – refugiados de guerra –, ficou também à vista de quem quer ver um exemplo do uso que é dado aos milhares de desesperados em fuga do suplício que «os amigos» levaram aos seus países.

Quando surgirem notícias, aparentemente absurdas, como a do desaparecimento misterioso de 10 mil crianças refugiadas de guerra, já depois de terem sido registadas à entrada da Suécia e de Itália, poderemos adivinhar, sem qualquer risco de erro, um dos destinos possíveis dessas vítimas. Não consta que a nuvem sempre crescente de autoridades policiais e aparentadas, que protege a Europa do terrorismo e da criminalidade inerente aos refugiados – segundo os discursos oficiais –, tenha já detectado o paradeiro desses misteriosos desaparecidos. Provavelmente, e pelo contrário, bons e empreendedores patrões das nossas praças financeiras estarão a par dos seus novos endereços e actividades.

Sabemos que são muitas as vantagens económicas, financeiras e estratégicas das guerras em curso do Afeganistão à Líbia: vantagens para os que continuam a somar milhões graças aos bons ofícios dos governos que as patrocinam e da instituição militar que as executa – a Aliança Atlântica. A todos esses benefícios juntemos a possibilidade de usufruir de trabalho escravo puro e duro, algo de que já a punição austeritária dos povos europeus era (e é) uma aproximação.

As guerras em curso não são, afinal, mais do que uma nova etapa da deslocalização e da desregulação dos mercados, medidas imprescindíveis para a ditadura global imposta pelo sistema neoliberal. Alguma dúvida?

Sem comentários: