sábado, 29 de outubro de 2016

Hoje acertamos relógios. Há um século que o fazemos, sabe porquê?





Esta noite vai poder dormir mais uma hora, mas sabe porquê? E o que tem o vocalista dos Coldplay a ver com isto?

Na passagem de 29 para 30 de outubro os relógios vão atrasar uma hora, dando início ao horário de inverno. Mas este ano a data é especial: há 100 anos que mudamos os ponteiros do relógio.

No outono, a hora muda na madrugada do último domingo de outubro e na primavera os relógios adiantam uma hora na madrugada do último domingo de março.

A ‘culpa’ é do trisavô de Chris Martin, vocalista dos Coldplay. William Willett, membro da Sociedade Astronómica Real do Reino Unido, teve a ideia de mudar a hora no verão e reacertá-la no outono em 1907, com o seu trabalho ‘The Waste of Daylight’ (‘O desperdício de luz do dia’) escreve o Metro.

O britânico passou grande parte da sua vida a tentar convencer a sociedade a adiantar os relógios na primavera, de forma a aproveitar melhor as horas de sol.

O horário ‘DST’, (Daylight Saving Time) chegou a ser debatida cinco vezes na Câmara dos Comuns e sempre chumbada por influência da comunidade científica, que se opunha à ideia.

O sistema acabou por só ser oficialmente implementado em 1916, pouco depois da morte de William Willett.

Este ano foi decisivo porque, em plena Primeira Guerra Mundial, se pensou que a mudança de hora podia contribuir para os esforços de guerra e melhorar a economia devido à poupança de carvão.

A Alemanha foi o primeiro país a aderir, seguida dos Países Baixos, Suécia e só depois o Reino Unido.

A ideia já fora antes aflorada por Benjamin Franklin, em 1784, e pelo astrónomo neozelandês George Hudson, em 1895, mas Willett é considerado o verdadeiro pai do Horário de Verão.

Em Petts Wood, perto de Londres, há inclusive um memorial em sua homenagem – um relógio de sol que nunca muda de hora e onde se lê “Horas non numero nisi sestivas” (“eu apenas digo as horas de verão”).

No entanto, se já está a festejar o facto de poder ficar mais uma hora na cama, saiba que esta alteração dos ponteiros do relógio traz "mais riscos que benefícios", segundo adverte a Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono.

A prática de mudança de hora prende-se essencialmente a preocupações ecológicas e sociais, para fazer coincidir o horário de trabalho com as horas de luz solar, e não reúne consenso a nível mundial. Grande parte do globo opta por não alterar os relógios em função das estações do ano.

Na Europa só a Arménia, Bielorrússia, Geórgia e Rússia não atrasam os relógios uma hora na próxima madrugada nem os adiantam em março.

A União Europeia faz uma reavaliação desta prática de cinco em cinco anos. A próxima reavaliação deverá ser feita no próximo ano, para os cinco seguintes (2017-2021).

Tenho de atrasar a hora no meu telemóvel? Se tem um smartphone a resposta é não. Em regra, as horas nos telemóveis atuais mudam de forma automática, mas pode confirmar se a hora vai mudar no seu.

Se tem um iPhone vá a Definições – Geral - Data e Hora. Se tiver configurado como ‘Definir automaticamente’ a hora mudará sozinha durante a madrugada.

O mesmo no caso dos Android: Definições – Data e Hora. A opção ‘data e hora automáticas’ deve estar ativada.

Carolina Rico, em Notícias ao Minuto

Sem comentários: