segunda-feira, 17 de outubro de 2016

MAIORIA DOS AÇOREANOS NÃO VOTARAM, CONSEQUÊNCIAS ZERO PARA OS POLÍTICOS



As eleições regionais realizadas ontem nos Açores demonstraram a pouca vergonha que grassa na política portuguesa e a ausência da mesma nos políticos do país. Quase 60 por cento dos eleitores demonstraram aos políticos açoreanos (neste caso) a sua desconfiança e recusaram passar-lhes a procuração de defesa dos seus direitos, liberdades e garantias. Em defesa da democracia e dos interesses por que se deviam pautar os deputados regionais. Maioritariamente, em números alargados, os eleitores açoreanos recusaram eleger os políticos e os partidos que os têm (des)governado ao longo de décadas – especificamente os deputados autárquicos do PS, do PSD e do CDS.

“Porque o voto é uma arma decidimos não votar, para não entregar a nossa arma aos que não a merecem e ficarmos indefesos”, disseram muitos dos eleitores nos Açores.

O desenho da democracia vigente (que muito deve à democracia de facto) permite a abstenção eleitoral mas sem que as consequências dessa opção dos eleitores recaia sobre os partidos políticos e os políticos que estão em concurso eleitoral. Os eleitores manifestam claramente a sua falta de confiança nos partidos e nos políticos mas esses mesmos que não inspiram confiança são considerados eleitos para a tarefa de se governarem e governarem os que os rejeitam por falta de confiança.

“Se só 40 por cento dos deputados foram eleitos deviam ser só esses a preencher a assembleia. Os outros 60 por cento deviam representar a abstenção, a desconfiança e recusa dos eleitores naqueles deputados propostos pelos partidos. As cadeiras deviam ter por significado isso mesmo e ficarem vazias. A assembleia devia ter só presentes os 40 por cento eleitos em vez fazerem batota com a interpretação de que os eleitores não lhes enviaram a mensagem de que não confiam neles para ali estarem. Ali e no governo, por inerência. Assim, a opção democrática de demonstrar a recusa de eleger  aqueles partidos é desvirtuada. Eles tornam-na inconsequente. Ora digam lá que democracia é esta?” Ouvia-se com frequência entre os que em consciência se abstiveram por não confiarem nos políticos e partidos propostos nas listas eleitorais.

Como se nada de anormal tivesse acontecido, a abstenção dos eleitores foi lamentada pelos políticos mas foi inconsequente. “Até assim eles conseguem manter os “tachos” e enganar-nos, passando comprovativo de que são eles que querem, podem e mandam. Eleições de palhaçada, é o que é.” Desabafam alguns dos eleitores que defendem as consequências para os partidos e os políticos que rejeitam eleger e expressam através da abstenção do voto que lhes pertence e que em consciência foi usado na abstenção, por opção política e democrática.

Walter Leal da Câmara, nos Açores

Abstenção nos Açores atingiu os 59,1%, valor mais alto de sempre

A abstenção atingiu, este domingo, 59,16% nas eleições regionais dos Açores, um recorde absoluto nestes sufrágios, superando os 53,34% de abstenção em 2008, que era até agora o valor mais elevado.

Dos 228.160 inscritos, apenas foram hoje às urnas 93.189 eleitores e 134.971 abstiveram-se. Nas eleições de 2012, a abstenção situou-se nos 52,14%, com 117.371 eleitores dos 225.127 inscritos a optarem por não votar.

A mais alta taxa de abstenção de sempre nas regionais açorianas tinha-se registado em 2008, quando 53,34% dos eleitores, 192.943, não foram às urnas.

Em 2004, a abstenção foi mais baixa, de 44%, 85.571 eleitores, e, nas eleições de 2000, foi de 46,7%.

A taxa mais alta de participação registou-se nas eleições de 1980, com uma abstenção de apenas 22,9%.

Quatro anos depois, em 1984, a abstenção subiu para 37,6%, representando 64.389 eleitores. O número de abstencionistas voltou a subir em 1988, para 74.165, uma percentagem de 41,1%.

Nas eleições de 1992, a taxa de abstenção foi de 37,8%, 69.454 eleitores, e nas regionais de 1996 esta taxa passou a barreira dos 40%, quando 78.184 eleitores não foram votar.

As primeiras eleições regionais, em 1976, já tinham registado uma taxa alta de abstenção, de 32%, representando 52.851 eleitores em 162.677 inscritos.

Jornal de Notícias

Sem comentários: