quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Portugueses são os menos satisfeitos com a vida. Porquê?



Todos os anos a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) faz um retrato do que está mal nos vários países desenvolvidos. Conheça as principais preocupações para Portugal.

Pouca saúde, poucas crianças ou jovens e um desemprego que continua muito elevado, sobretudo entre quem chega ao mercado de trabalho ou é mais velho.

Estes são alguns dos principais problemas identificados pela OCDE para Portugal no seu relatório anual Society at a Glance que também revela que os portugueses são, nos países desenvolvidos, os menos satisfeitos com a vida.

Pouca saúde e pouca satisfação com a vida

Além de confiarem muito pouco no governo, a satisfação com a vida caiu bastante em Portugal desde o início da crise. Numa escala de 0 a 10 os portugueses escolhem, em média, o 5,1, o valor mais baixo entre os países da OCDE.

Além disso, menos de 50% dos portugueses dizem sentir-se saudáveis, o que fica muito abaixo dos 70% da OCDE.

Muito poucos bebés

A taxa de fertilidade em Portugal fica-se por umas modestas 1,23 crianças por mulher. Muito abaixo da média da OCDE (1.68) e um número que apenas consegue ser superior ao que se encontra na Coreia do Sul, a campeã na falta de crianças. Em todos os outros países há mais bebés do que em Portugal.

A percentagem de população jovem também não tem parado de cair desde 1960 (menos 8 pontos percentuais) e os jovens são hoje apenas 16% da população.

Finalmente, as mulheres portuguesas mães de bebés (0 a 2 anos) estão entre as que mais trabalham: 70% contra 53% da média da OCDE, a quarta taxa mais alta da Europa, com muitas a não terem outra hipótese a não ser colocar o filho num infantário.

Desemprego continua elevado

Apesar da queda de 5 pontos percentuais desde o pico da crise, a OCDE sublinha que o desemprego em Portugal continua muito elevado. E para os mais novos que chegam ao mercado de trabalho a taxa ronda os 50%.

Nos mais velhos, três em cada quatro desempregados com mais de 55 anos estão desempregados há mais de um ano, uma percentagem das mais elevadas da OCDE.

Crianças e jovens mais atingidos pela crise

Portugal é um exemplo claro de um país onde os jovens com menos educação foram mais afetados pela crise, o que se vê bem no desemprego de quem tem 15 a 29 anos.

A taxa de pobreza entre jovens e crianças também é muito mais elevada do que noutros países. Chega aos 18% enquanto nos adultos se fica pelos 13% e nos idosos pelos 10%. Os jovens em Portugal têm muito mais probabilidades de serem pobres.

Nuno Guedes – TSF - Foto: Miguel Pereira/Global Imagens

Sem comentários: