quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Jovens portugueses que não trabalham nem estudam custam mais de 2 mil milhões por ano


A OCDE fez contas à riqueza que se perde em Portugal por existirem tantos jovens sem fazer nada.

Os jovens que não trabalham nem estudam custam a Portugal mais de 2 mil milhões de euros, cerca de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB), ou seja, da riqueza produzida anualmente no país.

As contas são da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) num relatório hoje publicado sobre o que está bem e mal na sociedade portuguesa.

Na vasta parte dedicada ao problema dos chamados "jovens nem-nem" com idades entre os 15 e os 29 anos, o documento explica que depois do pico durante a crise (19%) a percentagem de jovens que não trabalham nem estudam até desceu para 15% em 2015.

Contudo, continua acima dos valores registados antes da crise com mais de metade a estarem desempregados e os outros inativos, ou seja, nem estão à procura trabalho.

Perto de 70% dos "nem-nem" vivem nas casas dos pais, um valor apenas ultrapassado pela Itália e Grécia, com os jovens nascidos no estrangeiro a terem 20% mais de probabilidades de estarem nesta situação.

Feitas as contas aos custos para o país de ter tantos jovens sem fazer nada, a OCDE estimou para Portugal um valor que ronda os 1,2% do PIB, um resultados mais altos da Europa, apenas ultrapassado pela Itália, Bélgica e Grécia.

Feitas as contas, 1,2% do PIB representa mais de 2 mil milhões de euros por ano.

Nuno Guedes – TSF

Sem comentários: