Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

“MÁRIO CENTENO TEM TODA A MINHA CONFIANÇA E A ADMIRAÇÃO DO PAÍS” – afirma PM




Primeiro-ministro mostra apoio ao ministro das Finanças

O primeiro-ministro, António Costa, está esta sexta-feira em visita à Kathrein Automotive, em Vila Real. Aos jornalistas presentes, e à margem da visita, acaba de reafirmar o seu apoio a Mário Centeno, ministro das Finanças.

“Mário Centeno tem toda a minha confiança e admiração do país pela forma notável como tem sabido pilotar esta viragem da página da austeridade”, começou por afirmar António Costa.

O primeiro-ministro elogia ainda o “pequeno feito que é termos o menor défice dos 42 anos da nossa democracia”.

Mário Centeno “tem feito um excelente trabalho, relativamente a um grande desafio que tinha sido adiado pelo anterior governo, e que tem a ver com a estabilização do sistema financeiro. Uma após outra, serenamente, cada instituição financeira tem vindo a encontrar a sua solução”, afirmou ainda António Costa.

Costa destacou a recente OPA do BPI, que foi “concluída com sucesso a capitalização do Millenium” e ainda que “a CGD tem hoje a autorização da União Europeia para podermos capitalizar de forma a ser aquilo que a CGD tem de ser: um banco 100% público” e que “tem hoje uma administração que cumpre a lei, que cumpre as regras de transparência e está concentrada na execução do plano de negócios”.

Recorde-se que a correspondência que António Domingues, o gestor que esteve apontado à liderança da Caixa Geral de Depósitos, terá trocado com o responsável da pasta das Finanças tem dado lugar a polémica, havendo inclusive à Direita acusações de que o ministro mentiu e até pedidos de demissão de Centeno da pasta das Finanças, como foi sugerido pelo social-democrata Paulo Rangel.

“O PSD e o CDS hoje não têm nada a dizer ao país, ao Governo e aos portugueses”, apontou.

O salário mínimo “foi aumentado sem que eles contribuíssem o que quer que seja para isso”, as empresas vão pagar menos de pagamento especial por conta “sem ser com o contributo deles e apesar deles”. A CGD, “que sempre sonharam em privatizar, hoje não só não está a caminho da privatização, como está a ficar um banco seguro, no Estado”.

António Costa citou ainda Manuela Ferreira Leite, antiga líder do PSD, para se referir ao tema como “tricas”, referindo-se ao comentário na antena da TVI24 de que ontem demos conta no Notícias ao Minuto.

“Não podemos perder tempo com tricas. Temos de nos concentrar no essencial: termos uma CGD forte, continuar a ter uma boa gestão das finanças públicas, a reduzir défice, a relançar a economia, a aumentar as exportações, a aumentar o emprego, e nisso que temos de nos concentrar e é isso que interessa às pessoas”, apontou.

Questionado sobre se demissão de Mário Centeno está em cima da mesa, respondeu “nem pensar, que disparate”.

Pedro Filipe Pina – Notícias ao Minuto - Foto: Reuters

Sem comentários: