Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 16 de março de 2017

NAZIS NÃO, OBRIGADO. NEM MEXIA, NEM DÍVIDA, NEM PASSOS SUICIDA… POR FAVOR




Mário Motta, Lisboa

Na falta de Expresso Curto e umas quantas “bocas” que são do inferno aproveitemos o que há do dia de hoje para fazer aqui uma abertura para o que vai encontrar mais em baixo, em notícias nacionais e estrangeiras. Estrangeiro, de país da UE, que é a Holanda. Como sabemos por aqui e por aí foi ontem dia de eleições na Holanda. Havia o temor de ser eleito o candidato nazi-fascista Geert Wilders. Tal não se concretizou. Mesmo assim ficou comprovado que há muitos eleitores holandeses que tendem para aquela espécie de Hitler. Ficou comprovado nos resultados. O governo do primeiro-ministro Mark Rutte não se saiu bem nos resultados. Os Verdes avançaram. Partidos à disputa eram 31. Agora espera-se que uns quantos se aliem para formarem governo. Sem o nazi-fascista, a que chamam populista, atrás referido, Wilders, líder do Partido da Liberdade.

Não se considere que o perigo da extrema-direita nazi está afastado da Holanda ou da Europa. Costuma-se dizer e é certo: “Tantas vezes vai a cantarinha à fonte que algum dia perde a asa”. O mesmo é dizer que a extrema direita (nazi) avança na Europa e que os poderes esperam-na. Esclarecimento é o que os povos europeus e do mundo carecem, para que não sejam enganados por políticos sem escrúpulos. E desses, em cada dia que passa, são o que há mais. Não só na Europa mas em todo o mundo.

Bem, mas relativamente à Holanda respirámos fundo. Não muito. Importa ficarmos atentos. Assim como às eleições em França, onde a madame Le Pen, outra nazi-fascista, está a ser temida por poder obter resultados eleitorais avantajados. Eles prometem tudo para se instalarem nos poderes, depois não cumprem com o prometido e lá vão as liberdades, a democracia de facto, e tudo que gerações pós-guerra conquistaram na Europa.

Em Portugal temos um exemplo de aldrabão impar: Passos Coelho. Outro exemplo lastimável foi Cavaco Silva, um PIDE. Um elemento que decerto não teria rebuço algunm em servir Hitler se acaso fosse desses tempos. Mas, tanto quanto se sabe, foi um salazarista adulador. Para fascista o que lhe faltaria? Evidentemente que nos seus cargos não teve a possibilidade de se “esticar” e sim submeter-se à Constituição e regras democráticas. Mesmo assim com falhas, muitas falhas.

Agora por Portugal: sabem que existe um Mexia que continua a mexer nos bolsos dos portugueses por via da EDP? Pois leiam a seguir. Roam-se até aos cotovelos com aquilo que António Mexia recebeu. Uma enormidade. Uma imoralidade. Um nojo. Principalmente num país como o nosso, de pobres quase a cada esquina. Chineses, são os seus patrões. Chineses da escola de Mao Tsé Tung. O tanas e às urtigas o livro vermelho de Mao, desse estuporado de olhos rasgados que dominou centenas de milhões de chineses e assassinou muitos milhares. E no fim… há este Mexia e outros mexilhões de baixa índole humana. Não sei classificar de outro modo.

Portugal está empenhadíssimo e não há como pagar a divida. Diz Louçã. Outra notícia mais em baixo. “Quem não pode, arreia”. Diz-se popularmente. Pois é isso mesmo que vai ter de acontecer. Os usurários vão ter de “ter paciência” e serem eles a aguentar, porque a dívida é insustentável. E impagável. Solução rápida, precisa-se.

Mais um tiro de Passos Coelho, o líder PSD falido. Um tiro nele próprio. Escolheu para as eleições autárquicas a candidata a Lisboa: Teresa Leal Coelho. Leal, só se for a Passos. Não sabem quem é esta Teresa? Pergunte-se aos portugueses, principalmente aos lisboetas – que é o que agora interessa. Dirão alguns, os que a reconhecem: “Sim, sei quem é. É uma deputada do PSD que se sobressai nas “peixeiradas”. Pois é mesmo essa. Resultados eleitorais previstos são inferiores em votos aos de Assunção Cristas. Grande tiro deu Passos nele próprio. O sujeito está desesperado e enveredou pelo suicídio. Está visto. Tadinho.

E agora sigam. Passem ao que se segue no PG. Boa noite ou outra coisa que lhe soe a algo agradável como saudação. Têm a nossa estima. Bazem.

Sem comentários: