Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 16 de março de 2017

Portugal. ANTÓNIO MEXIA RECEBEU 1,38 MILHÕES EM REMUNERAÇÃO DA EDP EM 2016


O presidente executivo da EDP, António Mexia, recebeu 1,38 milhões de euros ilíquidos relativos à remuneração fixa e variável, em 2016, de acordo com o relatório e contas divulgado hoje ao mercado.

Segundo o documento, o montante global ilíquido, pago pela EDP, aos membros do Conselho de Administração Executivo em 2016 foi de 10,87 milhões de euros, sendo a remuneração variável anual relativa à avaliação de desempenho em 2015.

Já o administrador financeiro (CFO) da EDP, Nuno Alves, auferiu em 2016 um milhão de euros ilíquidos e o administrador Manso Neto, que preside à EDP Renováveis, cerca de 974 mil euros.

Os acionistas da EDP reúnem-se em assembleia-geral em 19 de abril, pelas 15:00, para aprovação das contas relativas a 2016 bem como da proposta de distribuição de dividendos.

A EDP fechou 2016 com lucros atribuíveis aos acionistas de 961 milhões de euros, um acréscimo de 5% face aos 913 milhões de euros em 2015.

Os resultados antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) atingiram os 3.759 milhões de euros em 2016, uma redução de 4% em termos homólogos, que teria aumentado 6% excluindo os efeitos não recorrentes.

"2016 foi um bom ano para o grupo EDP", afirmou António Mexia, em conferência de imprensa, em Lisboa, aquando da divulgação dos resultados, realçando o aumento dos proveitos regulados em Espanha, a produção hídrica acima da média e as melhorias de eficiência.

A EDP vai propor aos acionistas um dividendo de 19 cêntimos por ação relativo ao exercício de 2016, um acréscimo de 3% face à remuneração do ano anterior.

Lusa, em Notícias ao Minuto

Sem comentários: