Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 2 de março de 2017

Portugal. NÚNCIO JÁ MENTIU UMA VEZ. É ESTA A VERDADE TODA?


Ana Sá Lopes – jornal i, editorial

Uma das coisas feias de todo este processo – para além da subvalorização de não terem sido publicadas as estatísticas, como mandam as boas práticas de combate ao branqueamento de capitais – é aquele momento em que Paulo Núncio mente ao Diário de Notícias e culpa a Autoridade Tributária de uma coisa que o faz, no sábado, “assumir a responsabilidade política”

A explicação que deu para culpar quem estava sob a sua tutela era detalhada e feita por escrito. Núncio não foi apanhado em falso como um menino da escola primária: teve tempo para pensar no que dizia. Escolheu mentir.

No dia 24 de fevereiro, por escrito, Núncio diz “o despacho do [seu] antecessor [Sérgio Vasques] determina que a DGCI (atual Autoridade Tributária) divulgue na sua página a informação relativa a transferências financeiras para paraísos fiscais”.

Na mesma resposta, Núncio sustenta: “O despacho de visto não é uma oposição à respetiva divulgação, uma vez que a AT já estava obrigada a publicar a estatística com base no despacho do meu antecessor”. Só depois do desmentido de Azevedo Pereira, que foi diretor-geral dos Impostos entre 2007 e 2014 – que contou que o pedido de divulgação das transferências foi feito por três vezes e aos costumes Paulo Núncio nada disse, é que o ex-secretário de Estado veio “assumir responsabilidades políticas”.


“Tendo em conta o tempo que decorreu entre os factos e o presente e tendo tido agora a oportunidade de revisitar os documentos (...) considero legítima a interpretação dos serviços que levou à não publicação das estatísticas no portal das Finanças. Assumo, por isso, a responsabilidade política pela não publicação das referidas estatísticas”. Ontem, Núncio mudou outra vez o discurso.

A decisão de não divulgar as transferências de dinheiro para offshores foi política – “para não beneficar os infractores”. Que infractores? Que nova versão Núncio ainda nos tem para dar? O seu peso político no governo era tão grande para decidir sobre matéria tão delicada sem mais ninguém saber? Há muitas perguntas à espera de resposta.

Sem comentários: