Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sábado, 24 de junho de 2017

Portugal | DEPOIS DO LUTO



Paulo Tavares | Diário de Notícias | opinião

Estão todos, por fim, onde queriam estar. Livres do luto e disponíveis para um debate político miserável e que mais não é do que o mesmo de sempre. Depois do que se passou nos últimos dias, o país pedia e merecia mais. Entre as inúmeras personagens secundárias, dos dois lados da barricada, que vão multiplicando-se em acusações absurdas e maniqueístas, salva-se a sugestão do PSD, para a criação de uma comissão técnica independente que nos dê as respostas que procuramos. Salva-se igualmente a rapidez com que o governo aceitou a sugestão. Já agora, se mal pergunte, "independente" vai significar exatamente a mesma coisa para governo e oposição? Quem vai escolher os nomes dos técnicos? Vamos ter votações no Parlamento para essas escolhas? Não me parece que seja o caminho, mas enfim.

Seja como for, que venha a comissão. Que seja rápida nas conclusões e que permaneça o mais independente possível. Já dou de barato que haja fogos florestais e que nem sempre seja possível contê-los nos primeiros momentos, ou seja, que alguns fiquem fora de controlo. Há um longo historial de casos semelhantes, com destruição de vastas extensões de floresta, em países com meios de combate bem mais sofisticados e numerosos - Estados Unidos (sobretudo Califórnia), Canadá e Austrália, apenas como exemplo. A grande diferença é que não há registo, nesses casos, de uma lista tão grande de vítimas - mortos ou feridos. Diga-se o que se disser - ou, nesta fase, adivinhe--se o que se adivinhar - sobre as ignições e as condições de propagação do incêndio de Pedrógão Grande, há uma certeza. Em caso algum deviam ter morrido ou ficado feridas pessoas sem qualquer ligação ao combate ao fogo. Por outras palavras, não é aceitável que morram civis.

Voltando à política. Já ouvi autarcas a disputar em direto na rádio o seu quinhão da solidariedade nacional. "Aqui também ardeu!", gritam, com as autárquicas ali ao virar do verão. Também já começou o empurrar da culpa de um lado para o outro. Ainda ontem, em direto numa televisão, outro autarca garantia que a limpeza daquela estrada - a EN236-1 - não era com ele, logo estava descansado. E há de chegar a fase em que a GNR empurra para os bombeiros, e os bombeiros para a coordenação da Proteção Civil, e por aí fora. Por respeito a tudo o que se passou, exigia-se mais ponderação e tranquilidade, sobretudo a quem tem tido acesso aos diversos palcos da comunicação social. 

Foto: Lusa

Sem comentários: