sexta-feira, 8 de junho de 2018

OBTUSOS CRITÉRIOS E CRITÉRIOS JUSTOS

PARTILHAR

Martinho Júnior | Luanda 

1- Ao longo das quatro décadas da independência de Angola, em nome da história, dos “direitos humanos” (decorrentes do entendimento ao serviço dos processos dominantes), ou até evocando pretensões com raiz no carácter do próprio colonialismo, muitas campanhas se têm desenvolvido pelas mais diversas correntes doutrinárias e ideológicas, com abertura a aproveitamentos que, duma forma ou de outra, vão encaixando nos padrões do exercício do poder dominante que instrumentaliza os próprios Estados Unidos e seus vassalos na multiplicidade de relacionamentos mantidos no decorrer da globalização, em especial desde o início da década de 90 do século passado (incluindo no recurso que fazem às novas tecnologias).

O vácuo que ocorreu com o desaparecimento do socialismo no espaço euro-asiático, por tabela, ainda que em relatividade própria, no africano, escancarou as portas a esse tipo de correntes (a oportunidade da “Open Society”, um padrão para novos fluxos de ingerência e manipulação conformes ao “perfil” do filantropo-especulador George Soros, um “modelo” que se inscreve no capitalismo neoliberal), bem como à alimentação de campanhas que acabam por criar vínculos, quando é aplicado o “soft power” das potências, na esteira dos velhos “expedientes de assimilação”, algo que vem ocorrendo em relação a Angola, mais sensivelmente a partir do Acordo de Bicesse, assinado a 31 de Maio de 1991.

A esta distância é verificável a quem serviu Bicesse, seguindo a trilha de um dos seus principais artífices, Durão Barroso, que se apresentará em Turim à reunião de 2018 do Bilderberg…

É evidente que desse modo passou a haver a oportunidade para, em nome da história, da antropologia e até da filosofia, se arranjarem todo o tipo de narrativas de conveniência, que subsistem não por causa dos lindos olhos dos cidadãos do mundo, ou no caso de Angola dos angolanos, mas por que as campanhas fazem parte intrínseca do domínio, aninhando-se nos braços de seus interesses egoístas, de suas ingerências multiformes e de suas múltiplas manipulações e ingerências mais ou menos subversivas que ocorrem em função dos seus imensos recursos acumulados à custa do sacrifício dos povos e das potencialidades de ordem geométrica atiçadas pela especulação (não só financeira, mas neste caso de índole psicossocial).

Muito recentemente abordei este vasto e naturalmente controverso assunto na intervenção “Vitória estratégica para toda a humanidade” e a propósito, além do mais, do chavão “Guerra Fria”, ele próprio motivador duma campanha que, sem olhar a meios, foi guerra psicológica sobretudo contra a União Soviética e o socialismo, capaz até de substituir a objectividade histórica comprovada e relativa ao desenrolar dos acontecimentos antes, durante e imediatamente a seguir à IIª Guerra Mundial até meados do século XX, com influência em todo o mundo por causa das correntes derivadas dos mais poderosos interesses, os da aristocracia financeira mundial, até aos nossos dias.

Essa é uma das funções dos bancos de família, poderosos bancos “transatlânticos” que tomaram a Reserva Federal dos Estados Unidos (conforme testemunho vivencial de Louis T. McFadden em 1934, “An astounding exposure”) e foram decisivos na criação e gestão do papel-moeda Dólar, que propositadamente deixou de ter indexação ao ouro para passar a tê-la em relação aos produtos energéticos, com o petrodólar à cabeça, expediente consolidado após o encontro entre o Presidente Roosevelt e o rei Ibn Saud no Suez, a bordo do cruzador pesado USS Quincy atracado no porto de Suez, a 14 de Fevereiro de 1945 (final da IIª Guerra Mundial).


2- Tem sido relativamente fácil aos que tocam para a frente campanhas contra os países mais vulneráveis da Terra, onde se encaixam praticamente todos os países africanos, preencher o espaço vazio, por que por outro lado, a revolução das novas tecnologias socorreu esse poder imperial dominante, que organizou todo o tipo de escalonamentos globais e os irrefutáveis vínculos do domínio e de opressão inscritos na sua “polícia do mundo”.

É evidente que o Movimento de Libertação em África tornou-se para essas correntes uma autêntica “letra morta”, um alvo que por tabela foi abatido com o colapso do socialismo, até por que o poder hegemónico unipolar dominante, o império de cultura anglo-saxónica pretende, inclusive por via de ideologias elitistas, que os africanos não conheçam as raízes históricas e antropológicas que visem consolidar e nutrir o rumo de suas tão vulneráveis identidades, nações e estados!...

O império da hegemonia unipolar pretende que o único rumo seja o determinado por si e “em toda a linha”… massivamente e desde raízes por si programadas; não pode haver outra leitura a fazer!

A título de exemplo: os procedimentos neoliberais que Angola absorveu desde o Acordo de Bicesse e particularmente no seguimento do fim da última convulsão militar que foi um autêntico choque, deliberado e programado para se introduzir a terapia, encarregaram-se eles próprios de fazer o corte e por isso a marginalização da comunidade de membros do ex-MINSE (de facto a comunidade mais ideologicamente comprometida com o Movimento de Libertação em África após a independência de Angola), assim como a produção da moldagem da juventude angolana às ideologias afins ao neoliberalismo, ou seja, provocar que a juventude tenha tanta dificuldade em conhecer e entender o passado entre o 11 de Novembro de 1975 e o 4 de Abril de 2002 e seja, em simultâneo, tão facilmente “absorvida” por outros comportamentos “simpáticos” à “esquadria” da cadeia de domínio!...

Dessa marginalização à consideração da comunidade de membros do ex-MINSE como um “potencial inimigo”, vai apenas um pequeno passo, sensível e “muito útil”: o comportamento de rigor ao estimar-se o estado angolano como o fiel depositário dos interesses de todos os angolanos, não pode ser aceite pelos formatados mercenariamente pelo capitalismo neoliberal ávidos de propriedade e de lucro fácil (quantas vezes derivado de especulações, ou mesmo da devassa de parcerias, comissões ou roubos que levam à trilha do “apartheid social”), muito menos por aqueles que fomentaram todo o tipo de corrupções que começaram substancialmente a vingar desde o dia 2 de Março de 1986!

Uma radiografia sobre a deriva da superestrutura ideológica dum estado que começava praticamente com um programa socialista identificado com o marxismo-leninismo e acabou sofrendo os mais nocivos impactos do capitalismo neoliberal desde o início da “guerra dos diamantes de sangue” (inclusive laços que foram estimulados pela NATOe foram“alimentados” pela “mestria” dum Durão Barroso), passa necessariamente pelo conhecimento do que ocorreu aos instrumentos do poder do estado, neste caso angolano, do que ocorreu em relação aos seus próprios organismos de defesa e segurança, desde o antecedente que constituiu a Conferência de Lusaka do MPLA (de 18 a 23 de agosto de 1974)!


3- Voltando à pista externa, essa é a razão da manutenção do dólar (petrodólar) como moeda-padrão internacional, mesmo que já não esteja indexada ao padrão ouro e por que é uma utilidade intrínseca à prossecução da banca aristocrática que tomou a Reserva Federal, ou a garantida manipulação sobre os preços estipulados pelos organismos internacionais como o Banco Mundial e o FMI, para a esmagadora maioria das matérias-primas, bens e serviços…

Por outro lado, às matérias-primas típicas da produção no âmbito da revolução industrial, somaram-se outras matérias-primas indispensáveis às novas tecnologias e África, uma ultraperiferia económica e financeira sistematicamente vulnerabilizada e dominada, continuou a ser “um corpo inerte onde cada abutre vem depenicar o seu pedaço”, ainda que os africanos tenham massivamente a ilusão que não o é!

Essa “esquadria” impunha as suas regras que para a aristocracia financeira mundial determinavam-se no sentido de ninguém as poder romper (daí o papel de “polícia do mundo”, conseguido com a instrumentalização da vocação imperial dos Estados Unidos), algo que procuram salvaguardar de forma reforçada desde a década de 90 do século passado, pelo que foi mantida uma atenção redobrada a todo o tipo de “criatividades” que fugissem aos seus mecanismos de controlo, assim como à malha apertada dos seus interesses e conveniências, desde a intervenção nos Balcãs pulverizando a Jugoslávia!...

A Líbia dirigida pelo coronel Kadafi rompeu com essas regras, abrindo a janela duma trilha que visava um renascimento africano que estava fora da “esquadria”, chegando a chocar até directamente com os interesses e conveniências intrínsecos ao “pré carré” da “FrançAfrique”, pelo que em 2011, ainda que à revelia da ONU e de qualquer outra instituição “não-alinhada”, ficou decidida não só a sua sorte, mas também o grau de caos, de terrorismo e de desagregação injectados com as contramedidas dominantes, do âmbito do império da hegemonia unipolar, aguardando um futuro concerto de volta à “esquadria” dominante, ainda que afectando praticamente toda a bacia mediterrânica, a norte e o Sahel, a sul até ao paralelo da bacia do Congo, do Lago Chade e dos Grandes Lagos!…

É o desaparecimento de Kadafi que serviu para a introdução das linhas wahabitas radicais em África, financiadas pelos interesses coligados ao petrodólar (agentes das monarquias arábicas, britânicos, gauleses e estado-unidenses), que têm alterado o ambiente sócio-político no Médio Oriente e em todo o continente africano, neste caso numa expansão que vai em direcção ao sul e acaba de afectar já, a título de exemplo, o norte de Moçambique, explorando a antropologia humana em equilíbrio instável entre as regiões das maiores extensões de desertos quentes do globo e o espaço vital sobretudo das bacias do Congo, do Nilo, do Níger e do Zambeze, assim como dos lagos interiores (desde o Lago Chade aos Grandes Lagos)!


4- Os “jogos” que compõem a “esquadria” do império face aos outros, inclusive dentro duma NATO que tem sido usada até no ninho de drogas que passou a ser o contemporâneo Afeganistão e pode passar a ser usada noutro ninho similar como o é a Colômbia, começam agora e ter rupturas, como são os casos mais flagrantes provocados pelo evoluir da situação no Iraque e na Síria.

Essas rupturas tornam-se também intestinas e, no caso da NATO, à deriva da Turquia cujas envolvências pouco têm a ver com o Atlântico Norte, começa-se a desenhar a deriva franco-alemã na direcção da emergência a leste (começam a“espreitar” as múltiplas especialidades que darão consistência à Rota da Seda), por que os interesses das oligarquias da União Europeia já não têm outra alternativa senão sair da “camisa de forças” que as obriga à vassalagem e ao papel subjacente na “esquadria” da hegemonia unipolar do império que de forma tão oportunista se faz sentir nos países do leste europeu que fizeram um dia parte do Pacto de Varsóvia e até no Cáucaso.

Um caso flagrante que está na ordem do dia é o acordo de fornecimento de gás russo à Finlândia, Suécia, Alemanha, Áustria, Holanda e os que se seguirão, por via dum pró activo North Stream 2, que obriga a uma reactiva oposição dos países Bálticos, da Ucrânia e dos Estados Unidos, com reflexos na gestão intestina da NATO.

Impossível os europeus encontrarem melhor solução que socorre não só as suas preocupações ambientais, mas também abre uma janela para integrar o pelotão de interesses na Belt and Road, na Rota da Seda que começa a unir por dentro da imensidão continental euro-asiática, o Pacífico ao Atlântico.

As campanhas de guerra psicológica que se arrastam como crónicos vírus desde a IIª Guerra Mundial, começam a ser postas em causa por que, se uma grande parte do acervo histórico está noutras mãos e fazem parte de outras culturas, isso impede não só que uma mentira de tantas vezes repetida se torne em verdade, mas também permite que a história e os vínculos (grande parte deles de natureza antropológica, mas também de natureza económica) que nutrem outras correntes, de geração em geração, socorra os conteúdos e o carácter das emergências multipolares e das cada vez mais eficazes resistências à barbárie de injustiças que assolam toda a humanidade e desrespeitam a natureza da Mãe Terra!

Entre as últimas campanhas inscrevem-se as dos casos Skripal, a partir da Grã-Bretanha e Babchenko, a partir da Ucrânia, deliberadamente dirigidas contra a Rússia, mas com enredos tão mal montados que ambos sobreviveram à morte…

É evidente que essa campanha nada pôde contra o North Stream 2!


5- Em Angola e em África, lutar contra o subdesenvolvimento tirando partido da plataforma de paz e aplicando uma geoestratégia para um desenvolvimento sustentável inspirado numa lógica com sentido de vida que advém do rumo do Movimento de Libertação, é não só colocar um pé no futuro, mas também dar início, finalmente, à corrente dum telúrico renascimento africano intimamente associado à sobrevivência humana, que forjará por seu turno o seu rumo, na força crítica e inteligente capaz de assumir a necessária noção consciente sobre muitas das nocivas campanhas que se arrastam desde o passado de trevas da escravatura, do colonialismo e do “apartheid”!

É evidente que, chegando-se a esse patamar, muitas questões se irão levantar na confrontação de dados e no conhecimento crítico que urge ampliar e aprofundar entre África e a América, acerca dos afrodescendentes que só existindo em função do movimento transatlântico da escravatura e do colonialismo, sobrevivem marginalizados, ou isoladamente espalhados pelas pequenas ilhas das Caraíbas, ou pelos guetos humanos no imenso espaço do “Novo Continente”, num “apartheid” não declarado, mas evidente, com as saudáveis excepções de Cuba e ultimamente da Venezuela Socialista e Bolivariana!

Nessa linha de pensamento, ocorre a urgência que o génio dum Eduardo Galeano, seja assumido numa visão transatlântica e fluente entre os dois continentes, com toda a legitimidade histórica que isso implica, algo que pode ser sustentado com o exemplo incomparável e incontornável de solidariedade e internacionalismo conforme Cuba, plenamente identificada com o Movimento de Libertação em África, “de Argel ao Cabo da Boa Esperança”!...

Para abrir o caminho da luta armada contra o colonialismo e o “apartheid” o Movimento de Libertação em África era obrigado a assumir-se como uma vanguarda em torno dum líder e foi isso que se levou por diante no MPLA, em torno do Presidente Agostinho Neto.

Para em paz se realizar a longa luta contra o subdesenvolvimento, aproveitando as possibilidades consensuais que se abrem com a democracia e o seu aprofundamento, os líderes precisam criar consensos e plataformas capazes de responder aos desafios, colocando na vanguarda a abertura dum processo de inteligência patriótica e não elitista, um amplo processo educacional que resgate para o conhecimento dos angolanos tudo o que à partida diga respeito ao relacionamento do espaço físico-geográfico-ambiental com o homem.

6- Posso lembrar em reforço a uma construção progressista no Atlântico Sul, abrindo espaço a um Tratado do Atlântico Sul progressista sob o olhar silencioso de Fidel, mas comprometido com a versatilidade do seu repto, um repto dialético muito para além de sua própria vida, a premente necessidade de continuar a batalha das ideias entre o que à civilização diz respeito enquanto presente e futuro e o que à barbárie pertence, que toda a humanidade pretende que faça finalmente parte do passado:

… “Levando o ardor progressista desde contra o baluarte do colonialismo francês no Norte de África…

… Até contra o bastião mais retrógrado e fascista que existia à face da Terra após a IIª Guerra Mundial, em seu perverso domínio em toda a África Austral…

… Precisamente no sentido inverso ao projetado pelo império anglo-saxónico sob inspiração de Cecil John Rhodes… do Cabo ao Cairo…”
  
Há pilares progressistas nas duas margens do Atlântico Sul, em África e na América, capazes de formular um Tratado vocacionado para a paz, contrapondo-se à agressividade carregada de intestinas contradições da NATO: Angola, Namíbia e África do Sul, tal como Cuba, Venezuela e Uruguai.

Se antes Cuba revolucionária encontrou os parâmetros necessários para reforçar uma vanguarda de luta armada contra o colonialismo e o “apartheid”, agora com a paz Cuba revolucionária é uma intérprete fiel, por via da solidariedade internacionalista especialmente consolidada na educação e na saúde, do que substancialmente mais interessa para com África, algo que é uma ponte contemporânea entre os africanos e os afrodescendentes, uma ponte que tanto interessa à América e a África, livre de qualquer propaganda e num entendimento recíproco capaz de alterar muitas das trevas e dos vícios que advêm do passado!

Martinho Júnior - Luanda, 4 de Junho de 2018

Imagens:
Propaganda da Guerra Colonial, um elemento esclarecedor dos processos de assimilação, aplicados aos conceitos de acção psicológica e guerra contrassubversão;
Simbologia das unidades especialistas em Guerra Psicológica das Forças Armadas dos Estados Unidos;
Contra factos, escasseiam argumentos e a propaganda nada pode – Road and Belt, a nova Rota da Seda sino-russa;
Em nome dos interesses da União Europeia, a vassalagem em relação aos Estados Unidos começa a abrir múltiplas brechas;
Xi Jiping e Putin estimulam a emergência multipolar, com novos moldes de relacionamento e poderosas articulações geoestratégicas
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: