Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

China apoia Venezuela e critica interferência de países estrangeiros



A China afirmou hoje que a votação para a Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, celebrada no domingo passado, decorreu de forma "estável, no geral", e apelou a outros países para que não intervenham neste processo.

"A China segue sempre o princípio de não intervenção nos assuntos internos de outros países e defendemos que haja igualdade e respeito entre as nações", afirma em comunicado o ministério chinês dos Negócios Estrangeiros.

A eleição Constituinte na Venezuela decorreu, no geral, de forma estável, e anotamos as reações de cada parte", aponta a mesma nota, que não menciona os episódios de violência decorridos durante os comícios e as acusações de manipulação dos resultados.

Em comunicado, o ministério diz desejar que o Governo e oposição venezuelanos tenham um diálogo "pacifico" e "de acordo com a lei", e resolvam os diferendos, para "poder manter a estabilidade do país e desenvolvimento da economia e da sociedade".

"A China confia que o Governo da Venezuela e o seu povo sejam capazes de resolver os seus assuntos internos", lê-se na mesma nota, acrescentando que ter um país "estável e desenvolvido corresponde ao interesse de todas as partes".

Os Estados Unidos anunciaram sanções contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro no dia a seguir aos comícios, enquanto na quarta-feira a União Europeia anunciou que não reconhecia a Assembleia Constituinte e advertiu de que intensificará a sua resposta, caso se continue a "minar os princípios democráticos" no país.

A China é um dos maiores parceiros comerciais da Venezuela, que chegou a ser o principal destino dos investimentos do país asiático na América Latina.

Lusa | em Notícias ao Minuto | Foto Reuters

Sem comentários: