domingo, 15 de julho de 2012

GUINÉ-BISSAU “PERDEU A SOBERANIA”, diz líder partidário



MB - Lusa

Bissau, 13 jul (Lusa) - O líder do Partido da Unidade Nacional (PUN) defendeu hoje que a Guiné-Bissau perdeu a sua soberania "já que os guineenses preferem deixar que os outros decidam" o rumo que o país deve tomar.

Idrissa Djaló, que falava em conferência de imprensa para marcar a posição do seu partido, sem representação parlamentar, sobre o momento político da Guiné-Bissau, teceu duras críticas aos autores do golpe Estado de 12 de abril passado, responsabilizando os militares e os políticos pela "situação de caos em que se encontra o país".

"Hoje, a Guiné-Bissau está num caos. Dirige-se perigosamente para o abismo, para ser considerado um Estado pária. O mais grave nisto tudo é que o país está dividido e a própria comunidade internacional está também ela dividida sobre o problema da Guiné-Bissau", argumentou Djaló.

Para o líder do PUN, os problemas da Guiné-Bissau e as propostas de soluções aos mesmos "são discutidos fora do país", através de posicionamentos estratégicos de organizações internacionais.

"A CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental) tem uma ideia sobre como resolver o problema da Guiné-Bissau. É a sua lógica geoestratégica. A CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) tem a sua visão completamente oposta mas também dentro da sua lógica geoestratégica. E nós os guineenses qual é a nossa lógica para a resolução dos nossos problemas?", questionou o político.

Idrissa Djaló propõe soluções "radicais" para atacar os problemas da Guiné-Bissau, que disse, ficaram agravados desde o último golpe de Estado.

"Acabar com o atual governo de transição e formar um novo governo integrado por tecnocratas, instituir um tribunal Ad-hoc para julgar todos os crimes de sangue ocorridos no país desde 1973 e elaborar um roteiro, de verdade, que será apresentado aos parceiros internacionais ", observou Djaló.

Para Idrissa Djaló, a continuar assim "qualquer dia não seria de se admirar que um sargento se levante e faça um novo golpe de Estado", colocando no seu governo de transição pessoas da sua confiança.

"Há muitos jovens que estão a regressar dos estudos, que não se revêm neste estado de caos mas que querem ver este país a caminhar no rumo certo, é nestes jovens que deposito a minha esperança", enfatizou Djaló.

O golpe de Estado de 12 de abril foi protagonizado por militares que destituíram o Presidente interino, Raimundo Pereira e o primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior. Ambos vivem agora em Portugal.

Sem comentários: