sexta-feira, 6 de maio de 2016

EXPOSIÇÃO DE ISABEL NUNES, “DO OCIDENTE AO ORIENTE” – a arte, por Júlio Quaresma

PARTILHAR


“Do Ocidente ao Oriente, Diálogos”

Até 24 de Julho. De terça a domingo – 10.00 / 18.00 horas, no Centro Cultural de Cascais – Fundação D. Luís I, na Av. Rei Humberto II de Itália, Cascais.

Na revista Caras

Isabel Nunes expõe um conjunto de obras que reflectem um diálogo entre as culturas do ocidente e do oriente, a que não é estranha a sua passagem por Macau. São pinturas de saberes e de sabores numa diáspora, mas a que, como a própria afirma, “não escapa o sentido luso. A minha pintura traduz a alma lusa, e traduzo a sua identidade através de temas relacionados com a nossa história e com o mundo das arquitecturas materiais e espirituais (…) lanço as cores dos sentimentos, em movimentos de vaivém entre o passado e o presente. Represento aquilo que fomos, o que somos, a face do passado, o rosto do presente, perco-me no tempo, como um diálogo infinito”.

Depois do retrato como forma de expressão inicial, a pintura de Isabel Nunes evoluiu, independentemente do simbolismo e da semântica, no sentido da desmaterialização da forma, numa sensualidade, construída, por um lado, no luxo da cor – entre dourados e vermelhos -, por outro, na texturização da matéria.

Aqui, nestas obras, bules, máscaras e personagens transfiguram-se e estilizam a figura, diluindo-a numa forma abstractizante e mantendo um discurso de continuidade, na erudição dos referentes históricos e no modo como vai sobrepondo layers de transparência como véus do tempo ou pequenos lenços de organza que cobrem, ou descobrem, o dizível, alimentando a curiosidade do espectador de forma poética, mas também decadente e misteriosa.

Sobre ISABEL NUNES

Isabel Maria Nunes nasce em Cascais em 1957 e, nas suas próprias palavras, entusiasma-se na pintura com apenas 11 anos, seguindo inicialmente o retrato – o bisavô e o trisavô foram retratistas conceituados, assim como o seu tio José Alberto Nunes, escultor. Aos 19 anos abandona a pintura e tira História de Arte na Universidade Nova de Lisboa. Na década de 90, em Macau, onde vive cinco anos, retoma a pintura e frequenta a Academia de Artes Visuais. Aí, com dois colegas, faz a sua primeira exposição. Faz estágios em Itália, na Escola Internacional de Arte de Montecastello di Víbio (94) e em Londres, na Slade Scholl of Fine Art do University College (95). Tem hoje um São Bento pintado por si no Museu do Vaticano e uma pintura no livro Crer. Imagens de Uma Aventura, da autoria de D. Carlos Azevedo.

Leia mais em Página Global

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: