Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sábado, 7 de maio de 2016

TODOS OS EUROPEUS ERAM NEGROS




O maior estudo genético de europeus da pré-história abre-nos uma janela única para o conhecimento do passado. Populações inteiras tiveram de emigrar ou desapareceram para sempre. E durante a maior parte da sua história os europeus foram negros.

A investigação abarca grande parte do Paleolítico Superior, desde há 45 mil anos atrás, e revela-nos um passado complexo e violento.

“O que vemos é uma história onde em muitos momentos as populações substituem outras, a migração acontece numa escala dramática numa altura em que o clima mudava radicalmente”, afirma David Reich, geneticista da Universidade de Harvard e principal autor do estudo publicado na revista Nature.

O estudo analisou o ADN de 51 euroasiáticos, uma amostra dez vezes superior à de qualquer estudo anterior. 

Embora os primeiros homo sapienstenham chegado à Europa há 45 mil anos atrás, a sua impressão genética desapareceu completamente nas populações atuais. Os primeiros povos que possuem uma ligação com os europeus atuais remontam a 37 mil anos atrás. Os autores do estudo identificam essa população com a cultura aurignaciana.

“Nesta cultura os primeiros exemplos de arte e música, como as pinturas das grutas de Chauvet em França ou flautas feitas de ossos, estão associados”, explica-nos Manuel Gonzalez Morales, investigador da Universidade de Cantábria e coautor do estudo.

Naquela época, a Europa teve a última Idade do Gelo, que obrigou povos inteiros à migração ou determinou mesmo o seu extermínio. Uma das explicações possíveis é que houve um grande fluxo migratório para regiões mais quentes no sul da Europa, em particular para a Península Ibérica.

Depois da última Idade do Gelo, a população volta novamente a expandir-se para o norte da Europa, recuperando o território perdido e substituindo os seus antepassados.

A última invasão

Há 14 mil anos atrás, outra população chega do oriente próximo e domina e substitui grande parte dos povos anteriores. Esta "última onda" identificou-se a partir dos restos de um homem caçador encontrado em Villabruna em Itália.

A marca genética deste grupo perpetuou-se durante milénios e por exemplo o homem caçador de La Brana de Leon em Espanha, que viveu há 7.000 anos, é parente deste grupo. Os genes de La Brana indicam que o homem tinha pele escura e olhos azuis.

“Este trabalho mostra que os primeiros indivíduos com genes de pele clara viveram há 13.000 anos com a chegada dos primeiros agricultores do Médio Oriente. Quando começa o período Neolítico, a pele clara é muito mais comum”, revela o investigador da Universidade de Cantábria.

Por outras palavras, todos os europeus tiveram a pele escura durante a maior parte da sua história.

Jorge Almeida – RTP – Foto: Stefan Wermuth, Reuters

Sem comentários: