Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Portugal. CGD: A ARMADILHA DA URGÊNCIA!



Cristina Azevedo* - Jornal de Notícias, opinião

O que parece premeditado é isto: em Portugal só se toma consciência coletiva da falência de um banco no exato minuto em que a sua "salvação", à custa dos contribuintes, está a ser negociada com Bruxelas.

Chamam-lhe interesse nacional e os portugueses, extenuados pelo custo de mais um salvamento, não vão para a rua, vagamente convencidos de que haverá ainda qualquer coisa a perder.

Afinal, há países que injetaram mais fundos nas suas instituições financeiras. Mas ou são ricas, como o caso da Alemanha, ou negociaram bem o seu resgate com a troika, como no caso da Irlanda. Portugal, nem uma coisa, nem outra. Resta-nos a leve esperança de que a maré de juros baixos não se acabe já, já, e que, por essa via, consigamos ainda, num derradeiro gole, empurrar mais uns quanto biliões de euros de dívida pública pelas contas abaixo.

Dito isto, a discussão do assunto pelos políticos faz lembrar a ilustração de Luís de Camões a nadar com os Lusíadas fora da água. António Costa levanta bem alto o troféu do banco público que é preciso salvar a todo o custo e Pedro Passos Coelho vai-lhe no encalço com 30 perguntas de que ambos conhecem as respostas.

Camões contribuiu para a nossa identidade nacional. O caso da Caixa rouba-nos quase toda a dignidade coletiva que nos resta.

O problema é pois o futuro. Qualquer discussão à volta deste tema só teria algum interesse, em meu entender, se se centrasse sobre a natureza da CGD.

Deve a CGD ser um banco igual aos outros, em plena concorrência no estatuto e nas funções? Deve apoiar o Estado preferencialmente, e neste, o investimento nas infraestruturas de apoio ao Estado social? Que tipo de relação deve manter com as empresas? Em particular com as empresas públicas? A ter alguma relação com as empresas privadas como se deve relacionar com instituições concorrentes, a banca privada ou os organismos do Estado especialmente vocacionados para o apoio ao investimento e à recapitalização das empresas? Etc., etc.

Ao invés, nada disto será discutido e o tema sairá da discussão pública no exato minuto em que, na armadilha da urgência, todos nós formos, mais uma vez, alienados.

*Analista financeira

Sem comentários: