quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Portugal. ABAFARAM A LISTA DE AVENÇAS DO GES A POLÍTICOS E JORNALISTAS?



Houve, como continua certamente a haver, quem esteja condicionado por interesses no exercício das suas funções, quem tenha fugido às obrigações fiscais e quem conte com a candura da sociedade portuguesa ou com a ineficiência do sistema judicial, mas permitir o abafamento do caso das avenças por via da voragem noticiosa que, sem critério, dita o que conta e o que não conta, é demais. Uma vergonha!

António Galamba – jormal i, opinião

Em breve decorrerão quatro meses (quatro!) desde que um semanário do consórcio de órgãos de comunicação social associados às revelações dos Papéis do Panamá – a maior investigação jornalística de sempre! – anunciou urbi et orbi que havia políticos e jornalistas avençados pagos pelo saco azul do Grupo Espírito Santo, a ES Enterprises. E quatro meses depois (quatro!), a higiénica divulgação da lista de políticos, funcionários públicos, gestores, empresários e jornalistas constantes da folha de pagamentos através de um paraíso fiscal não aconteceu. 

O que terá feito esboroar toda a gigantesca encenação mediática montada em torno das revelações bombásticas dos Papéis do Panamá que tanto prometiam? A falta de zelo e de amor à profissão dos jornalistas envolvidos na investigação? O poder dos interesses em presença perante a possibilidade da divulgação dos nomes de quem estava condicionado pelo Grupo Espírito Santo? O embuste entre a documentação prometida e a que foi disponibilizada? A verdade é que quatro meses depois (quatro!), o assunto morreu, nada acontece e quase ninguém se indigna.

Houve, como continua certamente a haver, quem esteja condicionado por interesses no exercício das suas funções, quem tenha fugido às obrigações fiscais e quem conte com a candura da sociedade portuguesa ou com a ineficiência do sistema judicial, mas permitir o abafamento do caso das avenças por via da voragem noticiosa que, sem critério, dita o que conta e o que não conta, é demais. Uma vergonha!

A anunciada ponta do iceberg, que tanto prometia, gelou os ânimos da investigação jornalística, esmoreceu a ambição de mobilizar as sociedades e os Estados para a regulação dos paraísos fiscais e desembocou num marasmo impróprio das sociedades de informação modernas, de uma cidadania ativa e de um Estado de direito em que o cumprimento das obrigações fiscais é uma componente importante para o modelo de concretização das funções do Estado.

Abafaram a lista das avenças do GES a políticos e a jornalistas, razão para os cidadãos exigirem a sua divulgação integral. Não é voyeurismo, é uma questão de higiene social, antes de poder ser uma questão fiscal e judicial. Não é coscuvilhice, é contribuir para que não se consolide a ideia de que não são todos iguais, porque não é assim.

Enquanto persistir este défice de exigência, de transparência e de separação entre o exercício de funções públicas ou o dever de informar e os interesses instalados ou em instalação vão persistir situações vergonhosas, sejam ou não divulgadas. Quem tanto sofreu com a austeridade nos quatro anos de governos PSD/CDS, quem continua a não ser tratado com o devido respeito por uma máquina fiscal e por serviços do Estado investidos no desespero da arrecadação de receita e quem cumpre as suas obrigações não pode deixar de se indignar perante tudo isto.

E por falar em estados de alma, ainda que menos sérios quando confrontados com a realidade das coisas: Portugal tem uma solução governativa em que o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português (também o PEV) são uma espécie de calçadeira do governo PS e, no entanto, a coordenadora do BE, Catarina Martins, veio afirmar sobre a criação da designada geringonça que “todos os dias me arrependo. Faz parte”. Tem muita piada este esforço de demarcação em vésperas da negociação do Orçamento do Estado para 2017. É que quando o Bloco antevê medidas positivas do governo em estado de euforia não se denota nenhum tipo de arrependimento, é puro oportunismo, por vezes eivado de populismo. Nesta disputa pelo anúncio do “bife do lombo”, alguém apresentará os ossos duros de roer. O PCP não ficou atrás e anunciou que votará “contra medidas de empobrecimento no Orçamento do Estado para 2017”. A uns e a outros, este é o tempo para colocarem em cima da mesa as reivindicações que fazem no plano local, nas autarquias, nas alegadas comissões de utentes e nas moções e petições que apenas sublinham a sua hipocrisia política. É que não é sério apoiar o governo em Lisboa, no parlamento, à babugem do “bife do lombo”, e depois tentar construir a ideia local de que são os grandes defensores daquilo que não defenderam quando estavam a discutir o poder. Este é o momento: moções do comité central debitadas para as células, para apresentação nas assembleias de freguesia e nas assembleias municipais, uni-vos!

É que isso de querer só o “bife do lombo” era coisa dos donos disto tudo e já ninguém acredita ser possível um registo assim.

Notas finais

Areia nos pés – Com o investimento que é feito na prática desportiva, só mesmo a excecionalidade dos nossos atletas pode conduzir a resultados excecionais. Para colher é preciso semear, também no desporto. Aos atletas do projeto olímpico, obrigado pelos sacrifícios, pelo esforço e pela participação.

Areia nas virilhas – Entre um líder do PSD imobilizado pelos fantasmas da governação passada, incapaz de fazer um restart, e uma líder do CDS mobilizada para fazer a diferença em relação ao ex-parceiro de governação com produções mediáticas apostadas mais na forma do que no conteúdo, vai assim a oposição: “poucochinha”.

Areia na engrenagem – A gestão do dossiê da CGD vai entrar para os anais da história como uma das maiores trapalhadas, num cocktail de ingenuidade, incompetência e falta de noção de que não estamos sozinhos. Parece que estará a chegar ao fim a novela, com baixas e danos de credibilidade.

Areia fina – O bravo esforço desenvolvido pelas mulheres e pelos homens do dispositivo de combate aos incêndios florestais.

Escreve à quinta-feira

Sem comentários: