segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Donald Trump quer destruir a UE? Como pode a Europa evitar cair na armadilha de Trump



Wolfgang Münchau*

O presidente Donald Trump quer destruir a UE? Não podemos responder a essa pergunta decisivamente, mas os sinais que ele enviou sugerem que o bloco deve levar a potencial ameaça mais a sério do que o está a fazer.

Basta considerar esta declaração de Ted Malloch, o homem que segundo a opinião generalizada vai ser o embaixador do Sr. Trump na UE. Malloch, professor da Henley Business School da Universidade de Reading, disse que queria "vender os euros". A moeda única está em risco de colapsar nos próximos 18 meses, disse ele.

Eu próprio não sou o maior otimista em relação ao euro, mas ficaria feliz por ser parceiro neste negócio em particular. O pior cenário para o euro não é a sua aniquilação total, mas a perda de um dos seus membros.

Mais preocupante para a União Europeia do que um putativo diplomata são as negociações comerciais que se seguirão à reunião de sexta--feira passada entre Trump e Theresa May, a primeira-ministra britânica. Os oponentes do brexit no Reino Unido descartaram a possibilidade de um pacto comercial com os EUA, alegando que a agenda protecionista de Trump também afetaria o Reino Unido. Só que este acordo não será prioritariamente sobre o comércio. Trata--se de um acordo político, um veículo para semear a discórdia entre o Reino Unido e a UE, o único acordo comercial que Donald Trump pode adotar por razões estratégicas.

É por isso que a retórica da negociação dura do brexit adotada por alguns políticos em Bruxelas é contraproducente, porque deixa o Reino Unido nas mãos de Trump. É do interesse da UE manter uma relação aberta com o Reino Unido. O país tiraria mais proveito de um acordo justo com a Europa do que do mais confortável dos acordos com o Sr. Trump. O Reino Unido negociará sempre mais com a UE do que com os EUA. A geografia conta.

O segundo risco, e talvez o mais iminente, para a coesão interna da UE seria um levantamento unilateral por parte do Sr. Trump das sanções contra a Rússia. Isso ainda não aconteceu, mas se acontecesse, arruinaria o protocolo de Minsk através do qual a UE, a Rússia e a Ucrânia organizaram a sua relação trilateral desde a anexação da Crimeia pela Rússia. As sanções europeias tornar-se-iam nessa altura não só política mas também fisicamente impossíveis de sustentar. Os investidores europeus poderiam facilmente contornar muitas das restrições.

Uma tal decisão poderia potencialmente desestabilizar e isolar Angela Merkel, a chanceler alemã, que tem sido fundamental na estruturação da diplomacia da UE relativamente à Rússia, tanto a nível interno como da UE. Seria fazer o jogo dos seus parceiros de coligação, os sociais-democratas, antes das eleições de setembro. O novo ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Sigmar Gabriel, um social--democrata, defende a eliminação das sanções. Uma decisão unilateral dos EUA para levantar as sanções isolaria potencialmente Merkel, na Alemanha e na UE.

Tendo em conta estas ameaças, a UE deveria considerar as quatro medidas seguintes:

Em primeiro lugar, deveria instituir um aumento imediato de 2% dos gastos de defesa para reafirmar o compromisso na NATO. Muitos países da UE são vulneráveis a acusações de que não contribuíram com a parte que lhes era devida. Com as próximas eleições em França e na Alemanha, e muito possivelmente em Itália, este não é o melhor momento para a UE operar uma grande iniciativa de defesa conjunta para além do que já existe. Mas um aumento nos gastos com a defesa pode ser conseguido.

Em segundo lugar, a UE deve acelerar as conversações com o Reino Unido sobre o Artigo 50, o mecanismo para sair da união. Bruxelas deveria procurar negociar um acordo de comércio livre provisório e restrito que requer apenas a aprovação das instituições europeias, em vez da dos parlamentos nacionais dos restantes 27 Estados membros. Um pré-acordo rápido para o brexit beneficiaria ambos os lados. Um acordo mais abrangente poderia vir mais tarde.

Em terceiro lugar, a UE deveria considerar a possibilidade de estabelecer uma relação económica com a China. A decisão de Donald Trump de revogar a Parceria Transpacífico e a supressão agora certa da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento entre os EUA e a UE abrirão o caminho para novas alianças económicas.

Em quarto lugar, a UE terá de corrigir a zona euro, e não apenas para frustrar a especulação proposta pelo professor Malloch. Esta crise vai no seu oitavo ano. A União Europeia tem de parar de discutir sobre a Grécia ou de se preocupar se o euro consegue sobreviver às próximas eleições italianas. Não há muitas opções para corrigir a zona euro. A história das uniões monetárias mostrou-nos que elas precisam de ser incorporadas numa união política para serem sustentáveis.

O instinto da UE na última década foi o de fazer o mínimo necessário - uma política que a deixou pateticamente fraca. Os europeus devem parar de hiperventilar sobre o Sr. Trump e olhar para o que a UE precisa de fazer. A União Europeia não será capaz de continuar a marcar passo durante quatro anos de uma presidência Trump e, muito menos, durante oito.

*Diário de Notícias, opinião

- Título ligeiramente manipulado por PG

Sem comentários: