segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

JOSÉ MIGUEL JÚDICE, A CAROCHINHA E O JOÃO RATÃO… APANHADOS NO CALDEIRÃO

PARTILHAR


Há uns quantos (demasiados) senhores que fazem parte do “sistema” dúbio e escancaradamente hipócrita e mafioso a que chamam democracia, justiça, transparência e etc. 

O JN aborda hoje um assunto desse tipo mas para o conhecermos minimamente temos de ter acesso ao artigo… E esse acesso tem de ser pago por estar na edição impressa. Ou seja: há “coisas estranhas”, evidentes irregularidades, mas para os lesados – que são os portugueses pagantes de impostos e de tuti-quanto – conhecer os meandros dos cambalachos só pagando o jornal ou o e-paper. À cabeça é assim. 

Talvez que o JN ou outro da comunicação social depois esparrame tudo com o acesso publico gratuito na net (que também é paga por cada um de nós). Para já é exclusivo para a “edição impressa”. É evidente que o JN, como outros, tem de fazer pela vida para pagar aos jornalistas e aos que tem lá mas que só falam com os jornalistas e nem qualidades têm para serem jornaleiros. Mas essa é outra conversa que para aqui seria inusitada abordar.

O senhor Júdice, homem do sistema, homem muito honesto desta nossa praça, aceitou ser árbitro - quase que diria - em causa própria… Pois.

Vamos lá à história, ao conto da carochina bonita e formosinha, depois aparece o João Ratão e cai no caldeirão. O tal caldeirão onde são cozinhados estes tarantantans do costume e do sistema dito justo, transparente, democrático. E viva a máfia florida, colorida de azul, de laranja, de cor-de-rosa! Aquilo a que chamam o "arco da governação". E eles governam-se. Pois.

MM / PG

Processos com milhões do Estado tratados em segredo

Empresa pública escolhe José Miguel Júdice para árbitro de processo sabendo que ele estivera ligado a empresa que exige indemnização de 148 milhões.

Em agosto de 2015, José Miguel Júdice foi nomeado árbitro de um processo arbitral pela empresa pública Consest, do grupo Parpública, apesar de ter representado, em momento anterior e enquanto advogado, os interesses privados da Temple, a outra parte do litígio. O julgamento está em curso, com a empresa privada, de Vasco Pereira Coutinho, a reclamar 148 milhões de euros. Argumenta que deve ser indemnizada pela Consest, porque esta pôs fim a um contrato de consórcio de 2003, que visava um megaprojeto imobiliário na freguesia da Falagueira, Amadora, que nunca passaria da fase de estudos e projetos (pagos com dinheiro público).

Nelson Morais – Jornal de Notícias - Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Leia mais na edição e-paper ou na edição impressa

PARTILHAR

Author: verified_user

1 comentários:

Unknown disse...

Asa empréstimo empréstimo empresa estão prontos para emprestar-lhe qualquer quantidade que você precisa para iniciar o seu negócio pessoal. Eu dou para fora o empréstimo à taxa de interesse de 2%, assim que amável aplica para o empréstimo agricultural da agricultura. Se você precisar de empréstimo entre em contato com nosso e-mail: asaloaninstituteplc@gmail.com, você também pode entrar em contato com este e-mail: asaloaninstituteplc@yahoo.com

Asa loan lending company are ready to loan you any amount you need to start up your personal business. we give out loan at 2% interest rate, so Kindly apply for agricultural farming loan. if you need loan contact our email:asaloaninstituteplc@gmail.com, you can also contact this email:asaloaninstituteplc@yahoo.com