domingo, 26 de março de 2017

NADA TENHO CONTRA ELE. ELE TEM TUDO CONTRA MIM

PARTILHAR

O político de pacotilha é fértil em imaginação, principalmente se bajuladora a favor de um bajulado, obtusamente maldoso, ao ponto de considerar ser alguém capaz, de no seu juízo perfeito, de atentar contra a própria vida. “Estes dois acidentes você forjou para prejudicar o camarada Presidente e o Governo do MPLA, junto do teu governo americano. Você como agente da CIA tens muita capacidade e treinamento para fazer isso”, disse um acólito bajulador do reino da Segurança de Estado de sua majestade.

William Tonet* - Folha 8

Na realidade não sabia ser detentor de uma capacidade fora do normal, para simular acidentes de viação, todos correndo o risco de perder a própria vida, quando não tenho duplos, como nos filmes… ou até mesmo na vida…

O do dia 07 de Março, na estrada nacional Luanda/Benguela, no marco Kikombo/Canjala, pela violência do abalroamento do atrelado, conduzido por um camionista chinês ao serviço e com guarda, na cabine, da Casa de Segurança da Presidência da República, não gostaria de o recordar, tão pouco textualizar, mas já que forçado, não vou acobardar-me como tem sido a prática das acções do Palácio Presidencial.

O camionista ao serviço do general Kopelipa invadiu a faixa contrária, em direcção ao nosso Jeep, roçando-o na lateral, levando-o a sair da estrada, num acto premeditado e doloso de tentativa de homicídio.

Verdade ou mentira, o enredo sobre estes sinistros personagens da estrada, quantas vezes alertados, foi pormenorizado por um diligente agente da Brigada Especial de Trânsito da Kanjala. “Nós avisamos que eles conduzem mal, mas agora vêm com militares do general Kopelipa e, muitas vezes, até nos ameaçam de perdermos o emprego ou cadeia, pela chamada de atenção”, assegurou o polícia, em jeito de solidariedade.

Até antes desta preciosa informação só tínhamos a noção do camião atrelado ser conduzido por um chinês, sem motivação de apontar o dedo à Presidência da República. Logo, o delírio desta gentalha de baixo coturno, mesmo diante de evidências, não lembra ao Diabo, tudo por terem conseguido, ao longo de 42 anos de poder, transformar a maldade (contra os adversários políticos), numa ferramenta com impunidade e cobertura institucional, onde a culpa morre sempre solteira.

No entanto, quando um membro da Segurança da Presidência da República nos ameaça, duas semanas depois do acidente (graças a Deus, saímos ilesos), não deixa de transmitir, primeiro, conhecimento sobre o assunto, segundo, a continuidade do pacote das acções delituosas. “Senhor William deixa o camarada presidente em paz, ele até já vai vos deixar o poder. Um dia todos vocês, a começar mesmo por alguns do MPLA, ainda vão chorar para ele voltar, porque vocês vão se comer todos”, vaticina, ao telefone, o algoz.

Felizmente, para serventia, deste monstro, já não nos amedronta com estas acções, nem temos medo da morte, pois ela só ocorrerá com vontade de Deus.

Por outro lado, disse-lhe não dever, nem ter nada contra o seu patrão, o cidadão José Eduardo dos Santos, filhos, família e fiéis, diferente do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, quando extravasa e viola competências, enquanto agente público do Estado e eu jornalista. Aqui sim! Tenho (tal como a maioria dos angolanos) soberanas e legítimas razões de, algumas vezes, o denunciar e criticar, principalmente por “promulgar”, voluntária ou involuntariamente, não só, um conjunto de actos atentatórios a minha segurança física, idoneidade, honra, bom nome, reputação, exercício de profissão, etc., como a de muitos outros cidadãos angolanos, apenas por serem avessos a bajulação e teimarem em pensar pela própria cabeça.

Quando o agente secreto, equivocadamente diz: “Senhor William deixa o camarada presidente em paz”, inverte os papéis, na pretensão de transformar o algoz em santo.

Vamos, apenas, a alguns factos:

a) a Presidência da República tem uma dívida, desde 1991/93, por fornecimento de combustível, bens alimentares, medicamentosos, fretes aéreos e serviços, reconhecida (José Leitão ex-director de gabinete e Fernando Miala, ex-Casa Militar, ambos do Palácio Presidencial, ainda vivos, podem provar), que vem sendo ludibriada, de estar na divida pública, no Ministério das Finanças, desde os ministros Augusto Tomás, José Pedro de Morais e Armando Manuel, todos com domínio do dossier, cada um ao seu tempo, alegando faltar orientação final do presidente José Eduardo dos Santos, que, no entanto, com bilhetinhos ou telefonemas ordena a entrega de milhões de dólares, diferente de pagamentos, a pessoas que nunca forneceram serviços ao Estado, salvo a bajulice, ao partido no poder e seu líder, tornando-se, por via desse esquema, em milionários da delapidação do erário público;

b) mais de 102 processos judiciais encomendados, movidos pela corte presidencial, por denúncias provadas, sobre o cometimento de vários ilícitos;

c) seis prisões arbitrárias, nas fedorentas masmorras do regime, sem o cometimento de crime algum, salvo o de liberdade de expressão e imprensa;

d) dois assaltos às instalações do jornal, por parte de agentes da ex-DNIC, actual SIC (Serviços de Investigação Criminal) e roubo de computadores, visando a paralisação do Folha 8;

e) proibição dos agentes públicos e privados, incluindo ONG’s nacionais e internacionais de publicitarem no F8;

f) orientação partidocrata aos bastonário da Ordem de Advogados, Hermenegildo Cachimbombo e Procurador Geral Adjunto da República, Adão Adriano, para cassação da carteira profissional de advogado, bem como o não reconhecimento definitivo de estudos, violando os estatutos da Universidade Agostinho Neto, da OAA, da PGR, as leis e a Constituição, por manifesta má fé e motivação política, visando, não só o desemprego, como a humilhação de quem tem medo.

Diante deste cenário não fica difícil perceber quem, abusando do poder, prejudica e destrói, até academicamente, todos quantos não o bajulem, precisando o país de quadros com verdadeira formação mental e não com diplomas duvidosos.

Aliás, não havendo sequer um projecto ou micro projecto de petróleo iluminante, capaz de acender candeeiros nas sanzalas da Angola profunda, não electrificadas, nunca questionei a formação académica de José Eduardo dos Santos, em engenharia de Petróleos, em Baku. Tão pouco a dos seus filhos, caricatamente, actuando em áreas diferentes da formação, que dizem ter, por a ascendência, em contraste com o n.º 2 do art.º23.º da Constituição, escancarar os cofres do erário público, que os “doutorou em malandragem” como milionários e bilionários, sacrificando o suor, as lágrimas e o sangue de cerca de 20 milhões de angolanos, que vivem abaixo do limiar da pobreza.

Toda esta arrogância e malícia contra milhares de cidadãos, ao longo de 38 anos de um poder autocrático, nunca nominalmente eleito, não blindará, amanhã, a riqueza ilicitamente acumulada pelos seus descendentes e ascendentes.

Neste quadro e na incapacidade de chegar a um consenso com as forças políticas da oposição e da sociedade civil, para um “Pacto de Regime”, Dos Santos não pode augurar um futuro tranquilo, face aos índices de corrupção do “in circle familiar e partidocrático”, responsável pela falência da banca comercial e do sistema económico e financeiro do país.

Esta é uma pequena prova, do passivo que deixa, numa parte da sociedade civil, mas também existem outros, no interior do próprio MPLA, desde logo, rememorando-se as acusações levianas contra Alexandre Rodrigues Kito (seu antigo amigo de peito), de tentativa de golpe de Estado, nunca provada, tal como a abjecta contra Marcolino Moco de tentar adulterar a interpretação da Lei 23/92, ex-Lei Constitucional, quanto aos poderes do primeiro-ministro, por mero ciúme político. Exonerado, Moco foi atacado publicamente, nas artérias da capital, pelo Movimento Nacional Espontâneo (associação partidária de apoio a Eduardo dos Santos, que a converteu em associação de utilidade pública, em detrimento da AJPD ou Associação Mãos Livres) com vaias do tipo: “bailundo, vai-te embora”, “sulano de merda”, entre outros epítetos…

Particularmente, por muitas voltas que dê, nunca conseguirei esquecer, tudo que JES vem fazendo, em prejuízo da minha vida familiar e profissional, por não dançar a sua música. Até poderei perdoar, o que ele e a “tribo bajuladora/assassina” vêem fazendo, mas não me peçam para não testemunhar, se for hasteada, lá mais para a frente, a bandeira da Justiça. De uma justiça imparcial, justa e democrática, em contraste com a ditatorial que campeia.

*William Tonet é diretor do Folha 8

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: