Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 27 de abril de 2017

O PAPA FRANCISCO E OS GENOCIDAS


Trump a abrir o Expresso Curto de hoje, por Ricardo Costa. Aqui se fala do fulano que preside ao Império Maldito que denominam de USA ou EUA. Há umas horas o império lançou um míssil intercontinental ao longo do oceano Pacífico e que caiu nas ilhas Marshal. Aviso à Coreia do Norte e aos que mais vierem ou lhes der na gana. Uns fulanos que extinguiram milhares e milhares da população autóctone (genocídios) para se apoderarem do país composto por várias nações índias é capaz de tudo de mal. Outros tempos, dirão. Pois.

Bom dia. Basta de trampa de Trump e seus derivados.

Em Portugal há tolerância de ponto no dia da chegada a Fátima do Papa Francisco, que vem comemorar o centenário de uma muito provável treta católica, apostólica, romana. Um golpe de visão dos fascistas Cardeal Cerejeira e Oliveira Salazar. Está bem. Pois. Uma mentira a ser tantas vezes dita pode passar a ser tomada por verdade. Para os papalvos e para os ingénuos que nada põem em dúvida das obras saídas de sistemas manhosos. Enfim.

Que há polémica por causa da concessão da tolerância de ponto, porque Portugal é uma República e tal, um país soberano e tal. Oh rapaziada, o Francisco até é fixe. Deixem lá cada um acreditar no que quer desde que não prejudique o coletivo, o país. E isto não prejudica em nada o país desde que a fortuna do tal santuário de Fátima não seja depositada em offshores. Pois. Olhem, já agora vejam lá essas contabilidades, sem favor. É um dever, porque aquilo é um negócio de muitos milhões.

Israel soma e segue, cheia de força emprestada pelo Império Maldito. A aviação israelita atacou o aeroporto de Damasco. Houve israelitas que se miscigenaram com o nazismo dos tempos de Hitler e passaram a assimilados. Complexo adquirido naqueles tempos. Vai daí levaram para a tal terra prometida o mal e a caramunha. É o que se vê. E lá continuam eles no “santo sacrifício” de roubar terras e assassinar vizinhos como lhes apetece, numa postura de perfeitos genocidas.

Isto até parece um Curto baseado nos genocidas do costume, EUA e Israel.

Que em Hong Kong continua a “caça às bruxas” manipuladas pelos EUA e os “bifes” de Inglaterra, o MI qualquer coisa ou ilhargas disso. Houve um raide a opositores ao regime chinês da ex-colónia da velha Albion. Pois. A partir do momento em que as intromissões de potências estrangeiras passaram a manipular certos descontentamentos populares a China pôs-se a pau. Ali não há pão para malucos. Os de Hong Kong deviam saber isso e sacudir interferências estrangeiras. Como não o fizeram agora é difícil de o fazerem. Abram os olhos, das potências do ocidente nada de bom podem esperar.

Há mais, muito mais, neste Curto do diretor de informação da SIC. Saberá isso se continuar a ler. Por nós acabámos. Não faz sentido alongar mais mas sim absorver a cafeína matinal e ir de férias por uns dias. Bom dia. Curtam o Curto e aceitem as nossas saudações, escravos.

MM | PG

Bom dia, este é o seu Expresso Curto 

Ricardo Costa | Expresso Curto

Escrever sobre Donald Trump tem destas coisas. Quando me fui deitar, hesitava entre começar pelo brutal corte de impostos (aprende Vítor Gaspar, a lei da gravidade também se aplica ao fisco…) anunciado pela administração americana ou pela inédita convocatória dos senadores para um briefing sobre a Coreia do Norte, com tudo a embarcar em autocarros fretados para cumprir o curto trajeto entre o Senado e a Casa Branca.

O tema da Coreia do Norte é o mais importante dos nossos tempos, sobretudo quando os EUA colocaram ontem um novo sistema de defesa na Coreia do Sul, apesar do desagrado de Pequim - que não quer a Península Coreana mais militarizada -, e testaram mais um míssil balístico de longo alcance entre a Califórnia e uma pequena ilha do Pacífico.

Quando vemos, do outro lado da barricada, o mais misterioso e lunático dos líderes mundiais, Kim Jong Un, e o mais fechado dos regimes, com reconhecida capacidade militar e despudorada ambição nuclear, estamos perante um tema que vai abrir muitos Expressos Curtos.

O corte nos impostos promete (ainda há muitos crivos legislativos para atravessar) ser uma coisa com efeitos brutais na economia americana e provocar ondas de choque globais. O imposto sobre as empresas pode cair para 15%, há uma taxa muito baixa para repatriação de capitais (as grandes empresas americanas têm quantidades imensas de cash fora de portas) e uma revolução nos impostos singulares, em que os mais ricos (olha que surpresa) vão pagar bem menos.

Pois bem, quando acordei Trump estava outra vez nas manchetes internacionais, mas agora porque decidiu manter os EUA no NAFTA, o importante acordo comercial com o Canadá e o México. Foi mais uma jogada do negociador que se senta na Casa Branca.

Ameaçou acabar com o acordo, mas depois de vários telefonemas de última hora com os líderes do Canadá e do México, arranjou-se uma solução intermédia e as negociações prosseguem. O abandono oficial do NAFTA devia ser anunciado sábado, quando passam exatamente 100 dias sobre a presidência de Donald Trump. Mas aos 98 dias, a ameaça ficou no papel.

A France Press fez uma curiosa infografia sobre estes (quase) 100 dias da agitada presidência. Aqui ficam alguns dados.

29 ordens executivas assinadas
9 decretos de Obama anulados
2 decretos sobre imigração rejeitados pelos tribunais
59 mísseis disparados sobre território sírio
1 mãe de todas as bombas lançada no Afeganistão
8 reuniões com líderes estrangeiros
0 visitas ao estrangeiro
7 fins de semana em Mar-A-Lago
14 partidas de golf
945 tweets

Até sábado, dia 100 da era Trump, já sabem, vão chover análises e comentários sobre a data redonda do mais inesperado dos presidentes americanos. Mas fiquem com estes números para animarem as conversas até lá. Vamos ao resto.

OUTRAS NOTÍCIAS

Notícia de última hora que vai seguramente marcar o dia: uma explosão de grandes dimensões atingiu, esta manhã, o aeroporto de Damasco. O ataque terá sido realizado pelas forças israelitas. A informação foi avançada pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos, que também confirma a ocorrência de um incêndio nas imediações do aeroporto.

De acordo com um canal de televisão público ligado ao regime de Bashar al-Assad e à milícia libanesa Hezbollah, o incidente terá sido provocado por um ataque aéreo levado a cabo pelas forças israelitas. Uma informação que não foi confirmada pelo porta-voz do exército de Israel que alega a confidencialidade dos planos de voo.

Também durante a madrugada, as autoridades de Hong Kong fizeram um raide contra militantes pró-democracia no território e terão detido pelo menos nove ativistas, alegadamente ligados aos protestos que no ano passado agitaram o território chinês.

Por cá, a PJ continua à procura do suspeito do atropelamento da madrugada de sábado junto ao Estádio da Luz. O alegado homicida de um adepto italiano do Sporting já está identificado, terá utilizado naquela noite o carro da ex-mulher, entretanto descoberto em casa de um amigo que também tem ligações à claque dos No Name Boys.

O tema faz hoje capa do Correio da Manhã e estará perto de ser resolvido pela Polícia Judiciária, que tem o suspeito identificado há vários dias e que estará à espera que este desista de continuar escondido.

Outro tema que se arrasta no passar dos dias é o de ataques com cães perigosos. Ontem houve mais dois casos, um em Ílhavo, com um Cão de Fila a ferir na cara uma criança de 3 anos em casa dos avós, e outro em Arouca, com um Serra da Estrela a atacar um rapaz de 9 anos na via pública.

O dono do cão que anteontem atacou uma menina em Matosinhos já foi ouvido em tribunal. O homem não falou aos jornalistas à saída e o Ministério Público não divulgou os crimes imputados. A criança de 4 anos está livre de perigo e o cão em quarentena, como é obrigatório nestes casos.

Esta sucessão de acontecimentos serviu para atualizar uma estatística nada simpática: em 15 meses, a GNR registou 355 vítimas de ataques de cães.

Outro caso com contagem é atualização é o do recente surto de sarampo. O número de casos está agora em 25. Os números foram atualizados por Francisco George, Diretor Geral de Saúde, numa ida ao Parlamento em que atacou esta moda “bizarra, hippie” de não vacinar os filhos.

Em Almeida, dois autarcas juntaram-se a cerca de cem populares e estiveram sete horas fechados na dependência local da Caixa Geral de Depósitos. A “ocupação” resultou no adiamento do encerramento da dependência bancária, inicialmente agendada para hoje. Tudo será discutido na próxima terça-feira entre a autarquia e a administração da CGD. Alma até Almeida, pelo menos até terça-feira.

Não haverá despedimentos na Caixa. Como assim? A garantia foi dada pela equipa das Finanças numa audição no Parlamento. A questão não é assim tão simples porque, claro, vão mesmo sair dos quadros da instituição cerca de 2300 trabalhadores. Mas tudo será por via amigável e reformas antecipadas. Ok, vamos falando.

O debate quinzenal no Parlamento foi mais uma magnífica homenagem àquilo a que a língua portuguesa designa por conversa de surdos. Governo e oposição falaram de coisas diferentes um bom par de horas.

No meio da confusão, o executivo anunciou que o défice baixou novamente no primeiro trimestre do ano e ao longo do dia soube-se ainda que os funcionários públicos terão tolerância de ponto no dia 12, data em que o Papa Francisco chega a Portugal.

A decisão provocou a estupefação de Tiago Barbosa Ribeiro, deputado voluntarista do PS do Porto, que protestou contra o seu governo nas redes sociais.

Num gesto ecuménico, o mesmo executivo ruma esta manhã ao Forte de Peniche para um Conselho de Ministros fora de portas. A data assinala a libertação dos últimos presos políticos, libertados exatamente dois dias depois do 25 de Abril da então prisão de Peniche. O futuro do forte tem estado envolvido em intensa polémica.

Isaltino Morais está de volta. O ex-autarca e ex-ministro, caído em desgraça por evasão fiscal, pela qual cumpriu pena de prisão efetiva, regressa para tentar reconquistar a “sua” câmara de Oeiras.

FRASES

“A Caixa, tal como estava no início de 2016, era um banco zombie”. Mário Centeno, ministro das Finanças, numa audição parlamentar

“Esta moda bizarra de não vacinar crianças tem tido estas consequências”. Francisco George, diretor-geral de saúde, no Parlamento

“Causa-me enorme estranheza e estupefacção que o Governo se prepare para conceder tolerância de ponto a propósito da viagem do Papa a Fátima”. Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, num post no Facebook

“Não quero pagar as dívidas dele ao Novo Banco”. Bruno Carvalho, presidente do Sporting, sobre Luís Filipe Vieira

O QUE EU ANDO A LER

O primeiro livro de Bruno Vieira do Amaral teve entrada na direta na curta lista de primeiras obras bem recebidas pela crítica e pelo público. As primeiras coisas (Quetzal, 2013) transportou-nos para a realidade suburbana da margem sul do Tejo, para um imaginário Bairro Amélia, espelho do Vale da Amoreira (onde o autor cresceu).

O incrível detalhe e imaginação, bem como a originalidade da abordagem, valeram ao livro uma série de prémios ( Prémio Literário José Saramago 2015, Prémio Literário Fernando Namora 2013, Prémio PEN Clube Narrativa 2013, entre outros).

Quatro anos depois, Bruno Vieira do Amaral regressa com Hoje estarás comigo no Paraíso (Quetzal, 2017), um novo mergulho num território pouco trabalhado pela literatura portuguesa. O romance confirma o brilhantismo do autor, agora numa espécie busca familiar.

O ponto de partida é o brutal assassinato do primo João Jorge (1963-1985), dos poucos pormenores conhecidos, dos escassos relatos e testemunhos, numa reconstituição de memórias esparsas que vão construindo a família do autor, as suas histórias e geografias.

O título vem direto do Evangelho de São Lucas, na tradução de Frederico Lourenço («E Jesus disse-lhe: “Amén te digo: hoje estarás comigo no paraíso”») e a inspiração das célebres primeiras linhas da Crónica de uma morte anunciada (“No dia em que iam matá-lo, Santiago Nasar levantou-se Às 5h30 da manhã para esperar o barco em que chegava o bispo”).

Ninguém pode impedir a morte de João Jorge. Mas um livro como este pode resgatá-lo.

O Expresso Curto fica por aqui. O dia continua a girar no Expresso Online e ao fim do dia chega o Expresso Diário. Tenha uma boa quinta-feira, dia 98 da era Trump.

Sem comentários: