Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

segunda-feira, 29 de maio de 2017

CONVERSA DA TRETA DE MERKEL | “AR RESPIRÁVEL, VENDE-SE” - Trump


Retirado do Expresso Curto apresentamos o balanço que foi dado a Martim Silva fazer esta manhã. Pela nossa parte não dizemos bom dia aos que nos estão a ler porque já é hora do lanche (para os que lancham). Evidentemente que Martim vai direitinho ao Glorioso da Luz, de Portugal, de arredores e dos confins do mundo. Esse é o Benfica. Adiante.

Logo de seguida Martim Silva, do Expresso, “atira-se” à Merkel. Não o faz por falta de gosto mas sim porque Merkel disse que “Está na hora de tomarmos o nosso destino nas mãos”. Nas mãos? Nas mãos de quem? Nas nossas mãos, dos europeus, obviamente. Ah pois está! Até já devíamos há muito ter tomado essa coisa de destino nas nossas mãos, nas nossas decisões… e tratar da nossa vida sem estar dependente dos traques que os EUA dão, nem dos rateres anais do Reino Unido. O que Merkel não disse foi que se antes assim não aconteceu a razão colhe-se no sindicato dos crimes contra a humanidade com sede nos EUA (principalmente) e por todas as sucursais globais de proteção ao capitalismo selvagem em vigor. E ela tem imensas responsabilidades nisso, assim como todos os governantes e deputados legisladores europeus – pelo menos esses. E então agora vamos acreditar em Merkel? Tudo vai ser diferente e melhor? Não. Aquilo foi só um desabafo num comício. Conversa da treta. Conveniente, já se sabe. Por  tal… tudo como antes… e para pior, se deixarmos. Se não abrirmos a pestana.

Trampas de Trump é o abraço seguinte na prosa de Martim. Quase nem vale comentar. Saliente-se que o enxertado em corno de cabra e milhões de cifrões no que diz respeito à defesa do ambiente prefere optar por rebentar com tudo com vista à má qualidade do ar, torná-lo irrespirável, para dar vantagens e lucros medonhos aos comparsas que venderão oxigénio, máscaras e demais traquitanas imprescindíveis para sobrevivermos. “Ar respirável, vende-se”. Assim havemos de ver por aí em lojas e etc. Talvez até Trump e similares fundem empresas de distribuição de oxigénio como agora existem as de eletricidade, de gás e outras. Ao domicilio, perconiza-se. E assim será com a água e etc. Olho para o negócio, dirá o estafermo com o coro de outros estafermos. Olho para serem uns grandessíssimos sacanas. Dizemos nós. Adiante e a caminho do fim.

Mais abordagens são apresentadas pelo autor, do Expresso que é Curto. Interessam. Há um caso de homofobia na prosa e muito mais, se continuar a ler.

Semana o melhor possível, principalmente para os plebeus fartos de sofrer por via dos Trampas que há por aí, espalhados por este mundo a dar cabo de vidas. De povos e de países.

MM | PG

O aviso de Merkel e a dobradinha encarnada

Martim Silva | Expresso

Bom dia e bom início de semana,

A vitória do Benfica de Vitória na Taça, o regresso de Trump aos Estados Unidos e o alerta sério feito por Merkel aos parceiros europeus de que daqui em diante devem contar menos com Reino Unido e americanos são o prato forte deste seu Expresso Curto.

BENFICA

O Benfica de Rui Vitória concluiu ontem mais uma época de enorme sucesso, somando o título na Taça de Portugal ao campeonato conquistado há poucas semanas. A vitória foi conseguida no Jamor, por 2 a 1, face a um Vitória de Guimarães muito aguerrido mas que não chegou para contrariar a supremacia encarnada. Além da vitória propriamente dita, com golos de Raul Gimenez e Salvio, o que fica? Ficam as declarações de Rui Vitória no final da partida garantindo que vai ficar. E as de sinal contrário dos guarda-redes Ederson e Júlio Cesar, dando entender que devem estar de malas aviadas.

Aqui pode ver algumas das melhores fotografias da chuvosa tarde. E aqui pode ler a crónica da partida feita para a Tribuna pelo Diogo Pombo. Já aqui tem o texto do ‘Azar do Kralj’.

De referir ainda que, aparentemente, correu com sucesso a primeira experiência a sério em Portugal de utilização do vídeo-árbitro. Pelo que ficámos a saber, o árbitro, Hugo Miguel, consultou duas vezes os seus colegas que estavam dentro da carrinha a visionar o jogo, mas em nenhum dos casos alterou as decisões tomadas. Esperemos que isto ajude a diminuir (um pouco pelo menos) as habituais polémicas que rodeiam o futebol português.

MERKEL

O mundo ocidental tal como as nossas gerações o entendem, vivem e concebem é assente na construção europeia e na aliança atlântica entre Europa e Estados Unidos. Para o bem ou para o mal, tendo sido assim ao longo dos últimos setenta anos, desde que terminou a II Guerra Mundial. Este domingo, num comício em Munique, a chanceler alemã Angela Merkel, recém regressada da cimeira de Taormina entre os sete países mais industrizados do planeta, o G7, e da Cimeira da NATO nos dias imediatamente anteriores, fez um daqueles discursos marcantes e que bem pode assinalar um antes e depois no caminho que estamos a traçar. Perante a evidência do brexit e com Trump aos comandos dos Estados Unidos, aquela que tem sido na prática a líder da Europa na última década foi muito clara ao dizer que agora o caminho da Europa é outro e já não passa tanto pelos seus aliados tradicionais. Os desacordos são profundos e passam desde questões de segurança e defesa até ao ambiente e alterações climáticas. “Está na hora de tomarmos o nosso destino nas mãos”, sublinhou Merkel.

TRUMP

Depois de nove dias no estrangeiro (Arábia Saudita, Israel, Vaticano, NATO, G7), numa viagem que só os próximos de Trump classificam de sucesso, o presidente dos EUA regressou este sábado a Washington, enfrentando uma crise interna que não só não cessa como terá aumentado neste interregno em que o chefe do Estado andou fora. E, mal aterrou, Trump regressou ao twitter para de forma agressiva se dirigir à comunicação social que tem andado a noticiar o que se passa na Casa Branca.

No foco das notícias nos tempos mais próximos deverá continuar a estar o genro de Trump e um dos seus mais influentes conselheiros, Jarred Kushner, envolvido nas investigações sobre o conluio de próximos de Trump com a Rússia.

Este artigo do New York Times explica de forma detalhada o que podemos esperar nos próximos tempos e quais os passos que a Casa Branca está a preparar para responder à crise em que se vê envolvida, e que vão desde a reformulação da comunicação ao reforço do departamento jurídico. Aqui, no Washington Post, olha-se com atenção para o que Trump andou a fazer na última semana.

foto oficial dos cônjuges dos líderes da NATO que estiveram reunidos incluia Gauthier Destenay, que há dois anos casou com o primeiro-ministro do Luxemburgo. Mas na Casa Branca, ao publicarem a foto, decidiram omitir o nome de Gauthier. Choveram críticas de homofobia e horas depois os norte-americanos corrigiram o erro.

Ainda em questões de imagem, o presidente francês, Emmanuel Macron, veio ontem confessar que o aperto de mão a Donald Trump, na última quinta-feira, e que correu mundo, foi tudo menos inocente. Era uma forma de mostrar que não se deixa intimidar e que quer estar no comando.

ABECEDÁRIO DO DIABO

Há umas semanas, falámos e escrevemos e tentámos todos perceber, com enorme preocupação, o jogo virtual Baleia Azul, que incitava e aliciva jovens a práticas de mutilação e que poderiam no limite levar ao suicídio. Agora, pelo El Pais, fiquei a saber que já anda por aí. Chama-se Abecedário do Diabo e o princípio é semelhante. Se este é um tema que lhe interessa leia aqui a notícia do jornal espanhol em que se explica do que se trata.

Sem comentários: