Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Angola | DECLARAÇÃO DE VOTO



Luísa Rogério | Jornal de Angola | opinião

A democracia pode agregar imperfeições. Pode ter defeitos, mas ainda é o melhor sistema político. É o modelo preferencial de governo e edificação de sociedades livres. A ideia sobre a qual se tecem infindáveis reflexões sustenta pensamentos difíceis de condensar em frases breves. Não é preciso ser Hillary Clinton nem estar em campanha eleitoral para concluir que qualquer regime democrático supera a mais branda das ditaduras. Como não existem formatos acabados, o ideal é cada país traçar o próprio percurso assente em estruturas que concorram para a consolidação de processos democráticos.


Na plenitude dos seus quase 42 anos, Angola busca caminhos em prol do fortalecimento da nação. O período eleitoral vai dando indicações do imenso trabalho que os angolanos têm pela frente para que todos os habitantes do espaço geográfico chamado Angola se identifiquem com a nação em perspectiva. Os partidos políticos constituem peças fundamentais. Ultrapassam definições que os incluem indistintamente em conglomerados cujos protagonistas se escudam na defesa dos interesses gerais com o fim de atingirem a realização do ponto de vista material.

Óbvio que os políticos não são sempre os seres bem intencionados que distribuem abraços e beijinhos no decorrer de campanhas eleitorais. Acontece com frequência desligarem as fichas, incluindo as telefónicas, uma vez alcançados os votos que lhes conferem legitimidade para exercer poder. Muitos deles só voltam a recordar-se do “povo em geral” em vésperas de eleições. Talvez por isso se sintam à vontade para ostentar sinais de “crescimento económico” pessoal enquanto sensibilizam a população para votar nos programas de governo que garantem ser superiores aos demais. Acham desnecessário fingir posturas politicamente correctas porque acreditam na demonstração de poder como elemento eficaz de mobilização.

A existência de diferentes classes de políticos desqualifica tentativas de enquadramento geral na caricatura que os banaliza em igual medida. Tanto quanto os partidos, os políticos são fundamentais para as democracias. Há quem diga que reside neles o “calcanhar de Aquiles” das democracias modernas, uma vez que a condição humana lhes confere a falibilidade associada à espécie. Enquanto a humanidade se esforça para aprimorar modelos de desempenho resta-nos contar com mulheres e homens que abraçam a actividade política como representantes do povo. É neles que a maioria vai votar no próximo dia 23.

 Apesar da possibilidade de algumas sondagens indicarem o sentido do voto, só os resultados escrutinados pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE) valem para as contas. Em regimes democráticos o voto secreto garante que a escolha de cada um, inclusive de militantes com cartão, seja determinada pela sua consciência. É proibido vigiar, induzir ou dar provas de fidelidade partidária filmando, por exemplo, a direcção de voto antes de depositar boletim eleitoral na urna, embora ao cidadão assista o direito de manifestar apoio a qualquer força política concorrente.

Ainda que não exista nenhuma garantia de que militantes ou simpatizantes votem de acordo com orientações partidária, as democracias permitem as denominadas declarações de voto. O estatuto de cidadã crente em princípios democráticos, de valor universal e inegociável, plasmados na Constituição da República, autoriza-me a partilhar a minha declaração de voto. Contrariando eventuais prognósticos, a atípica declaração contorna apelos em símbolos e cores partidárias. Evoca expectativas. Ao votar estarei a exteriorizar a esperança de contribuir para a escolha de servidores públicos. Nada para além disso. Um tema inspirador para futuras abordagens.

Sem comentários: