quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Portugal | AS AVIONETAS E OS PILOTOS SHOW-OFF

PARTILHAR


O retrato dos últimos anos é assustador e mostra que Portugal tem um problema gravíssimo com aeronaves.

Ana Sá Lopes | jornal i | opinião

A queda da avioneta na praia de São João da Caparica chocou o país. Morreu uma criança e um homem de 56 anos. Todas as mortes são estúpidas, mas as mortes por acidente são profundamente chocantes. Morrer numa praia porque uma avioneta decidiu aterrar na areia é algo completamente incompreensível.

Em abril, em Tires, despenhou-se outra avioneta. Morreram cinco pessoas – os quatro tripulantes da aeronave e uma pessoa que estava a descarregar o camião sobre o qual a avioneta caiu. Três pessoas ficaram feridas. Em março, no aeródromo de Ponte de Sor, houve outro acidente, do qual resultou um ferido. 

Estamos a falar só deste ano que ainda não acabou: sete mortos em acidentes de aeronaves. Em 2014 e 2015 houve 21 acidentes – 11 mortos e 15 feridos. Um relatório do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e Acidentes Ferroviários diz o seguinte: “Os pilotos envolvidos em acidentes fatais, a baixa altitude e acrobacias eram, geralmente, muito experientes. Os pilotos em acidentes fatais também eram tipicamente muito experientes.

Provavelmente acreditaram que a sua experiência lhes permitia voar com segurança em condições que os outros são aconselhados a evitar.” E diz pior: “Mais de metade dos voos a baixa altitude e acidentes com manobras acrobáticas envolveram uma ‘audiência’ – geralmente, amigos no terreno, mas às vezes passageiros a levar para um voo. A tentação de ‘mostrar’ para impressionar aqueles que estão a assistir foi fatal em muitos dos casos.” 

Os acidentes com aeronaves sucedem-se (em 2012 houve 10 mortos). O retrato dos últimos anos é assustador e mostra que Portugal tem um problema gravíssimo com aeronaves. Não tem com aviões, mas tem com aviões que, alegadamente, podem ser pilotados por pessoas que gostam de “impressionar aqueles que estão a assistir”. Há um problema sério com avionetas que é preciso pôr em discussão pública o quanto antes.

Foto: Mafalda Azevedo

Relacionado em jornal i

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: