sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Três prémios Nobel da paz para três indivíduos indignos

# Publicado em português do Brasil

Mustafa Fetouri | Middle East Monitor

Quando o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, recebeu o prestigioso Prêmio Nobel da Paz em 2009, ele estava no cargo há menos de um ano. O Comitê do Nobel, em seu comunicado, disse que o primeiro presidente negro o mereceu  porque , sob ele, "a diplomacia multilateral reconquistou uma posição central, com destaque para o papel das Nações Unidas". Isso o torna um pacificador? O Comitê do Nobel certamente pensa assim.

Obama, o pacificador, passou a presidir a política externa hegemônica dos EUA, como uma superpotência, continuamente flexionando seus músculos ao redor do globo. Sob Obama, o pacificador, os EUA entraram em guerra na Líbia em 2011, destruindo um Estado membro da ONU e colocando-o em queda livre desde então. Como comandante-chefe das forças armadas dos EUA, Obama autorizou 1878 ataques de drones contra países principalmente muçulmanos, incluindo Afeganistão, Paquistão, Líbia, Somália e Iêmen. Em muitos desses ataques, sempre justificados pela alegação absurda de que um alvo terrorista foi atingido, centenas, senão milhares, de mulheres, homens, crianças e animais inocentes foram mortos no que os militares dos EUA costumam descrever como "danos colaterais". Obama parecia ter enganado muitos com seu  discurso na Universidade do Cairo em junho de 2009, quando falou de "novos começos" com o mundo muçulmano.

Ataques de drones de 1878 em oito anos não são muito comparados aos  2.243  ataques registrados por Donald Trump nos primeiros dois anos de sua presidência. Mas o pobre Trump não ganhou o Nobel!

Quando o presidente Obama saiu da Casa Branca, os militares dos EUA ainda estavam no terreno como uma força de ocupação no Iraque e no Afeganistão, enquanto secretamente apoiavam a guerra saudita no Iêmen, e a "guerra contra o terror" dos Estados Unidos nunca terminou.

Abiy Ahmed tornou-se primeiro-ministro da Etiópia em 2018 e, em 2019, o Comitê Nobel considerou-o com  direito  ao prêmio da paz devido aos seus "esforços para alcançar a paz e a cooperação internacional", destacando sua "iniciativa decisiva" para encerrar a guerra com a Eritreia. Ele ganhou as eleições em uma plataforma anticorrupção e responsabilidade. No ano passado, o Prêmio Nobel declarou guerra dentro de seu próprio país. Com a ajuda de tropas da Eritreia, as forças etíopes ainda estão tentando erradicar os combatentes Tigray da região norte de Tigray. Desde novembro de 2020, milhares foram deslocados, enquanto dezenas de milhares buscaram refúgio no Sudão e centenas de milhares estão à beira da fome, revivendo memórias horríveis da fome dos anos 1980 que atingiu o país, especialmente a região de Tigray, matando mais de 1,2 milhão de pessoas.

Para Aung San Suu Kyi, de Mianmar (ex-Birmânia), o Prêmio Nobel veio de uma forma mais clássica. Em 1991, o Comitê que administrou o prêmio disse que Suu Kyi o  merecia  por sua "luta não violenta" pela democracia e pelos direitos humanos. Em um  informativo  sobre ela, o Comitê disse que a Sra. Suu Kyi foi "inspirada por Mahatma Gandhi", o pai indiano de protestos não violentos em todo o mundo. Ainda assim, aquele Comitê não considerou Mahatma Gandhi elegível para seu prêmio, apesar de ter sido indicado cinco vezes entre 1937 e 1948, mas alguém que ele inspirou venceu!

O partido de Aung San Suu Kyi venceu as duas eleições em Mianmar, primeiro em 2015 e depois em 2020, mas a constituição a impedia de se tornar presidente por causa de seus filhos estrangeiros. No entanto, ela se tornou a líder de fato do país, até que o exército a depôs em fevereiro passado. Sob a supervisão de Suu Kyi, milhares da minoria muçulmana Rohingya fugiram do país para a vizinha Bangladesh, onde vivem em condições degradantes. Os Rohingya sempre foram vítimas de repressões brutais, estupros e deslocamento em Mianmar, mas o que começou em 2017 sob a liderança do Prêmio Nobel nunca foi visto antes.

Em todos os três casos, os vencedores perderam todo o terreno moral para se qualificar graças às suas próprias ações. Muitos veem o ex-presidente Obama como um criminoso de guerra. O mesmo, em menor grau, pode ser dito sobre o atual primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed. Ele logo poderá entrar em guerra com o Sudão ou o Egito, se não por disputas de fronteira com o primeiro, então pelas águas do Nilo com o último.

Para a Sra. Suu Kyi, ainda presa, ser laureada com o Nobel é ainda mais embaraçoso, não apenas para ela, mas também mais envergonhado para o Comitê Norueguês que lhe concedeu o prêmio. Ao contrário de Abiy Ahmed e Barack Obama, ela recebeu o prêmio principalmente por sua luta pelos direitos humanos e pela democracia.

Nunca o Comitê Norueguês retirou qualquer prêmio da paz depois de concedê-lo. Em 2018, um relatório da ONU criticou fortemente a Sra. Suu Kyi por não se manifestar contra o que seu exército fez contra os civis Rohingya. Quando questionado sobre a possibilidade de retomar o prêmio de Aung Suu Kyi, um  representante  do Comitê Norueguês disse: "Nós não fazemos isso. Não é nossa tarefa supervisionar ou censurar o comportamento dos vencedores depois que eles ganharam o prêmio."

Mas isso é errado, dados os privilégios que o prêmio traz aos indivíduos em termos de dinheiro, prestígio e reputação. Ao decidir quem ganha o prêmio, o Comitê Norueguês tem critérios claros para avaliar os vencedores em, digamos, física, medicina ou química. Não pelo prêmio da paz, porque as diretrizes são confusas, na melhor das hipóteses. Além disso, alguns vencedores merecedores do passado podem não se sentir confortáveis ​​quando alguém menos digno recebe o prêmio. Por exemplo, ao ganhar o Nobel em 2009, Barack Obama agora é visto por muitos, como estando em pé de igualdade com o falecido Nelson Mandela, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1993, o que não é justo. A única diretriz para o Comitê que concede o prêmio é uma seção de seu fundador, o Testamento de Alfred Nobel: diz que alguém merece se tal pessoa "fez o máximo ou o melhor trabalho pela fraternidade entre as nações.

* Mustafa Fetouri é um acadêmico líbio e jornalista freelance. Ele recebeu o prêmio de Liberdade de Imprensa da UE.

Imagem: O presidente dos EUA, Barack Obama, sorri no pódio com seu diploma e medalha de ouro durante a cerimónia do Nobel em Oslo em 10 de dezembro de 2009. [JEWEL SAMAD / AFP via Getty Images]

Sem comentários:

DESTAQUE

Chega "esconde" propósitos fascistas do seu programa

Chega "eclipsa" destruição da escola pública e do SNS do seu programa Quase dois anos depois de Ventura ter anunciado a "cl...

Mais lidas da semana