quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Falta de postos de carregamento e custo elevado atrasam entrada de autocarros elétricos em Macau



Macau, China, 24 ago (Lusa) -- A entrada em circulação de autocarros elétricos em Macau continua sem calendário, principalmente devido ao seu elevado custo e à falta de postos de carregamento, indicaram hoje Governo e transportadoras, na véspera de mais um período de testes.

Tal como aconteceu em 2013, na quinta-feira começam a circular, durante 30 dias, dois autocarros elétricos, naquela que é a segunda fase de testes a este tipo de transporte. Apesar dos bons resultados obtidos há três anos, não há ainda decisões sobre a sua efetiva e generalizada entrada em vigor.

Atualmente só existem postos de carregamento para autocarros na oficina do Pac On. "No futuro vamos tentar generalizar e reservar algum espaço para o carregamento", disse o chefe substituto da divisão de gestão de transportes, António Ho, indicando que existem, no total, nove parques de estacionamento com postos de carregamento para veículos elétricos, mas nenhum destes é destinado autocarros públicos.

"Temos de ponderar as circunstâncias concretas das vias e os equipamentos de carregamento. Temos de saber em quais paragens e estações é possível a instalação desses postos de carregamento", afirmou o responsável da TCM, uma das três empresas que prestam serviço público de autocarros.

Também a Nova Era manifestou preocupação com a questão do abastecimento, não só devido à ausência de postos, mas também porque para um dia de circulação, cada autocarro tem de carregar entre três a quatro horas.

TCM e Nova Era estão a testar dois autocarros diferentes, um de fabrico chinês, outro australiano. No primeiro a bateria tem uma duração de 180 quilómetros, no segundo chega pelo menos aos 300, segundo os Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT), apesar de a própria empresa, a Avass, publicitar cerca de mil quilómetros.

O custo é também um fator inibidor: segundo as duas transportadoras, um autocarro elétrico custa entre duas a três vezes mais que um autocarro movido a gasóleo.

"Estes autocarros têm um custo mais elevado", admitiu o Governo. "Tanto do autocarro como do seu funcionamento, mas claro que temos que ver as informações facultadas pelas companhias e depois decidimos se há outras políticas para apoiar a sua implementação", disse António Ho, sem esclarecer se a subsidiação faz parte dessas políticas.

Apesar de garantir que as transportadoras "têm intenção" de introduzir autocarros com "combustíveis novos", não foi estabelecido um prazo para tal, com o Governo a exigir apenas que as empresas estudassem a viabilidade destes veículos. Quando "a situação for madura" será pedido que "concretizem alguns dos planos prometidos".

"O Governo tem de ver o resultado técnico, agora não temos condições suficientes. Até agora não temos um calendário, temos de aproveitar todos os recursos obtidos neste teste de 30 dias e depois fazemos um estudo", indicou o responsável.

Os dois autocarros vão fazer 11 viagens por dia e percursos mais desafiantes, em relação aos de 2013 -- vão atravessar a ponte da Taipa para Macau, percorrer trechos inclinados e levar mais passageiros.

O teste de 30 dias com autocarros alugados vai ser pago pelo Governo, no valor de 600 mil patacas (66 mil euros).

O representante da transportadora Nova Era, disse ainda que, apesar do aumento de 8% no número de motoristas, estes ainda não são suficientes para responder às necessidades. São precisos, disse, mais 40 a 50 motoristas para elevar o total de 460 que a empresa tem agora.

A Nova Era debate-se também com o envelhecimento dos seus condutores, cuja idade média é de 53 anos, sendo que "3% já ultrapassam os 60 anos" e são poucos os que têm menos de 40 anos.

A par dos croupiers dos casinos, a profissão de motorista só pode ser realizada por portadores do Bilhete de Identidade de Residente de Macau, não sendo possível contratar trabalhadores estrangeiros.

ISG // JMR

Sem comentários: