quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Atual situação mundial é resultado da Guerra Fria -- Putin

# Publicado em português do Brasil

O presidente russo Vladimir Putin referiu os problemas mundiais existentes, dizendo que as abordagens atuais têm sido insuficientes para os resolver.

Vladimir Putin, presidente da Rússia, disse na quinta-feira (21) que ainda não foi possível obter um suporte para um novo equilíbrio no mundo, o mesmo acontecendo com os países "vencedores do Olimpo".

Em declarações no Clube Valdai de Discussões Internacionais em Moscou, Rússia, ele observou que a humanidade entrou em um novo período há mais de três décadas, quando começou a busca por um novo equilíbrio, relações sustentáveis nas esferas social, política, econômica, cultural e militar, e por um suporte para o sistema mundial.

"Estávamos procurando este suporte, mas ainda não conseguimos o obter, enquanto aqueles que após o fim da Guerra Fria [...] se sentiram vitoriosos, logo sentiram, apesar do fato de pensarem que tinham subido ao próprio Olimpo, logo sentiram que também neste Olimpo o chão está fugindo debaixo dos pés deles, e ninguém pode parar o momento, por mais bonito que pareça", disse ele.

"A história política não deve ainda conhecer exemplos de uma ordem mundial estável ter sido estabelecida sem uma grande guerra e sem ser com base em seus resultados, como aconteceu após a Segunda Guerra Mundial. Portanto, temos uma oportunidade de estabelecer um precedente extremamente favorável. A tentativa de fazê-lo após a Guerra Fria com base na dominação ocidental, como vemos, não obteve sucesso. O estado atual do mundo é um produto desse fracasso. Devemos aprender lições com isso", apontou Putin.

Experiência dos países pobres

De acordo com o chefe de Estado da Rússia, a pobreza nos países menos desenvolvidos leva a sentimentos negativos de falta de perspectivas.

"Sem mencionar os problemas de pobreza, alto nível de desemprego ou ausência de cuidados de saúde adequados. Tudo isso é muito sentido nos países atrasados, que estão perdendo a fé na perspectiva de alcançar os líderes, a frustração alimenta a agressão, empurra as pessoas para as fileiras dos extremistas", referiu Vladimir Putin.

As pessoas nesses países têm uma crescente "sensação de expectativas infundadas e não concretizadas", um sentimento de falta de quaisquer perspectivas na vida, não só para si mesmas, mas também para seus filhos.

"Isso é o que leva à busca de uma vida melhor, à migração descontrolada, que por sua vez cria bases para o descontentamento social em países já mais prósperos", adicionou o presidente da Rússia.

Em relação ao Afeganistão, é importante que a Rússia e a China tenham um Estado estável e em desenvolvimento perto de suas fronteiras, e há trabalho ativo nesse sentido, mencionou o presidente russo.

"Esta questão é uma das mais urgentes no momento, a situação no Afeganistão. Você sabe que acabamos de realizar uma reunião em formato apropriado, inclusive com representantes do Talibã [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. A República Popular da China está trabalhando muito ativamente no Afeganistão", explicou ele.

Segundo o alto responsável da Rússia, a situação no Afeganistão é muito grave, tanto para a Rússia quanto para a China.

"É importante ter perto de nossas fronteiras nacionais uma calma e um Afeganistão em desenvolvimento que não seja uma fonte de terrorismo, radicalismo de todos os tipos", defendeu.

Estados como solução

Segundo o presidente russo, apenas Estados soberanos são capazes de responder às necessidades dos cidadãos e aos desafios, acrescentando ele que qualquer ordem internacional eficaz deve ter em consideração os interesses e as capacidades de um Estado, partir disso, em vez de se tentar provar que eles não devem existir.

"É importante notar outra coisa: a pandemia, que em teoria deveria unir as pessoas em torno de uma ameaça comum em grande escala, tornou-se um fator de divisão em vez de ser um fator unificador. Há muitas razões para isso, mas uma das principais razões é que a solução do problema tem sido procurada em esquemas habituais: diversos, mas habituais", declarou.

"Eles justamente não funcionam. Mais precisamente, eles funcionam, mas muitas vezes ao contrário, piorando a situação. A propósito, a Rússia tem apelado repetidamente, e vou repetir este apelo agora: precisamos deixar de lado as ambições equivocadas e trabalhar juntos e em cooperação", falou.

Assim, a dominação ocidental nos assuntos mundiais está dando lugar a um sistema muito mais diversificado, comentou.

"A mudança na distribuição de forças implica uma redistribuição de cotas partes em favor daqueles países em crescimento e em desenvolvimento que até agora se sentiam excluídos. Dito de forma direta, o domínio ocidental nos assuntos mundiais, que começou há vários séculos e se tornou quase absoluto por um breve período no final do século XX, está dando lugar a um sistema muito mais diversificado."

Mudança no sistema mundial

A solução global para os problemas existentes envolveria uma transferência da soberania para estruturas supranacionais para a qual ninguém está preparado, porque será preciso responder pelos resultados da política perante os seus cidadãos, e não perante uma comunidade internacional "desconhecida", afirmou Putin.

"Estamos bem conscientes de que sem uma estreita cooperação internacional é impossível resolver muitos dos problemas graves", disse, acrescentando que é preciso ser realista e entender que a maioria dos belos slogans sobre soluções globais para problemas globais, "que temos ouvido desde o final do século XX, nunca serão realizados".

Ao mesmo tempo, o chefe de Estado expressou a ideia de que não há "receitas prontas" para substituir o atual modelo do capitalismo.

O presidente russo criticou ainda a "fantasmagoria" no Ocidente envolvendo a discussão sobre os direitos dos homens e das mulheres.

"A discussão sobre os direitos dos homens e das mulheres em vários países ocidentais se transformou em uma completa fantasmagoria. Cuidado, vocês ainda chegarão ao ponto em que os bolcheviques [após a Revolução de Outubro na Rússia em 1917] propunham não apenas tornar as galinhas comunitárias, mas também tornar as mulheres comunitárias. Mais um passo, e vocês chegarão lá", assinalou Putin.

"Os zelotes das novas abordagens chegam ao ponto de querer abolir esses próprios conceitos. Aqueles que arriscam dizer que os homens e mulheres existem, e que isso é um fato biológico, são quase ostracizados" em países ocidentais.

Sputnik

Sem comentários:

DESTAQUE

Chega "esconde" propósitos fascistas do seu programa

Chega "eclipsa" destruição da escola pública e do SNS do seu programa Quase dois anos depois de Ventura ter anunciado a "cl...

Mais lidas da semana