Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Portugal - Frente Comum: DEPUTADOS DA MAIORIA REVELAM “COMPORTAMENTO PIDESCO”



Denise Fernandes - Económico

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública acusa os deputados de terem manifestado comportamentos "pidescos".

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública enviou hoje uma carta à comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, onde acusa os deputados Jorge Paulo Oliveira (PSD) e Artur Rêgo (CDS) de terem manifestado comportamentos "pidescos" durante a audiência de ontem àquela federação sindical.

Segundo a Frente Comum, os deputados questionaram a presença da estrutura sindical na comissão parlamentar, por esta ter participado no protesto que ocorreu quinta-feira passada nas galerias da Assembleia da República, durante a votação na generalidade das propostas de lei que aumentam, o horário de trabalho da função pública para as 40 horas e instituem o novo sistema de requalificação.

Ontem, no início da comissão parlamentar que discutiu os mesmos diplomas, o deputado Jorge Paulo Oliveira afirmou: "Quero repudiar a participação activa da Frente Comum nessa ofensa ao Parlamento", referindo-se ao protesto ocorrido nas galerias da Assembleia na quinta-feira. "Aproveito para denunciar e revelar a nossa perplexidade por a Frente Comum se fazer representar nesta sala por uma pessoa que ofendeu a democracia, o Parlamento e os portugueses", acrescentou o deputado social-democrata.

Segundo a Frente Comum, estas declarações foram apoiadas pelo deputado do CDS-PP, Artur Rêgo.

Na carta enviada à comissão, a Frente Comum considera as declarações "deploráveis" e, "mais grave", a federação conta que durante a reunião da comissão o deputado do PSD fez circular uma fotografia ampliada dos participantes no protesto de quinta-feira passada nas galerias, num comportamento que a Frente Comum considera "pidesco".

Contactado pelo Económico, o deputado Jorge Paulo Oliveira sublinha que mantém tudo o que disse. "Não retiro uma palavra", diz.

Jorge Paulo Oliveira diz que em causa "não está o direito à manifestação ou à indignação", mas que, "no mínimo", a Frente Comum não devia ter levado à comissão parlamentar "uma das pessoas que insultou os deputados, os portugueses e o Parlamento" na passada quinta-feira.

A Assembleia da República "tem regras de funcionamento e a Frente Comum violou essas regras na quinta-feira, que podem constituir matéria criminal", diz.

Quanto à fotografia que terá circulado pelos deputados da comissão, o deputado do PSD conta que retirou as imagens do site da TVI e que os deputados da comissão depois "quiseram ver".

"Quem ofendeu a democracia foi a Frente Comum, nomeadamente através dos seus representantes", conclui Jorge Paulo Oliveira.

Já o deputado Artur Rêgo sublinha que não confunde "entidades com pessoas", explicando que "é mentira" que tenha repudiado a participação da Frente Comum na reunião da comissão parlamentar. O deputado contesta sim a presença "de uma pessoa" da delegação da Frente Comum na comissão que, no dia do protesto nas galerias, violou a lei do Parlamento.

"A Frente Comum, por respeito ao Parlamento, não deveria ter trazido essa pessoa à comissão", defende o deputado do CDS-PP. "Essa pessoa que integrava ontem a delegação da Frente Comum violou a lei porque nas galerias não são permitidos distúrbios e porque, mesmo depois da presidente da Assembleia ter mandado evacuar as galerias, essa pessoa recusou-se a sair, resistindo às autoridades", acrescenta Artur Rêgo.

Sem comentários: