quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Angola. ATIVISTAS PROMETEM “CONTRAPONTO POSITIVO AO CONGRESSO DO MPLA”



No dia em que arranca o congresso do MPLA em Luanda, os 17 activistas angolanos que tinham sido condenados a penas de prisão por rebelião vão dar uma conferência de imprensa apresentada como um “contraponto positivo ao congresso do MPLA”. Os jovens também querem mostrar como a prisão fortaleceu a "metodologia de luta em termos de activismo”.

A conferência de imprensa dos 17 activistas angolanos que tinham passado um ano na cadeia acusados de rebelião coincide com o primeiro dia do congresso do MPLA para a reeleição de José Eduardo dos Santos.

Nuno Álvaro Dala disse à RFI que a data é “mera coincidência” mas que acaba por ser um “contraponto positivo ao congresso do MPLA”.

“Escolhemos o dia 17 por mera coincidência. Soubemos que a data coincide com o congresso do MPLA há alguns dias, quando alguém nos alertou para esse facto. Mas, pronto, para nós acaba sendo uma coincidência que nos leva naquela lógica de termos a nossa conferência de imprensa como um contraponto positivo ao congresso do MPLA”, declarou.

O activista sublinhou que “o objectivo principal consiste em mostrar em que medida a experiência da prisão desempenhou um papel positivo na estrutura de valores e metodologia de luta em termos de activismo” e também vão ser denunciadas as más condições nas prisões angolanas e durante a prisão domiciliária.

Nuno Dala disse, também, que na conferência se pretende apresentar “uma mensagem para os angolanos sobre o momento que o país vive” e “caminhos para a saída da crise”.

O activista angolano reiterou que os activistas não se revêem na amnistia por estarem inocentes e lembrou que na próxima semana vai ser entregue no Supremo Tribunal uma petição para libertar “Dago Nível”, o qual está a cumprir uma pena de oito meses de cadeia por ter gritado na sala de audiências que o julgamento dos 17 activistas era uma “palhaçada”.


Sem comentários: