quinta-feira, 25 de agosto de 2016

EM BUSCA DA INTERNET PERDIDA



Tim Berners-Lee, o criador da web, quer uma rede livre das megaempresas que controlam, capturam e vendem nossos dados vitais. Conheça o Solid, seu projeto de decentralização e autonomia radicais

David Weinberger*, no Digital Trends – Outras Palavras - Tradução: Gabriela Leite

Quando a World Wide Web decolou pela primeira vez, na metade dos anos 90, o sonho não era apenas grande, era distribuidor: todas as pessoas teriam sua própria homepage, todos iriam publicar seus pensamentos — isso não era chamado de “blog” até 1999 — e iriam ter posse de seus próprios dados, afinal ninguém estava oferecendo possuí-los por nós. A web consistia em nós, unidos por links, sem qualquer centro.

Como os tempos mudaram. Agora, um punhado de empresas dominam vastas áreas da atividade da web — o Facebook para rede social, o Google para pesquisa, o eBay para leilões — e literalmente possuem os dados que seus usuários entregam e criam. Isso dá a essas empresas um poder sem precedentes sobre nós, e lhes dá tamanha vantagem competitiva que é muito ingênuo pensar que seria possível lançar uma iniciativa capaz de vencê-los em seu próprio jogo. O fato de que o Facebook já tem os dados de 1,7 bilhões de perfis de usuários e — mais importante que isso — a história das interações de seus usuários, significa que você provavelmente não vai conseguir atrair muitos investidores experientes. Além disso, é lá onde já estão todos os seus amigos. A dependência do fornecedor é real.

Isso inspirou um esforço para re-descentralizar a web. Duas das tentativas mais importantes — alguns contariam o blockchain como uma terceira — são arquiteturalmente muito promissoras. A questão é: até que parte a arquitetura será suficiente?

A primeira iniciativa inovadora vem de Tim Berners-Lee, a pessoa que inventou a web e a deu de presente para nós, sem patentes, copyrights ou marcas registradas. O novo projeto de Berners-Lee, a caminho através de seu laboratório no MIT, chama-se Solid (“social linked data”, ou “dados sociais interligados”, em tradução livre), um jeito de fazer as pessoas terem os direitos sobre seus próprios dados, ao mesmo tempo em que os disponibilizam para os aplicativos que quiserem utilizar.

Com o Solid, você armazena seus dados em “pods” (“personal online data stores”, ou “repertórios de dados pessoais online”, em tradução livre) que ficam hospedados onde você quiser. Mas o Solid não é apenas um sistema de armazenamento: ele permite que outros aplicativos requeiram os dados. Se o Solid autentifica o app e — importante — se você der permissão para acessar os dados, o Solid os entrega.

Por exemplo, você pode manter suas informações pessoais em um dos muitos pods: o tipo de dados que você põe em seu perfil no Facebook; uma lista de seus amigos, família e colegas; suas informações bancárias; mapas pelos lugares por onde você viajou; algumas informações de saúde. Desta maneira, se alguém construir um novo aplicativo de rede social — talvez para competir de frente com o Facebook, ou, mais provavelmente, oferecer serviços especializados a pessoas com interesses em comum — você pode fazer parte dele, dando a ela permissão para acessar as informações apropriadas em seu pod. Seus dados armazenados permaneceriam sendo seus, de todas as maneiras: completamente sob seu controle, estocados onde você preferir, e utilizáveis apenas pelos aplicativos aos quais você der permissão.

O Solid é projetado de cima abaixo para permitir a descoberta e compartilhamento de informações. Por isso o “linked data” (“dados interligados”) no lid, no nome do projeto. Linked Data é outra invenção de Berners-Lee, uma maneira de se referir a dados cuja interligação é facilitada por meio de repositórios. Embora Linked Data seja um concieito difícil de dominar, o Solid pode tornar a informação na internet mais inteligente. Por exemplo, se você quiser, pode dar informação para um site de viagens ou para um grupo de ação sobre mudança climática, para acessar a informação em seus pods sobre seus dados demográficos e as viagens que fez. Esse grupo poderia tabular suas informações em conjunto com os dados de pods de outras pessoas, para conseguir um quadro atualizado dos locais para onde se está viajando, como isso afeta as economias locais, a emissão de carbono, e talvez até atitudes de nações em relação a estrangeiros.

O Solid faz tudo isso sem ter que centralizar a informação em mãos nas quais confiamos — nem deveríamos confiar.

Inter Planetary File System (IPFS, ou “sistema de arquivos interplanetário”, em tradução livre) tem uma abordagem diferente. Começa pela convicção de que mesmo a existência de páginas da web armazenadas num único servidor é algo que implica muita centralização. Por que não, ao invés disso, seguir o caminho do BitTorrent e permitir que múltiplos computadores forneçam partes de uma página, todos ao mesmo tempo? Desta maneira, se um servidor cair, não levará com eles todas as suas páginas. O IPFS faria a web mais flexível, e menos sujeita à censura.

Para utilizar o IPFS a tal ponto, você pode instalar extensões noChrome e no Firefox, ou recorrer à abordagem mais techie, usando linhas de comando. O IFPS espera, no entanto, que seus padrões sejam aceitos pelo W3C e pelo IETF, os grupos que decidem o que conta como parte oficial da web e da internet. Isso ajudaria a motivar os browsers a construir, com suporte nativo, de acordo com o novo protocolo.

O Solid, de Berners Lee, e o IPFS irão re-descentralizar a web? Tudo se resume a exigir: as pessoas vão se importar o suficiente para aceitar medidas que pareçam ser um temporário passo atrás? Por exemplo, é improvável que novos aplicativos de redes sociais basiados no Solid sejam lançado com toda a sofisticação do Facebook. Por outro lado, para os serviços de redes sociais projetados para tipos particulares de pessoas — cientistas, pesquisadores, artistas colaborativos — talvez seja mais fácil começar assim. E parece bem plausível que organizações que se importam com a preservação a longo prazo de seus materiais na web percebam que o IPFS é bastante atraente. O mesmo poderá ocorrer com as pessoas que compartilham conteúdos que demoram tempo demais para carregar na web normal.

Portanto, há alguma esperança. No curto prazo, os novos projetos não precisam disputar com os atuais hubs gigantes. Basta oferecer algumas alternativas a eles. No fim das contas, a grande questão é: as forças que transformaram a web numa série de hubs centralizados recuarão, diante da possível pressão de arquiteturas que permitem re-descentralizar a rede? A resposta, imagino, é não. A não ser que nós, usuários da web, o exijamos…

* Outras Palavras agradece ao leitor Guilherme Moro, que sugeriu a tradução deste texto

Sem comentários: