sábado, 7 de janeiro de 2017

“SOARES É FIXE!”




Morreu Mário Soares

O antigo Presidente da República Mário Soares morreu hoje aos 92 anos, disse à agência Lusa fonte do Hospital da Cruz Vermelha.

Uma figura central na construção da democracia

Mário Soares, que hoje morreu aos 92 anos, desempenhou os mais altos cargos no país e a sua vida confunde-se com a própria história contemporânea portuguesa, sendo fundador e primeiro líder do PS após combater o Estado Novo.

Filho de João Lopes Soares, um ministro na I República, e de Elisa Nobre Baptista, Mário Alberto Nobre Lopes Soares nasceu a 07 de dezembro de 1924, em Lisboa, tendo estado omnipresente na vida pública do país, tanto nas décadas anteriores à revolução de 25 de Abril de 1974, como nos primeiros 40 anos da democracia portuguesa.

Preso político e posteriormente exilado em São Tomé e Príncipe e França durante a ditadura, Soares regressou "em ombros" à sua pátria em 1974 para desempenhar as pastas dos Negócios Estrangeiros dos primeiros governos provisórios, liderar os I, II e IX Governos Constitucionais (1976-78 e 1983-85), até chegar à Presidência da República, no Palácio de Belém, onde ficaria por dois mandatos (1986-1996).

Da Revolução dos Cravos a Presidente de "todos os portugueses"

Mário Soares foi um dos fundadores da democracia portuguesa, adversário das correntes revolucionárias entre 1974 e 1975, e em 1986 chegou a Presidente "de todos os portugueses", sendo reeleito em 1991 com mais de 70% dos votos.

Na madrugada do 25 de Abril, quando o Movimento das Forças Armadas (MFA) derrubou a ditadura, o primeiro secretário-geral do PS estava em França, no exílio.

Falecimento ocorreu "na presença constante" dos filhos - Hospital

O diretor clínico do Hospital da Cruz Vermelha, Manuel Pedro Magalhães, informou hoje que o antigo Presidente da República Mário Soares faleceu às 15:28, na "presença constante" dos seus filhos, Isabel e João Soares.

A informação foi dada pelo diretor clínico do Hospital numa curta declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas.

Mário Soares encontrava-se internado desde o dia 13 de dezembro, tendo sido transferido no dia 22 dos Cuidados Intensivos para a "unidade de internamento em regime reservado" do Hospital da Cruz Vermelha, depois de sinais de melhoria do estado de saúde.

No entanto, no dia 24, um agravamento súbito da situação clínica obrigou ao regresso do antigo chefe de Estado à Unidade dos Cuidados Intensivos.

No dia 31 de dezembro, dia da última atualização feita pelo hospital sobre o seu estado de saúde, Mário Soares continuava em "coma profundo", mas "estável e com parâmetros vitais normais".

Mário Soares, que morreu hoje aos 92 anos, desempenhou os mais altos cargos no país e a sua vida confunde-se com a própria história da democracia portuguesa: combateu a ditadura, foi fundador do PS e Presidente da República.

Morreu um guardião da democracia -- Carlos César

O presidente do Partido Socialista, Carlos César, afirmou que o ex-chefe de Estado Mário Soares, que hoje morreu, foi "um guardião da democracia", e considerou este um "dia triste" para o partido e para a memória coletiva do país.

"Não morreu um dirigente socialista, mas um grande português, um obreiro das liberdades, um guardião da democracia", afirmou à agência Lusa Carlos César, referindo que, "por isso, todos os portugueses, independentemente da sua condição partidária, estarão, certamente, associados neste momento numa manifestação coletiva de pesar e numa homenagem à memória de luta e à memória de concretização que representou a atuação política de Mário Soares e o seu comportamento físico ao longo destas últimas décadas".

Para Carlos César, o antigo Presidente da República é, "sem dúvida, a personalidade mais relevante da segunda metade do século XX e, em particular, depois de restaurada a democracia em Portugal".

O antigo Presidente da República morreu hoje aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa.

Mário Soares encontrava-se internado desde o dia 13 de dezembro, tendo sido transferido no dia 22 dos Cuidados Intensivos para a "unidade de internamento em regime reservado" do Hospital da Cruz Vermelha, depois de sinais de melhoria do estado de saúde.

"É um dia triste para o Partido Socialista, para a nossa memória coletiva e para a democracia portuguesa, porque perdemos um dos seus principais lutadores e um dos seus principais obreiros", salientou Carlos César, também líder do grupo parlamentar do PS na Assembleia da República.

Para o dirigente socialista, "Mário Soares foi decisivo no combate à ditadura e na adoção da democracia e do regime de liberdades públicas, na sua proteção em todos os momentos".

"Devemos-lhe não só a nossa condição de país democrático, como também a nossa condição de país europeu", declarou o presidente do PS, realçando que "foi pelas mãos de Mário Soares" que Portugal "se libertou de um isolamento que o condenou entre as nações" e "passou a ser um parceiro respeitado no exterior e ajudado por países amigos".

Carlos César acrescentou que todo o desempenho do ex-Presidente da República "foi não só decisivo para aquilo que hoje é o Partido Socialista como grande partido na sociedade portuguesa, mas sobretudo para aquilo que hoje é" Portugal, "um país incomparavelmente diferente e melhor do que era há 40, há 30 anos".

LUSA


Sem comentários: