Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

terça-feira, 14 de março de 2017

DEBATE DO “TUDO OU NADA” NA HOLANDA FOI À VOLTA DE UE E TURQUIA


Depois de dominar as sondagens nos últimos meses, o Partido da Liberdade (PVV), liderado pelo populista Geert Wilders, caiu recentemente para a segunda posição, atrás do atual primeiro-ministro.

As eleições na Holanda são daqui a somente 24 horas. Na noite desta segunda-feira, os candidatos melhor posicionados nas sondagens, o atual primeiro-ministro de centro-direita, Mark Rutte, e o líder de extrema-direita, Geert Wilders, encontraram-se para um derradeiro debate televisivo, isto numa altura em que Rutte voltou a ultrapassar Wilders como favorito a vencer, mas ainda com uma vantagem curta.

Os temos discutidos foram os esperados: a saída ou não da União Europeia, a imigração, a religião (e, por inerência, a ameaça islâmica sobre o país) e o recente quid pro quo diplomático com a Turquia. Uma coisa é certa: vença quem vencer, e precisando de uma coligação para governar — no último século, todos os executivos holandeses foram de coligação –, não batem à porta um do outro.

O populista Wilders, do Partido para a Liberdade (PVV), começou por pedir, numa alusão ao Brexit britânico, um “Nexit” à holandesa, ou seja, a saída o quando antes da Holanda da União Europeia. “Só então seremos de novo o patrão da nossa própria casa”, explicou. Por sua vez, Rutte, atual primeiro-ministro e líder do Partido Popular para a Liberdade e Democracia (VVD), só vislumbra nessa saída problemas para o país, nomeadamente o do desemprego. Segundo Mark Rutte, quase 1,5 milhões de holandeses correriam o risco de perder o emprego, o que traria o “caos” para a Holanda.

Wilders, estando agora em desvantagem nas sondagens, partiu novamente para o ataque. Prometeu combater, tal como antes o havia prometido em comícios, a “islamização” do país, nomeadamente através do encerramento de mesquitas, proibindo a entrada de imigrantes muçulmanos no país, decisões às quais acrescerá a proibição da venda do Alcorão. Depois, acusaria o atual primeiro-ministro (a propósito das recentes tensões diplomáticas entre os dois países) de estar “refém” da Turquia e do presidente Recep Tayyip Erdogan. Rutte colocou água na fervura: “Aqui está a diferença entre postar tweets do sofá e conduzir um país. Se lideras um país, precisas de tomar medidas sensatas”. O primeiro-ministro acabaria longamente aplaudido após esta resposta.

As eleições holandeses estão a ser vistas como a antecâmara (ou não) da ascensão populista na Europa, sendo que também este ano haverá eleições em França e na Alemanha. Ainda assim, o partido do atual primeiro-ministro, o Partido Popular para a Liberdade e Democracia (VVD), lidera as sondagens com 16% das intenções de voto. Depois de dominar as sondagens nos últimos meses, o Partido da Liberdade (PVV), liderado por Geert Wilders, caiu recentemente para a segunda posição. Ainda assim, o partido de Wilders deverá conseguir o seu melhor resultado desde a criação, em 2006. Na terceira posição nas sondagens surge a CDA, o partido da direita democrata-cristã, seguida pelos liberais de centro-esquerda do D66.

A estas eleições legislativas candidataram-se 81 movimentos, dos quais 28 foram aceites pela comissão eleitoral. As sondagens projetam um Parlamento mais dividido do que nunca, podendo ser necessários quatro ou mais partidos para obter 76 dos 150 deputados necessários para suportar uma maioria. Os resultados deverão ser anunciados pelo Conselho Eleitoral a 21 de março.

Tiago Palma – Observador – Foto: Yves Herman / AFP / Getty Images

Sem comentários: