domingo, 10 de janeiro de 2016

O LABORATÓRIO AFRICOM – XV




A aristocracia financeira mundial recorre por vezes a membros das oligarquias e elites anglo saxónicas, a fim de estimular o jogo que se ultima nas suas armadilhas.

Na tentativa do golpe de estado falhado na Guiné Equatorial em 2004 a farsa chegou a agenciar o filho de Margaret Thatcher que, recorde-se, com Ronald Reagan foram introdutores do neoliberalismo nos centros de poder representativo dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, simultaneamente, como um dos actores centrais do “cenário” da Guiné Equatorial.

Acabando com o empolgamento de Mark Thatcher em sua “aventura africana” (“Jogos Africanos”, conforme Jaime Nogueira Pinto), o Pentágono, mesmo no campo de experiências que proporcionaram o conceito do “Laboratório AFRICOM”, recolheu muitos ensinamentos sobre como lidar com as elites governamentais africanas, tirando partido das fragilidades e vulnerabilidades de África.

As “parceria público-privadas” que se inspirariam nos “Jogos Africanos” do Pentágono, seriam também e assim uma porta aberta aos mercenários (ainda que em missões “civis”), de forma a melhor procurar neutralizar as mais ousadas resistências, como as do Movimento de Libertação em África.

Minar a consciência africana no seu próprio campo em busca de liberdade, minar os nacionalismos resistentes gerados na cultura da libertação, moldar as elites e alienar as massas, passaram a ser objectivos de primeira linha para o “Laboratório AFRICOM” e Portugal em decadência financeira e sócio-política, mas membro-fundador da NATO, era e é um manancial na “cadeia de transmissão” que foi estimulada desde Teresa Whelan por dentro da CPLP e em direcção particularmente a Angola.

Esvaziar a democracia representativa e abrir espaço ao fascismo, foi o que o capitalismo neoliberal providenciou desde logo nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha (explorando inicialmente a aliança tácita de Ronald Reagan com Margaret Thatcher), pelo que esse “perfume” foi também estendido por tabela a África, numa fase inicial do berço do AFRICOM sem obstáculos de maior.

O CORSÁRIO E A PRESA – MARK THATCHER E A “EXPERIÊNCIA” NA GUINÉ EQUATORIAL 

1 – A família Thatcher, oficialmente e na vida privada, esteve (e está) ligada a questões que se prendem à energia (petróleo) e às finanças, neste caso seja àquelas que nas “offshores” fogem ao fisco, seja aquelas de carácter especulativo, o que contraria de certo modo o nome de “dama de ferro” por que foi conhecida Margaret Thatcher…

A história moderna das Malvinas enquanto colónia britânica tem que ver, entre outras coisas e conforme tive oportunidade de antes abordar, com a oportunidade de explorar o petróleo na sua enorme plataforma marítima e nas 200 milhas para leste, além da disponibilidade existente ao redor dos territórios insulares da Geórgia do Sul, de Tristão da Cunha e das Sandwich…

A guerra pela posse das Malvinas (travada entre 2 de Abril e 14 de Junho de 1982) é também uma guerra pela posse do petróleo, para lá das contradições históricas: quem vencesse teria a oportunidade de ter nas suas nãos as rédeas e as condutas da futura exploração numa região Atlântica praticamente virgem e com uma reserva estimada em cerca de 8 biliões de barris...

O império contudo reagiu de forma inequívoca: o seu domínio no Atlântico Sul e em direcção à Antárctida era para ser preservado numa geo estratégia a muito longo prazo.

Significativamente a Grã-Bretanha – Reino Unido respondia à invasão da ditadura da Argentina, por via do Governo de Margaret Thatcher, com a “Operation Corporate”!

2 – Enquanto Margaret Thatcher completou um “respeitável” percurso político oficial (“respeitável” para com a aristocracia financeira global), a sua família e em especial o seu turbulento filho “Sir” Mark Thatcher, fruto de sua educação e do conservadorismo ideológico de seus pais, foi vivendo uma vida de aventureiro “play boy”, com episódios que foram tocando a raia dos escândalos públicos.

É evidente que ele estava à vontade para tal e sempre que foi necessário o socorro não lhe faltou, pois o seu exacerbado e irreflectido egoísmo, compreensível apanágio das elites capitalistas, é típico de quem procura a todo o transe alcançar lucros, mesmo seguindo trilhas menos ortodoxas e como tal “desculpável”…

A determinada altura da sua vida “Sir” Mark Thatcher instalou-se na cidade do Cabo, entre 1996 e 2004, onde se inspirou decerto no elitismo característico do império britânico conforme “a visão africana” de Cecil John Rhodes.

Do Cabo partia-se e parte-se para o Cairo ou Jerusalém e também para a Antárctida, onde a África do Sul possui uma estação de presença e de investigação há mais de 50 anos…

A África do Sul aliás, cruza interesses com os restos do império britânico no Atlântico Sul e a cidade do Cabo desempenha nesse sentido o papel de sempre pronta base de retaguarda e porto de abrigo para as operações de logística, para as actividades de pesca, para a reparação naval (Simonstown) e para vigilância das rotas entre o Índico e o Atlântico.

A cidade do Cabo, na encruzilhada marítima entre o ocidente e o oriente, entre as rotas do norte e as do sul, possui aliás um ambiente e um carácter próprio capaz de, com a sua história e nostalgia, influenciar marinheiros, guerreiros, oficiais de inteligência, aventureiros, mercenários e piratas refractários do império entre os quais se colocou “Sir” Mark Thatcher… 

3 – Numa altura em que os Governos da Guiné Equatorial eram indexados a uma oligarquia perdulária e sanguinária, que cometia constantes atropelos aos direitos humanos, conforme propaganda ocidental com os Estados Unidos à cabeça, “Sir” Mark Thatcher tentou a sua sorte em Março de 2004, integrando um grupo que levou os seus interesses e condutas à realização dum golpe de estado naquele pequeno país do Golfo da Guiné.

Aqueles que tentaram realizar o golpe foram infiltrados pelas inteligências conjugadas de estados como a África do Sul, o Zimbabwe, Angola e a própria Guiné Equatorial, ficando a descoberto a sua acção e intenções pelo que se registaram prisões de muitos intervenientes na África do Sul, no Zimbabwe e na Guiné Equatorial, entre eles “Sir” Mark Thatcher!

O herdeiro Thatcher encontrava assim forma de responder às vocações marítimas e sobretudo Atlânticas do império, com os olhos postos num pequeno país que regurgita de petróleo, como um moderno corsário à procura de tomar uma riquíssima presa, no seguimento “em privado” da“experiência oficial” das Malvinas.

Em relação à tentativa de tomar o petróleo da Guiné Equatorial o “plano Thatcher” funcionou com a mesma indexação ideológica radical e prática duma qualquer corrente radical islâmica, só que com relativamente mais curta longevidade!

Salvou-o do abismo a sua fortuna e a influência de sua mãe, a “dama de ferro”, defensora acérrima das elites poderosas do império anglo-saxónico e de sua globalização neo liberal vencedora da Guerra Fria!…

4 – Perante esse infortúnio cuja fama correu mundo com a cobertura mediática da muito britânica BBC, “Sir” Mark Thatcher abandonou Constância, na cidade do Cabo e foi-se instalar noutro antigo ninho de piratas, passando a saltar de ilha em ilha em função dos seus interesses nas“offshores” financeiras das Caraíbas.

As épocas que se sucederam na vida do herdeiro Thatcher, intercalavam as “offshores” das Caraíbas, (Barbados, ilhas Cayman, Antilhas Holandesas) e os lugares dilectos dos “play boys” no sul da Europa: Marbela, Nice, Mónaco…

Quando a 8 de Maio morreu sua mãe, ele estaria nos Barbados, de onde partiu para assistir às exéquias…

5 – A tentativa do corsário em tomar a presa pode ter saído gorada, passando para a história como um episódio singular em que alguns ficaram longe de alcançar os seus objectivos pessoais, mas o sinal é evidente: com ou sem “Sir” Mark Thatcher, os interesses das grandes corporações multinacionais do petróleo inscrevem-se nos dispositivos que em função das potências ocidentais dominam o Atlântico e moldam as elites “parceiras” em África na arquitectura neo colonial contemporânea...

A Guiné Equatorial mantém a sua elite, que em 1979 se instalou no poder através dum golpe de estado sangrento e agora se converteu à democracia representativa, enquanto sua escassa população vive ainda em crónico subdesenvolvimento, face aos enormes desequilíbrios locais, tal como acontece no figurino africano.

Para além do petróleo a Guiné Equatorial passou a ter um valor geo estratégico no Golfo da Guiné que antes não possuía a mesma relevância.

Sob a sombra do império anglo-saxónico no Atlântico, poucas diferenças há, no que diz respeito à geo estratégia, entre o caso das Malvinas e da Guiné Equatorial, entre a situação colonial de uma e a neo colonial de outra, ou as corporações anglo-saxónicas do petróleo e do gás, instrumentos da aristocracia financeira mundial, não tivessem tão fortes argumentos “moderadores”!

Mesmo que os pequenos corsários tenham cada vez mais dificuldades em tomar as presas, aos grandes corsários corporativos nada nem ninguém os impede, por que são eles os promotores mais decisivos da formatação a contento das elites africanas afins aos interesses e influência do império e… como (favoravelmente à aristocracia financeira global) mudou o carácter do poder da Guiné Equatorial durante os últimos anos!...

Se para o norte Margaret Thatcher foi a “dama de ferro”, não há dúvida que ela e sua família, para o sul, foi mais que isso: uma inveterada “dama do petróleo”, mesmo que as coisas não tivessem corrido tão bem quanto desejariam os Thatcher!

Nota: A Guiné Equatorial ocupa o 136º posto no quadro dos Índices de Desenvolvimento Humano (Desenvolvimento Humano Médio); em termos comparativos Cabo Verde ocupa a 133ª posição, São Tomé e Príncipe a 144ª e Angola a 148ª.

Mapa: O território continental e insular da Guiné Equatorial é crucial para o controlo geo estratégico do Golfo da Guiné, um factor que joga com os apetites das potências para além da“atracção” à exploração de suas ricas jazidas de gás e petróleo “offshore” – (“Equatorial Guinea coup plot” – http://news.bbc.co.uk/2/hi/africa/3597450.stm).

A consultar:
.Guinea Equatorial comprou apoio nos EUA com dinheiro público – http://paginaglobal.blogspot.com/2012/04/guine-equatorial-comprou-apoio-nos-eua.html
.Oposição pressiona Governo Português para rejeitar adesão da Guiné Equatorial –http://paginaglobal.blogspot.com/2012/01/cplp-oposicao-pressiona-governo.html
.Coup plotters jailed in E. Guinea – http://news.bbc.co.uk/2/hi/africa/4044305.stm
.Zimbabwe jails UK coup plotter – http://news.bbc.co.uk/2/hi/africa/3643250.stm
.Thatcher fined over coup plot – http://news.bbc.co.uk/2/hi/africa/4169557.stm
  
Imagens:
1 - O Presidente da Guiné Equatorial, agenciado pelo Pentágono nas primeiras experiências do “Laboratório AFRICOM”; 
2 - Mark Thatcher nos tempos de seus “Jogos Africanos”: as elites nunca perdem, mesmo que saiam perdedoras de alguma batalha; é o capitalism neoliberal que sistematicamente as salva; 
3 - Os mercenários de origem sul-africana, angolana e de outras, levados a julgamento e condenados a pesadas penas; o sacrifício para salvar o altar da “MPRI”.

Sem comentários: