sábado, 28 de julho de 2018

Portugal | Caso de Ricardo Robles-BE convida jornalistas a terem vergonha

PARTILHAR

Ainda o caso do veredor do Bloco de Esquerda na CMLisboa anda nos jornais. Ontem e hoje alguns jornalistas portugueses foram vedetas emporcalhadas das notícias falsas (Fake News). Mas foi só ontem e hoje? Mentiras, disse Catarina.

No caso foi sobre o vereador Ricardo Robles e o seu prédio em Alfama/milhões em especulação imobiliária. Assim como numa casa que o mesmo possuía no Saldanha. Mentira, foi o que afirmou Catarina Martins, coordenadora do BE. Dá para acreditar nela. Dá para se perceber os vários escribas de esgoto que vagabundeiam pela comunicação social.

Falta saber a troco de que vantagens ou se é realmente inaptidão para exercerem a profissão. Sendo uma ou outra a razão deviam sair do exercício da profissão. Que chafurdem num chiqueiro que lhes seja familiar para serem felizes em vez de produzirem mentiras e enganar os que os lêem, vêem e ouvem. Só assim a classe profissional poderá recuperar o seu bom nome e a sua credibilização.

Mentiras, disse Catarina Martins. E apontou sem sombra de dúvidas porque assim afirmou.

Tenham vergonha, muita vergonha, senhores jornalistas, assim como as chefias e outros recos que se misturam com os verdadeiros profissionais do jornalismo que ainda existem.  

Quanto ao PSD... De uma "casa" de vigaristas e ladrões (os que sabemos) outra atitude não será de esperar. Não há ladrão nem vigarista que queira ser e estar sozinho. Por isso inventa e dá tiros nos pés, como neste caso em que a política - também de reco - se assemelha a jornalistas do mesmo jaez. (PG)

Catarina sai em defesa de Robles e dispara contra imprensa e PSD

A líder do BE comentou pela primeira vez a situação do vereador em Lisboa. Acusou jornais de “infâmia” e o PSD de “hipocrisia”, por “perseguir” os bloquistas

Inteiramente ao lado de Ricardo Robles - assim se mostrou Catarina Martins, a coordenadora do Bloco de Esquerda, na primeira declaração pública, na manhã deste sábado, sobre a vida imobiliária do vereador do seu partido em Lisboa. Robles "nada fez de errado", disse Catarina, antes de chegar ao acampamento de jovens do Bloco, que se realiza no parque de campismo de Castelo do Bode.

A líder do BE apontou baterias para a imprensa: "Ontem [sexta-feira] acordei com uma capa de jornal que dizia que o vereador do Bloco [de Esquerda] tinha ganho milhões de euros numa operação imobiliária e era mentira. Hoje [sábado] acordei com uma capa de jornal que diz que o vereador do BE tem um apartamento no Saldanha, que, pelos vistos, era uma grande novidade, e é mentira. É a casa onde ele vive, uma casa arrendada".

Nesta sexta-feira ficou a saber-se, numa notícia do “Jornal Económico”, que em 2014, em conjunto com a irmã, Ricardo Robles (na altura deputado municipal em Lisboa) comprou um prédio em Alfama por 347 mil euros, o qual, depois de reabilitado (com as obras, houve um investimento total de cerca de um milhão de euros) foi posto à venda por 5,7 milhões de euros em 2017, tendo sido retirado do mercado em abril deste ano.

Sem o afirmar, Catarina Martins sugere que há uma trama contra o Bloco. "São dois dias em que há capas de jornal que dizem mentiras sobre o vereador do BE na Câmara de Lisboa." Para a líder do Bloco, não há coincidências: "Isso acontece na mesma altura em que o Parlamento aprovou legislação importante para proteger os inquilinos, e em que aguardamos, por exemplo, a promulgação a breve trecho do direito de preferência sobre a propriedade que permite que o inquilino possa comprar só a sua fração quando o senhorio quer vender todo o empreendimento".

A iniciativa, diz a coordenadora do BE, "será um grande obstáculo a negócios que estão a ser preparados, nomeadamente a Fidelidade que quer vender um enorme número de prédios em várias zonas do país".

“BE NÃO SE DEIXA INTIMIDAR”

Catarina acusou jornais de terem dado "manchetes falsas ontem, que hoje outros repetem". Segundo a líder do BE, "as notícias são falsas, é um absurdo", pois "não houve nenhuma mais-valia, não houve nenhum lucro". Catarina Martins falou de “campanha de difamação” e de “infâmia”, por parte da comunicação social e de partidos da oposição, para se referir a notícias e a comentários políticos ao caso de Robles.

A coordenadora nacional do BE diz perceber que "tenham decidido perseguir o BE” e adianta ter “duas certezas: a primeira, é que aquilo que fizemos ainda é muito pouco e, portanto, ainda vamos ter de fazer mais para proteger o direito à habitação em Portugal. A segunda, como sabem, é que o BE não se deixa intimidar".

Catarina salientou ainda que Ricardo Robles mantém a mesma "legitimidade na defesa das políticas públicas que tem proposto e que continuará a propor".

RESPOSTA AO PSD

Nas reações partidárias aos negócios imobiliários de Ricardo Robles, o PSD foi o partido que levou mais longe as suas suas críticas, tendo a concelhia de Lisboa dos social-democratas exigido a “demissão” do vereador do BE e acusando-o de "falta de ética, de seriedade e de credibilidade política".

Nas declarações aos jornalistas que a esperavam antes da chegada ao acampamento de jovens do Bloco, a líder bloquista ripostou àquele repto dos social-democratas. Catarina Martins disse que o PSD está a "perseguir" o Bloco de Esquerda e que, antes disso, devia "tirar consequências das investigações de que está a ser alvo", como o caso dos vistos Gold.

“O PSD, que está a ser investigado por problemas tanto de vistos golds, como de financiamento ao partido através de negócios ligados a obras e autarquias, decidiu, em vez de tirar consequências de investigações de que está a ser alvo, perseguir o Bloco de Esquerda”, afirmou.

“Acho que sobre a hipocrisia e sobre o cinismo estamos conversados”, afirmou ainda Catarina Martins.

PRÉDIO ERA MESMO PARA ALOJAMENTO LOCAL

Entretanto, os jornais deste sábado avançam com novas informações sobre a situação imobiliária de Ricardo Robles.

O "Público" adianta que quando esteve à venda o prédio de Alfama destinava-se a alojamento local, pois era essa a finalidade (“short term rental”) que constava do anúncio da agência imobiliária. Aliás, o texto estava cheio de "glamour" na promoção do imóvel, “localizado em frente ao Terminal de Cruzeiros de Lisboa, ao lado do Museu do Fado e do charmoso Largo do Chafariz de Dentro”.

Já o “Sol” escreve que Ricardo Robles tem mais dois apartamentos em Lisboa (além do prédio de Alfama). Um na Rua do Conde Redondo (que está para alugar); e outro junto ao Saldanha. A propriedade deste segundo foi entretanto desmentida pelo Bloco, segundo as declarações de Catarina Martins, pois Robles é apenas o inquilino dessa casa, onde reside atualmente.

Paulo Paixão | Expresso
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: