Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sábado, 4 de junho de 2016

Centenas de pessoas homenageiam vítimas de Tiananmen em Macau



Algumas centenas de pessoas juntaram-se hoje em Macau numa vigília para lembrar as vítimas de Tiananmen, incluindo jovens que nunca tinham ouvido falar do massacre de há 27 anos.

Foi o caso de um grupo de três jovens do Canadá que se passeavam pela praça do Leal Senado de Macau e deram de caras com a vigília e os cartazes com fotos de Tiananmen e do massacre ocorrido na noite de 4 para 5 de junho de 1989 em Pequim.

Uma busca rápida no Google explicou aos três amigos a luta dos estudantes chineses de há 27 anos e optaram por se juntar à vigília, como contaram à Lusa.

Foi também através da internet que Linda, de 25 anos, nascida em Macau, soube o que foi Tiananmen, porque na escola nunca lhe falaram disso, segundo disse à Lusa.

A jovem professora participa na vigília em memória de Tiananmen em Macau há quatro anos.

"Temos de lembrar este dia e a luta dos estudantes por liberdade e direitos", disse, vincando que é importante fazê-lo também junto dos residentes de Macau, especialmente os mais jovens, que "têm de se empurrados a lutar pelos seus direitos e a preocuparem-se com a sociedade de Macau".

"Temos de manter o que temos em Macau, não pode mudar", sublinhou, considerando que apesar de o território ter um sistema de liberdades diferente e ter muita autonomia, "é uma região da China" e "o sistema está a mudar".

Ao contrário de Linda, Eve e Keith, ambos com 30 anos, ouviram falar de Tiananmen na escola. Os dois são de Hong Kong, a outra região da China que tem também administração especial, como Macau.

De visita a Macau, com um grupo de uma igreja luterana, quiseram juntar-se à vigília "por ser preciso lembrar" e "que mais pessoas saibam" o que aconteceu em Pequim em 1989, quando o exército chinês avançou com tanques para dispersar protestos pacíficos liderados por estudantes, causando um número de mortos nunca oficialmente assumido. Algumas estimativas apontam para milhares de mortos.

"Não sabemos se poderá voltar a acontecer, mas é importante não esquecer", afirmou Keith.

Macau e Hong Kong são os dois únicos locais da China onde Tiananmen pode ser publicamente recordado e nas duas cidades realizam-se anualmente vigílias para lembrar as vítimas do massacre.

A vigília de Macau foi organizada pela União para o Desenvolvimento Democrático de Macau, dos deputados Au Kam Sam e Ng Kuok Cheong. Este último mostrou-se satisfeito com o número de pessoas presente, apesar e ser inferior ao de anos anteriores, e por haver muitos jovens.

MP // PJA - Lusa

Sem comentários: