Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

terça-feira, 13 de junho de 2017

UMA LONGA LUTA EM ÁFRICA – VI



O EXERCÍCIO ALCORA, ANTÓNIO MONTEIRO E JORGE JARDIM

Martinho Júnior | Luanda

11 – No que toca a Angola, a persistência do etno nacionalismo, bem definido pelo historiador René Pélissier, chegou também a confundir até alguns socialistas, como a espaços a URSS, ou a República Popular da China, sobretudo desde a altura em que a República Popular da China cindiu o campo progressista, mas a legitimidade da luta armada por parte do Movimento de Libertação acabou por prevalecer, ancorada ao Movimento dos Não Alinhados, com a contribuição do internacionalismo cubano inaugurado pelo Che a 2 de Janeiro de 1965 e apesar de em Angola o MPLA ter revoltas como a “Revolta Activa”, ou a “Revolta do Leste”, precisamente entre 1972 e 1974, qualquer delas na esteira aliás de doutrinamentos e acções deliberadas em função de inteligências que sabiam que as aspirações angolanas poderiam ir muito para além das expectativas de manter a identidade angolana amarrada, de qualquer modo amarrada, aos interesses que representavam.

Essa dificuldade persistiu quando foi necessário entender as razões profundas (inclusive nos seus enlaces histórico-antropológicos-sociológicos) do surgimento das correntes “nitistas” dentro do MPLA, que em Lusaka, sob a capa de defenderem a linha marxista-leninista do Presidente Agostinho Neto, por aquilo que resultou de sua acção mais tarde, estavam de facto a contribuir para eliminar um potencial concorrente que o “apartheid” e os sectores portugueses ligados a entidades governamentais de após 25 de Novembro de 1975 haveriam de manipular (Daniel Chipenda), para ganhar espaço de manobra interno e a nível internacional, conforme se pode comprovar pelo carácter de sua trágica trajectória, hoje aproveitada com todo o oportunismo em Portugal ligado aos circuitos do Bilderberg, da NATO e dos serviços de inteligência dos Estados Unidos.

A incessante preocupação pela unidade e coesão em busca de identidade nacional dentro do MPLA, com conceitos aplicados no terreno durante a luta armada fazendo prevalecer o interior sobre o exterior, foi uma das contramedidas mais importantes para fazer face à desestabilização que trazia sempre o sinal de inteligências retrógradas implantadas ao derredor, quantas vezes por via de tendências etno nacionalistas internas (divisionismo, tribalismo, regionalismo e racismo).

Essas tendências foram sempre estimuladas em Kinshasa e Lusaka, no exterior (um pouco menos em Brazzaville) e também nos corelacionamentos tendo como alvo a Iª Região Política Militar do MPLA, que sob cerco e acossamento das autoridades coloniais portuguesas (PIDE/DGS, Forças Armadas Portugueses, autoridades administrativas e o sistema de agentes barricado nas fazendas de café e no comércio) sempre procuravam que FNLA e MPLA se defrontassem enquanto inimigos, enquanto faziam tudo para infiltrar suas bolsas de resistência “no terreno”.


Em relação à Iª Região Política Militar, a PIDE/DGS foi eficaz em três “destacamentos” (Caxito, Quibaxe e Catete), que funcionaram dependentes directamente do núcleo duro da sua organização; a sua própria direcção em Luanda.

O cruzamento da informação dessa acção “no terreno” e os “bons ofícios” de António Monteiro em Kinshasa (célula diplomática incrustada na Embaixada de Espanha), terá contribuído para influir no aumento das contradições entre a FNLA e o MPLA, à medida que, ao mesmo tempo, se propiciavam canais adicionais para procurar a infiltração na Iª RPM do MPLA.

Os processos de assimilação pelos portugueses, com resultados a muito longo prazo, integraram este tipo de procedimentos.

No MPLA muito ficou por perceber, por fazer e por evitar nessa incessante preocupação interna, nesse caminho tão difícil da luta, pois essa luta, ainda que de acordo com uma perspectiva marxista-leninista dum núcleo duro como o que fundamentou a 1 de Agosto de 1974 a proclamação das FAPLA, em muitos aspectos não conseguiu inviabilizar ou neutralizar por completo a capacidade de inteligência projectada tanto por via dos implicados no Exercício ALCORA, como pelos membros da NATO que operavam nos Congos em estreita consonância uns com os outros e sempre a coberto das doutrinas e ideologias características do “Le Cercle”.

Mobutu, uma das peças desse “jogo africano” procurou sempre fazer prevalecer o etno nacionalismo da UPA/FNLA sobre o MPLA, em tácita sincronização com a manobra do colonialismo português e só depois da independência de Angola teve de diminuir o seu afã, por que além de ter perdido nas frentes de combate em 1975, começava a colocar em risco a existência do seu próprio poder.

Ele estava para atacar Cabinda sob domínio colonial português em 1974 e, por via do Exercício ALCORA o colonialismo português sabia-o, sendo impossível isso ter passado despercebido à sua antena diplomática em Kinshasa, António Monteiro…

Por causa do 25 de Abril de 1974, esse plano seria reconvertido para ser executado, no âmbito da Operação IAFEATURE da CIA contra Angola, a 11 de Novembro de 1975!

Essa tensão foi portanto e também explorada sob o ponto de vista dos serviços de inteligência inerentes à “civilização judaico-cristã ocidental” em Kinshasa no âmbito do Exercício ALCORA e da NATO, com suporte do poderoso “lobby” dos minerais e do cartel de diamantes (redes ligadas a Maurice Tempelsman), dum vínculo comum que aceitava tacitamente considerar o Zaíre como um dos “países vizinhos” a ter na devida conta e, no seguimento, com o fim do colonialismo português, Cabinda foi atacada pela mesma força-tarefa que havia sido antes programada, planificada e organizada para a atacar em tempo colonial…

O diplomata português António Monteiro, acompanhou todas essas implicações bem por dentro numa das suas primeiras “tarimbas” de diplomata português de carreira.

Numa entrevista concedida por ele à Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses, constate-se a primeira pergunta que lhe foi feita e a respectiva resposta, conforme se segue.

 “1. Ao longo dos seus 41 anos de carreira, quais os momentos mais marcantes?

Numa carreira que para mim foi toda ela marcante, é difícil destacar momentos mas saliento alguns:

A entrada na Carreira - era um objectivo, uma aspiração, uma vocação. Ter tido êxito no concurso foi uma grande satisfação.

25 de Abril - a mudança de uma diplomacia sobretudo defensiva e cada vez mais fechada ao mundo - o que explica, por exemplo, que no meu primeiro posto, em Kinshasa, estivesse oficialmente integrado na Embaixada de Espanha - para uma dinâmica de abertura ao mundo. Portugal tornou-se então novidade, com a sua politica assente no programa dos 3 D's - democracia, desenvolvimento e descolonização.

Angola e Moçambique - a participação nas negociações, acompanhando Durão Barroso. O regresso a África no bom sentido. Foi o reencontro com países que nos eram e são extremamente próximos, com a capacidade de mediar acordos de paz, nomeadamente em Angola. 

Director-Geral de Política Externa - coincidiu com as novas responsabilidades do cargo e com a entrada em vigor de Maastricht. O que isso implicou em termos de trabalho altamente estimulante.

Conselho de Segurança das Nações Unidas - estar dois anos no Conselho de Segurança e exercer duas vezes a sua presidência permitiu medir quanto um país como Portugal pode ter um papel positivo e influente a nível internacional. Muito ligada a este mandato esteve a saga de Timor. Um processo em várias etapas em que Portugal conseguiu juntar aos princípios uma singular solidariedade a favor de um país e de um povo com os quais nos unem laços únicos de amizade. 

E, claro, como tudo na vida, o ocaso, o fim, o fechar do ciclo. Em Paris foi importante para mim comprovar na prática a noção de que onde há portugueses há Portugal...Digo-o como uma homenagem, através da Comunidade Portuguesa em França, a todas as comunidades portuguesas no mundo”…

Foi em Lusaka contudo (a Zâmbia era outro “país vizinho” do âmbito do Exercício ALCORA), que as revoltas no MPLA tiveram mais expressão humana e o Presidente Kenneth Kaunda foi um instrumento dos interesses que representavam o “lobby”, ou não fosse a Rodésia do Norte (componente antes da Federação das Rodésias e Niassalândia), algo que tivesse origem na visão imperial e elitista de Cecil John Rhodes, “do Cabo ao Cairo”, em função desde logo da BSAC, British South Africa Company, como do cartel que dela sobreveio (De Beers, Anglo American, Lonhro, entre outras mais), bem no eixo do poderoso “lobby” dos minerais em África e com tanta influência em Pretória, no Cabo, como em Londres, ou como em Washington!

O papel de Jorge Jardim enquanto agente especial de Salazar e Caetano suportado pelos interesses de Champalimaud, evoluiu na África Austral, nos termos da projecção do próprio Exercício ALCORA e à medida que o “apartheid” se tornava nele dominante.

De elo de ligação, Jorge Jardim passou a ser um elemento exploratório incontornável do Estado Novo na direcção dos governos dos “países limites” (primeiro Malawi, depois Zâmbia, onde passou a marcar sensível presença em 1973).

O “salto” na direcção do contacto de Jorge Jardim com o Presidente Kenneth Kaunda surgiu quando a Rodésia fechou a fronteira com a Zâmbia, provocando tensões com os outros membros do Exercício ALCORA, em especial com Portugal cujos interesses estavam a ser sensivelmente contrariados por Ian Smith.

Os portugueses eram apologistas dum “envolvimento progressivo pela concessão de facilidades” em relação à Zâmbia, pois não queriam agravar contenciosos internacionais com foco em Angola e Moçambique, mas com a rápida evolução desfavorável da situação no terreno em Moçambique, Jorge Jardim começou a discutir um “Programa de Lusaka”de tal modo aberto, que poderia desembocar no recurso a um “golpe de estado” tornando Moçambique e Angola “independentes” e com regimes minoritários “brancos”.

No livro “ALCORA – O acordo secreto do colonialismo – África do Sul, o vértice do triângulo da aliança” (pag. 297), os autores confirmam:

“A situação em Moçambique já deixara de estar sob controlo do Governo de Lisboa.

O governo de Marcelo Caetano passara de órgão de soberania a mero parceiro de soluções.

Na Beira, no início de Janeiro, o engenheiro Jorge Jardim definia com seus mais próximos colaboradores o planeamento da aplicação do chamado Programa de Lusaka, discutido no final de 1973 com Kenneth Kaunda, admitindo o recurso a um golpe de estado”…

O ambiente para a efervescência da “Revolta do Leste” na Zâmbia, teve esse tipo de“oxigénios” para se alimentar!

12 – O Caminho de Ferro de Benguela foi gerado precisamente nesse cadinho histórico-antropológico-sociológico durante a primeira metade do século XX, tendo a figura de Robert Williams, um dos próximos de Cecil John Rhodes, como seu principal engenheiro e arquitecto; estrategicamente, quando surgiu a luta armada levada a cabo pelo MPLA em toda a expressão do leste de Angola, tornou-se importante para a gestação colonial do etno nacionalismo de Savimbi, (daí o êxito da Operação Madeira e o facto da OUA só ter reconhecido a UNITA, depois da acção em desespero de causa de Savimbi, que dizimou uma companhia militar portuguesa, precisamente a 26 de abril de 1974).

Com o jogo operativo com Savimbi (em trasladação, passando como agente na deriva dos serviços de inteligência coloniais para os do “apartheid”, e para os dos Estados Unidos por via do cartel de diamantes), tirou-se melhor proveito do Exercício ALCORA (1967/1975), das iniciativas dos serviços de inteligência (que incluíram as actividades de diplomatas como António Monteiro ou Jorge Jardim) e dos aproveitamentos que foram feitos na sequência das independências das colónias portuguesas, pelo que restou da internacional fascista na África Austral, motivadas pela influência do “Le Cercle” mentor do “jogo africano” da “civilização judaico-cristã ocidental”, não sendo por acaso que nos Estados Unidos o “Conservative Caucus” tivesse apoiado Savimbi até ao fim.

A PIDE/DGS enquanto parte integrante desse fluxo, utilizava as representações do CFB em Lusaka, para actividades de inteligência e o pai de Savimbi, era um dos empregados bem conhecidos, como aliás os pais de muitos mais dos militantes da primeira geração da UNITA.

Quanto ao papel de Kenneth Kaunda, ele foi também desde logo conhecido pelo MPLA, conforme por exemplo testemunho do falecido General Iko Carreira em “O Pensamento estratégico de Agostinho Neto”:

“Entre os chefes de estado africanos havia dois conhecidos apoiantes do MPLA, Nyerere e Kaunda.

Kaunda parecia ser o mais simpático e que parecia dar o maior apoio ao MPLA.

O tempo e a experiência demonstraram que não era bem assim.

Realmente Kaunda recebia Neto no seu palácio, onde chegou a pernoitar.

Miler, homem de confiança de Kaunda, foi indicado por este como elemento de ligação. Mas parecia ser demasiado o engajamento. Pois foi numa granja de Miler, apesar da oposição de Neto, que se realizou o chamado Congresso de Lusaka.

Por outro lado, apesar dos pareceres contrários das autoridades de Mongu e Kalabo, duas povoações da zona de fronteira com Angola, foi Kaunda que apoiou a Revolta do Leste, como também participou na ideia de ver Neto ser mais controlado na direcção do MPLA, através daquela e da Revolta Activa.

Também esteve por trás da reunião conjunta das três organizações (MPLA, FNLA e UNITA) em Nakuru, Quénia, com Jomo Kenyata, figura lendária do nacionalismo africano e então Presidente da República.

Nessa reunião, sem uma razão cabal, apareceu Chipenda, na delegação da FNLA, dirigida por Holden Roberto”…

O que o MPLA soube, foi depois identificado por Henry Kissinger, no contacto que teve com Kenneth Kaunda, com base no qual tomou a decisão da realização simultânea e sincronizada da Operação Iafeature e da Operação Savana de que, por seu turno, foi testemunho John Stocwell em “A CIA contra Angola”!

Essa sincronização reportava-se também à sequência do Exercício ALCORA, o que explica por exemplo, a presença da unidade de artilharia sul-africana em reforço da FNLA no Ambriz.

Explica também a deriva dos portugueses às ordens do Coronel Santos e Castro, cujo curriculum militar teve incidência particular precisamente sobre a área coberta pela PIDE/DGS ao redor de Luanda (Caxito, Quibaxe e Catete): eram para alinhar com o“apartheid”, mas como a frente norte da agressão vinha direcção à sua região preferencial (onde eram formados os comandos coloniais), então integraram a parte IAFEATURE o dispositivo.

Henry Kissinger pôs muita coisa a claro num dos seus livros que relata a sua visita à Zâmbia, mas é evidente que não detalhou as implicações no futuro do conjunto de revoltas aparentemente internas que o MPLA foi sofrendo (“Revolta Activa”, “Revolta do Leste” e“Revolta Nitista”), muito menos das origens da fermentação dessas revoltas, com extraordinárias implicações conjugadas dos serviços de inteligência ao serviço de doutrinas inerentes à “civilização judaico-cristã ocidental”.

Há uma indexação propositada na ligação dos “nitistas” à então Embaixada da URSS em Luanda, com base em algumas escassas notícias da época, todavia entre os que sobreviveram, há todo um manancial de exemplos de aproveitamento de sua situação a partir de Portugal, ainda agora pelo Expresso, nada aparecendo por via da Rússia e isso só pode acontecer sob influência de trajectórias de vida, que de geração em geração foram-se influenciando, o que é ideal para as máscaras residuais dos que porventura tenham sido recrutados pela PIDE/DGS antes da independência de Angola na Iª RPM

Há algo que tem sido emocionalmente explorado, associado a outros fenómenos aparentemente internos do MPLA (caso do “nacionalista” Adolfo Maria), na sequência da situação historicamente traumática do 27 de Maio de 1977, agora com a oportunidade dum novo afloramento e aproveitamento, por que muitos factores de ingerência e manipulação contra Angola, subsistem em Portugal e são a partir daí utilizados nos processos de ingerência, a coberto do “soft power” do capitalismo neoliberal que usa a plataforma portuguesa em especial a partir de 1986, precisamente quando foram julgados os oficiais dos serviços de segurança angolanos que operaram o caso do 105/83… Bicesse viria a seguir…

Se Jorge Jardim ficou “queimado” com o “Programa de Lusaka”, eclipsando-se, António Monteiro iria ser muito útil na gestão do papel de Portugal em Bicesse, em 1991: era um dilecto colector de muita coisa que vinha detrás, desde pelo menos sua experiência em Kinshasa do tempo do “Exercício ALCORA”.

Imagens: António Monteiro; Jorge Jardim; “Securing the border” conforme ao Exercício ALCORA; Capa do livro de Kissinger, “Les années de renouveau”; Capa do livro sobre o“Exercício ALCORA”.

Anteriores de Martinho Júnior:

Algumas outras consultas:

Sem comentários: