terça-feira, 25 de abril de 2017

Portugal | A LIBERDADE COMO A VEMOS E O 25 DE ABRIL QUE AINDA NÃO CHEGOU

PARTILHAR

Comemora-se hoje o 25 de Abril, o dia da Liberdade. Já lá vão 43 anos desde que o regime salazarista foi derrubado. Volvidas mais de quatro décadas, muita coisa mudou. Portugal, até então “orgulhosamente só” e pouco ou nada desenvolvido, começou a ganhar terreno no que à modernização diz respeito. Foi, a par disso, consolidando a democracia.

E hoje o que se pensa do 25 de Abril? O Notícias ao Minuto foi tentar perceber, no dia em que celebramos a Liberdade, qual o sentimento dos portugueses em relação a este marco histórico. Se, por um lado, há quem prefira realçar o que de bom a Revolução nos trouxe - a liberdade de expressão -, por outro, permanece o sentimento de algo que não foi plenamente atingido, algo que tem sido "adiado" ao longo das décadas.

“Isto agora só se vê má educação por aí”, diz-nos Marco Semedo, de 51 anos, sentado num dos bancos dos Jardins do Império. Pelo sotaque, vemos que é alentejano, ele e o colega, Carlos Baião. São ambos do distrito de Portalegre e ambos motoristas. “Olhe para ali”, aponta Marco para um grande grupo de jovens. “Quem é que daquele grupo lhe diria bom dia, boa tarde ou obrigado? Ninguém”. Mas não só os jovens, ressalva. “Os doutores, os formados, são os piores”.

Na ótica de Marco, o que o 25 de Abril trouxe de bom, trouxe também em demasia. Liberdade em demasia tem levado a que nos tenhamos tornado mal educados, defende, e individualistas. O seu colega vai abanando com a cabeça, assentindo. Na mesma linha, atira: “O que o 25 de Abril trouxe foi liberdade total. Agora pode fazer-se tudo, embora haja depois consequências. Agora já não é o 'não pode fazer-se' mas sim 'o não deve fazer-se”.

Mais adiante, a regar o jardim, uma funcionária da Câmara. Pede para não ser fotografada e nós respeitamos. Está a trabalhar e não quer "arranjar sarilhos". Mas conversar pode. Para esta mulher, dos seus 50 anos, a democracia e a liberdade de expressão, ganharam com o 25 de Abril, mas agora, nestes últimos anos, "está tudo muito mau”. "As coisas têm piorado, em termos de trabalho", marca a sua posição, assinalando que de política nada percebe e pouco se interessa.

O nosso percurso leva-nos a Hugo Vieira, de 28 anos, condutor de Tuk Tuk. Espera tranquilamente por clientes à frente do Mosteiro dos Jerónimos. Escolhe a palavra bom senso para resumir aquilo que para si simboliza o 25 de Abril. Para os valores de Abril serem plenamente concretizados, opina, é preciso o bom senso de todos.

Já para Luís Vilas, de 59 anos, vivemos numa "pseudo democracia" e tudo por culpa da "ditadura dos bancos". "Repare que todos os portugueses têm alguma coisa a pagar ao banco, uma casa, um carro, etc. Para conseguirem pagar, trabalham, trabalham", explica-se, ao mesmo tempo que cose a pele de um cadeirão. "A mim pessoalmente o 25 de Abril não me trouxe benefício nenhum, mas não ignoro que, em geral, teve coisas positivas, e que valeu a pena. Mas também lhe digo, se não fosse o 25 de Abril era outra data qualquer, aquilo tinha de acontecer, já estávamos a ficar muito atrasados", completa.

Guilherme Figueiredo tem apenas 21 anos, mas daquilo que vai percebendo do 25 de Abril é que se ganhou o orgulho por termos derrubado a ditadura, mas que se perdeu todo o brio naquilo que fazemos, tendo a posição de Portugal, enquanto potência internacional, ficado quase reduzida a cinzas.

Notícias ao Minuto

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: