quinta-feira, 8 de março de 2018

PORTUGAL | Não é pontapé na bola

PARTILHAR

Paulo Baldaia* | Diário de Notícias | opinião

Quando se compram informações sobre processos em investigação (Operação e-Toupeira) ou se compram sentenças (Operação Lex) é a justiça que fica sequestrada e, com ela refém, é o Estado de direito que é posto em causa. Não estamos a discutir futebol, mesmo que nos dois casos as figuras centrais estejam ligadas ao futebol, e ao Benfica em particular. A discussão sobre estes dois processos exige a ausência total de paixão clubística.

Para discutir futebol e alegadas ilegalidades que podem ter posto em causa a verdade desportiva há o caso dos e-mails que está a ser investigado e já tem arguidos e o caso do Estoril-Porto que teve uma denúncia anónima e está ainda em fase de inquérito. Acontece que foi por causa dos e-mails que, alegadamente, dirigentes do Benfica foram a correr corromper a justiça. A discussão futebolística não é para este texto, o assunto é demasiado grave para se perder na irracionalidade das clubites de que eu próprio sou vítima consciente quando o assunto é apenas pontapé na bola.

Há um alegado padrão de comportamento nos arguidos das duas operações que revela muita coisa sobre aquelas pessoas que têm interesses comuns, mas revela muito mais sobre a fragilidade da nossa justiça. Inúmeras vezes revelei a minha indignação sobre a violação do segredo de justiça em processos mediáticos que visam apenas condenar pessoas na praça pública. Não posso, por isso, deixar de me indignar com o facto de, na Operação e-Toupeira, haver uma acusação de violação de segredo de justiça, entre outras mais graves como a de corrupção, e ao mesmo tempo haver violação de segredo de justiça nas notícias sobre o caso. É preciso, no entanto, perceber que o grau de gravidade da violação em causa é muito diferente quando o que está em segredo é matéria probatória já recolhida e que é noticiada indevidamente ou informações no decurso da investigação que permitem aos criminosos boicotar a investigação e dessa maneira procurarem furtar-se à justiça.

Nenhum adepto de futebol pode olhar para estes casos e debatê-los como quem debate um penálti que ficou por marcar. Corromper a justiça é o pior que podia acontecer-nos. Se aceitássemos a normalidade destes comportamentos, mesmo aos do nosso clube, já não estaríamos a viver em democracia.

*Paulo Baldaia é diretor do Diário de Notícias
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: