sexta-feira, 3 de agosto de 2018

AFRICOM procura reforçar ciberdefesa em África

PARTILHAR

Generais de vários países africanos estão reunidos na ilha cabo-verdiana do Sal para debater novas estratégias de segurança no continente. Cooperação e partilha de boas práticas e informações entre países é crucial.

Ao todo participam no encontro na ilha do Sal 150 pessoas, entre militares e especialistas em segurança cibernética. Provenientes de mais de 40 países africanos, europeus e dos Estados Unidos da América (EUA), estes responsáveis participam no 13º Simpósio "Africa Endeavor 2018", projetado para ajudar no desenvolvimento de práticas de comunicação multinacional para a manutenção da paz, resposta a catástrofes e missões contra o terrorismo. Uma iniciativa do Ministério da Defesa de Cabo Verde e do Comando dos EUA para África (AFRICOM).

Para alcançar o objetivo deste encontro, que passa por reforçar a ciberdefesa em África, os países africanos têm de cooperar mais entre si, explica o almirante português António Gameiro Marques, em entrevista à Rádio Cabo Verde. "Se todos colaborarmos através da partilha de boas práticas, da partilha de informações, da entreajuda, no sentido da propagação de fragilidades ou vulnerabilidades que um encontre e depois divulgue aos outros, o conjunto será mais forte. Quanto mais bem preparados estivermos mais protegidos estaremos", diz.

Até sexta-feira (02.09), os cerca de 60 generais vão discutir questões relacionadas com a segurança cibernética e ciberdefesa, operações contra organizações extremistas violentas, operações marítimas de combate ao tráfico ilícito e operações de manutenção da paz. Temas que, como explica José Tavares, coordenador adjunto do evento, estão "relacionados com as comunicações, desde comando de controlo, computadores e sistemas de informações - conhecido por "C4I - Command, Control, Communications, Computers and Intelligence".

Parceria de qualidade

O objetivo do evento é  aumentar as capacidades de comando, controlo e comunicação das nações africanas, encorajando táticas, treino e procedimentos interoperáveis, e criar documentos normativos que suportem o apoio nesta matéria às forças da União Africana e às Forças de Alerta Africanas envolvidas em missões de assistência humanitária, desastres e manutenções de paz.

Em maio deste ano, aquando da visita comandante-adjunto da AFRICOM à cidade da Praia, para apresentar esta edição do "Africa Endeavor", este responsável salientou a importância da realização do evento para todas as partes.

"Tudo o que fazemos em África é com e pelos nossos parceiros africanos. O nosso objetivo não é fazer coisas sozinhos, mas sim em parceria e Cabo Verde é uma das nações marítimas mais sofisticadas no mundo, por isso temos uma parceria de qualidade", referiu.  Na mesma ocasião, Laskaris afirmou que a AFRICOM não tem interesse em mudar-se para Cabo Verde, uma questão que havia sido falada, e que "provavelmente" iria manter a sua sede na Alemanha.

A sessão de encerramento do "África Endeavor", marcada para sexta-feira (02.08), vai contar com as presenças dos ministros da Defesa de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Simultaneamente, decorre na ilha do Sal, uma exposição em que diversas empresas tecnológicas mundiais apresentam equipamentos de ponta no capítulo das tecnologias de informação e comunicação.

Realidade cabo-verdiana

Cabo Verde aproveitou o encontro no Sal para partilhar a sua Estratégia Nacional de Segurança Cibernética. Segundo Paulo Costa, do Gabinete de Estudos e Estratégia da Agência Nacional das Comunicações (ANAC), a estratégia do país engloba várias ações, "desde orientar o cidadão comum - como se comportar perante ameaças cibernéticas -, até questões muito mais estratégicas de nível militar e de segurança interna".

"Hoje em dia, como se sabe, além dos domínios tradicionais como terra, ar e o mar o domínio do espaço cibernético é cada vez mais importante na estratégia militar", acrescenta Paulo Costa.

Nélio dos Santos | Deutsche Welle
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: