segunda-feira, 17 de junho de 2019

Brasil não substitui médicos cubanos e prejudica mais de 28 milhões de pessoas


'3.847 vagas para médicos no setor público em quase 3 mil municípios continuam não preenchidas', diz diz New York Times

Mais de 28 milhões de pessoas em todo o Brasil tiveram o acesso à saúde "abruptamente interrompidos" após a saída dos médicos cubanos que faziam parte do programa Mais Médicos, afirmou o jornal norte-americano New York Times.

Em reportagem publicada nesta terça-feira (11/06), o periódico afirma que o governo do presidente Jair Bolsonaro falhou em substituir os profissionais de Cuba que deixaram o país duas semanas após a vitória do ultradireitista nas eleições de outubro de 2018.


"3.847 vagas para médicos no setor público em quase 3 mil municípios continuam não preenchidas até abril", diz o jornal.

O New York Times ainda indica que a retirada dos cubanos pode ter "severas consequências para aqueles com menos de 5 anos, potencialmente levando à morte mais de 37 mil crianças até o ano de 2030".

Segundo o periódico, o anúncio feito pelo governo em fevereiro de que todos os postos deixados pelos cubanos haviam sido preenchidos parecia ter solucionado o problema. Entretanto, até abril, milhares dos novos profissionais tinham desistido ou simplesmente nem aparecido para ocupar a vaga.

Lembrando o início do Mais Médicos, o jornal norte-americano afirma que o programa chegou a atender 60 milhões de brasileiros e que, nos primeiros anos do projeto, o índice de cidadãos que rebem atendimento básico de saúde cresceu de 59%  para 70%.

"Em diversos estados, os postos de saúde e seus pacientes não têm médicos. É um passo para trás. Isso impede diagnósticos antecipados, o monitoramento da criança e da gravidez, e a continuidade de tratamentos que já haviam iniciado", diz ao New York Times a professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Ligia Bahia.

A especialista ainda destaca a importância das localidades escolhidas pelo Mais Médicos, cidades pequenas, comunidades indígenas e bairros pobres nos centros urbanos.

"A disposição dos médicos cubanos de trabalhar em condições difíceis se tornou fundamental no sistemas de saúde pública", afirma Bahia.

Opera Mundi, São Paulo (Brasil) 

Sem comentários: