Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 2 de junho de 2016

PORTUGAL, OLÉ!



Cristina Azevedo – Jornal de Notícias, opinião

Vem aí o Europeu de futebol e eu gosto. É que sempre teremos uns dias em que poderemos gritar o nosso amor, o nosso entusiasmo por este país, sem ter de dar explicações.

Não sei se a Seleção é suficientemente boa, se há motivos para pensar que temos condições de competir com os melhores, de chegar ao fim. Mas confesso que me sabe fantasticamente bem poder torcer pelo meu país de forma emotiva e até irracional. Confortada pelo coro dos meus concidadãos, alegremente e sempre com aquela ponta de esperança de avançar de jogo em jogo, um pouco por sorte e outro pouco (às vezes mesmo poucochinho) por trabalho e empenho.

E este ano vai ser um alívio. Ainda por cima porque a Seleção é chefiada por um homem normal, que desdramatiza, que é sereno, o verdadeiro anti-herói que mostra que afinal é possível unir em vez de dividir.

Bendito Europeu! Vai saber-nos bem. É que na vida real, todos nos esforçamos muitíssimo mas começamos a época balnear sem sossego, com a sensação de que temos uma boia ao pescoço que a qualquer momento pode furar.

E, nesta matéria, não ajuda este suspense a que a Europa nos sujeita, o susto reprimido que os britânicos nos impõem ou o pavor declarado da imparável ascensão de Trump.

Temos de nos concentrar e perceber que a margem de manobra é estreita e os passos em falso muito caros. Temos de fazer como nos ensina Fernando Santos. Dar tudo sem perder a noção de que a vida continua, respeitar os adversários sem lhes dar mais importância do que a que merecem, conviver com as manifestações (prós e contra) sem as deixar condicionar as decisões, conhecer o recursos e otimizá-los sem esquecer que são limitados e têm uma história.

Não é isto que encontramos na nossa vida pública e na análise que sobre a mesma produzimos. Tudo são sequestros ideológicos, suicídios políticos, condicionamentos partidários. Tudo carece de reforma, estrutural e fraturante. Tudo tem de começar do princípio, mesmo que o princípio já o tenha sido vezes sem conta.

Pode ser que a serenidade do nosso selecionador nos contagie e que para lá do resultado que conseguirmos nos ensine que o processo de conquista não é milagroso nem repentino mas antes incremental e realista, muito dependente das outras equipas e sujeito a erros de arbitragem mas, ainda assim, essencialmente assente no nosso trabalho miudinho, diário e, quase sempre, pouco espetacular. Só que é assim que, muitas vezes, também se fazem os campeões. Portugal, olé!

Sem comentários: