quinta-feira, 9 de Junho de 2011

Madrid: EL 15-M PROTESTA EN EL CONGRESSO POR LA ACTUACIÓN POLICIAL DE VALENCIA


Asamblea en Sol, minutos antes de la marcha hacia el Congreso. / Alberto Martín (EFE)
EL PAÍS

Los acampados de Sol se solidarizan con los indignados valencianos y convocan una concentración de repulsa tras la asamblea

Los indignados del 15-M que esta noche estaban reunidos en asamblea en la Puerta del Sol han decidido volver a las inmediaciones del Congreso a protestar por los incidentes de esta mañana en Valencia, donde ya en la noche del miércoles y la madrugada del jueves permanecieron concentrados frente a frente con la policía. Los accesos a la carrera de San Jerónimo de Madrid, sede del Parlamento, están fuertemente custodiados por la policía, que ya desde primera hora de la tarde montó un férreo cordón, incluso con vallas metálicas, para impedir el paso hasta las puertas de la institución.

Los manifestantes ya han cortado parcialmente la calle y han llegado hasta el cordón policial establecido en el cruce de la calle de Cedaceros y la Carrera de San Jerónimo, donde se encuentran decenas de agentes de las Unidades de Intervención Policial (UIP, antidisturbios).

Ya desde los primeros momentos de la asamblea en Sol, eran muchos los partidarios de volver al Congreso para protestar por los incidentes de Valencia, como ayer hicieron por la reforma de los convenios colectivos. "No queremos hostias, queremos soluciones", gritan, mientras se sientan pacíficamente ante los agentes.

Un amplio dispositivo policial, compuesto a media tarde por 19 furgones policiales, se había desplegado por la tarde en los alrededores del Congreso de los Diputados en previsión de que el Movimiento 15 de mayo convocase una nueva protesta ante la sede de esta institución, similar a la que tuvo lugar ayer, que se prolongó hasta la madrugada. Aunque en principio parecía que no iba a haber una nueva sentada ante las Cortes, la web del movimiento ha colgado un comunicado en el que llama a concentrarse en el lugar después de la asamblea que tendrá lugar esta noche -y que no tiene duración fija-.

Ayer lo hicieron contra la reforma laboral. Hoy, por el desalojo de esta mañana en el que 18 personas han resultado heridas ante las Cortes Valencianas y cinco han sido detenidas. "Invitamos a salir hacia el Congreso al finalizar la Asamblea General de forma pacífica y sentándonos, en apoyo a las demás ciudades que ya están concentradas, en apoyo a Valencia y Santiago. Estamos preparando acciones para ir al Consejo General de Poder Judicial para pedir el sobreseimiento de la causa abierta de los detenidos del Movimiento 15-M de Madrid, Barcelona y Valencia. Llevamos ya más de 30 detenidos", reza la nota de madrid.tomalaplaza.net.

A lo largo de la jornada ha ido incrementándose el número de vehículos de la Policía Nacional que se han repartido por todas las calles que rodean la sede parlamentaria: Carrera de San Jerónimo, plaza de las Cortes y las calles de Cedaceros y Zorrilla. La mayor concentración se ha colocado tanto ante la Puerta de los Leones, 10 vehículos, como en la esquina de la Carrera de San Jerónimo con la calle de Cedaceros, otros siete, donde se desarrolló la concentración de ayer. Los otros dos se sitúan en la calle Zorrilla, la parte trasera del Palacio.

El ir y venir de agentes de la Unidad de Intervención Policial en los alrededores de la Cámara Baja ha sido constante durante todo el día y su presencia también se ha notado en los bares de la zona, donde han ido a comer por turnos. La sentada de indignados, una de las primeras actividades del movimiento tras anunciar que el domingo levantarán el campamento de la Puerta del Sol, se desarrolló sin incidentes. Los manifestantes se concentraron ante los agentes que les impedían seguir descendiendo por la Carrera de San Jerónimo coreando sus consignas, pero ni ellos ni la Policía hicieron uso de la fuerza.

La protesta arrancó cerca de las siete y media de la tarde el miércoles, cuando ya habían concluido las sesiones de las dos comisiones que se reunieron por la tarde en las dependencias parlamentarias. El Código Penal fija penas de prisión de seis meses a un año o multa de 12 a 24 meses para aquellos que promuevan, dirijan o presidan "manifestaciones u otra clase de reuniones" ante la sede del Congreso, el Senado o las Asambleas autonómicas, que "alteren el normal funcionamiento" de la institución, siempre que esta esté reunida.

El mismo código establece que el que injurie gravemente a las Cortes Generales, hallándose en sesión, o a alguna de sus comisiones en los actos públicos en que las representen, será castigado con la pena de multa de 12 a 18 meses. Además, prevé penas de prisión de tres a cinco años para los que invadan con "fuerza, violencia o intimidación" la sede del Congreso, si está reunido, los que intenten hacerlo portando armas u otros instrumentos peligrosos o quienes empleen "fuerza, violencia intimidación o amenaza grave" para impedir a un miembro del Congreso asistir a sus reuniones. Al margen de estos delitos, la legislación prevé sanciones por infracciones administrativas para quien promueva concentraciones sin la pertinente autorización gubernativa, que en este caso compete a la Delegación del Gobierno en la Comunidad de Madrid.

Relacionados:

Brasil-Peru: HUMALA REÚNE-SE COM DILMA E DIZ QUE TERÁ BRASIL COMO EXEMPLO




ANDRÉ BARROCAL – CARTA MAIOR

Na primeira viagem internacional depois da vitória, presidente eleito do Peru, Ollanta Humala, reúne-se com Dilma Rousseff e diz que adotará exemplo brasileiro de "crescimento, estabilidade e inclusão social" e de "manejo prudente da macroeconomia". Segundo Marco Aurélio Garcia, há grande "sintonia" entre Brasil e Humalla, e o governo vai ajudar nos programas sociais peruanos.

BRASÍLIA – O presidente eleito do Peru, Ollanta Humala, disse nesta quinta-feira (09/06), depois de reunir-se com a presidenta Dilma Rousseff, que seu governo terá o Brasil como inspiração e adotará um “manejo prudente da macroeconomia”. “O Brasil é um exemplo de crescimento, estabilidade e inclusão social. Coincide com nossa proposta”, afirmou Humala, em entrevista a jornalistas brasileiros e peruanos, no Palácio do Planalto.

O Brasil é o primeiro país que Humala visista depois da vitória na eleição no último domingo. Ele justificou a escolha dizendo que o Brasil é um “sócio estratégico para o Peru” e “um país muito importante no contexto mundial”.

Na reunião,que durou mais de uma hora, Dilma e Humala conversaram sobre programas sociais, integração sul-americana, narcotráfico e vigilância de fronteiras (o Peru é um dos países com os quais o Brasil tem a maior fronteira, mais de 2 mil quilômetros).

“O Humala quer dar um peso maior aos programas sociais, e o Brasil pode ajudar muito nisso”, disse o assessor especial da Presidência para assuntos externos, Marco Aurélio Garcia, também em entrevista após a reunião, da qual ele participou. De acordo com ele, o Brasil está pronto para oferecer “cooperação técnica” ao Peru na montagem e gestão de programas sociais.

Ainda segundo Marco Aurélio, existe grande "sintonia" entre o governo e Humala, que contou com colaboração brasileira já durante a campanha. Mas ressalvou que o apoio e a inspiração para o Peru não são sinais de que o Brasil quer ter “influência” na América do Sul. “O Brasil tem preocupação com o projeto de integração. Nossa presença no mundo não pode ser separada da América do Sul.”

Uma das próximas viagens de Humala antes da posse, dia 28 de julho, será aos Estados Unidos. O peruano disse que quer “fortalecer” a relação com os EUA, por causa do combate às drogas. Mas, segundo ele, essa relação será com “respeito à soberania peruana”.

O porta-voz de Dilma, Rodrigo Baena, informou que a presidenta deve ir à posse de Humala e o convidou a fazer uma visita oficial, já como presidente de fato, ainda este ano.


Fotos: Antonio Cruz/ABr


Brasil: 'Nenhuma negociação existe com os bombeiros presos', diz sargento no RJ



G1 RJ

Reajuste de 5% não agradou a classe, que segue pedindo libertação de 439. Grupo continua acampado nas escadarias da Assembleia Legislativa do Rio.

Nem a chuva que cai no Rio, no final da tarde desta quinta-feira (9), é capaz de desanimar os bombeiros. Muitos membros da corporação continuam acampados nas escadarias da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Eles pedem que os 439 bombeiros presos sejam imediatamente liberados. O grupo também reivindica aumento salarial e melhorias nas condições de trabalho.

Entre eles está o sargento Narciso, que afirmou que o aumento concedido pelo governador Cabral não foi suficiente à categoria, já que os bombeiros continuam presos e sem previsão de soltura.

“Não existe reajuste nenhum. Nenhuma negociação existe com os bombeiros presos. A negociação só acontece com a liberação e anistia dos presos. O aumento salarial agora é segundo plano, o primeiro é a liberdade dos presos”, disse Narciso.


O sargento acredita que a liberação dos presos está perto de acontecer. Ele acrescentou que a comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, a Defensoria Pública, e alguns deputados estão analisando entrar com um novo pedido de relaxamento de prisão.

“Acreditamos que a nossa luta está ganhando um voto de confiança da população e da corporação. Mas volto a dizer que a mediação só acontece com a anistia dos presos”, ressaltou Narciso.
O cabo bombeiro Laércio Soares, do 2° G-Mar (Barra), um dos porta-vozes dos bombeiros que fazem manifestação em frente à Alerj, também diz desconhecer negociação enquanto seus colegas de farda continuarem presos. "Desconhecemos a negociação. O foco do movimento é a libertação e a anistia de toda e qualquer ação que advenha dos manifestos. Enquanto o governador não soltar os presos, aqui permaneceremos", disse Laércio.

O reajuste do governo também não agradou o soldado Cristiano Araújo, guarda-vidas em Paraty, no Sul Fluminense.

“Esse acréscimo no líquido é R$ 50. Qual é a grande diferença em receber R$ 950 ou R$ 1.000? Esse dinheiro não paga nem um psicólogo para o meu filho, que ficou traumatizado em ver meus colegas sendo presos pelo Bope. Ele achava que o Bope só prendia ladrão”, desabafou o bombeiro.

Os professores da rede estadual também entraram em greve. Eles e estudantes se juntaram aos bombeiros, nesta quinta-feira, e tentam impedir o fechamento de algumas escolas estaduais de ensino noturno.

Governo anuncia reajuste e nova secretaria

O Governo do Estado anunciou nesta quinta (9) a criação da Secretaria de Estado de Defesa Civil, e enviou à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) uma mensagem antecipando de dezembro para julho os seis meses de reajustes salariais para bombeiros, policiais militares, policiais civis e agentes penitenciários.

Segundo nota divulgada, a secretaria ficará sob o comando do Coronel Sérgio Simões, comandante do Corpo de Bombeiros. Anteriormente, a pasta de Defesa Civil era vinculada à Secretaria estadual de Saúde, que tinha o nome de Secretaria estadual de Saúde e Defesa Civil, tendo à frente o secretário Sérgio Côrtes.

A nota informa que o reajuste para as categorias será de 5,58%, um impacto de R$ 323 milhões no caixa do estado. Somados aos reajustes de janeiro a junho deste ano, as categorias passam a acumular 11,5% de aumento salarial em 2011.

De acordo com o governo, a medida atende a todos os 16.202 bombeiros da ativa, 5.018 aposentados e 1.592 pensionistas. A 39.775 ativos da Polícia Militar, 20.445 aposentados e 13.175 pensionistas. E a 9.254 ativos da Polícia Civil, 5.232 aposentados e 9.688 pensionistas. Além de 4.329 agentes penitenciários da ativa, 1.328 aposentados.

Negado relaxamento de prisão

Para a juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros, da Auditoria da Justiça Militar do Rio, que negou o relaxamento da prisão de 431 bombeiros, não houve nulidade no auto de prisão em flagrante. Ela considerou que o pedido de relaxamento de prisão valeria para apenas 431 militares presos listados no auto em flagrante, e não para os 439 detidos, conforme pedira na terça-feira (7) a Defensoria Pública estadual. O Ministério Público do Rio (MP-RJ) deu parecer favorável, na noite de quarta-feira, à manutenção da prisão dos bombeiros presos.

Relacionado:

Protesto a favor de bombeiros ganha força, justiça recusa libertar os que estão detidos




GL - LUSA

São Paulo, 09 jun (Lusa) -- Os protestos a favor da libertação dos 439 bombeiros presos no Rio de Janeiro, no Brasil, por terem ocupado o comando-geral estão a ganhar força, com o aumento do número de manifestantes.

Segundo o jornal O Globo, está a aumentar o número de manifestantes acampados em frente à Assembleia Legislativa do Rio, no quinto dia de protesto contra a prisão dos bombeiros.

Na quarta-feira, a Polícia Militar também aderiu ao movimento para exigir, não apenas a libertação dos bombeiros, mas também melhores salários.

Os bombeiros foram detidos na manhã do último sábado, após terem ocupado o quartel do Comando-Geral dos Bombeiros, no centro do Rio de Janeiro, na noite anterior. A ocupação tinha como objetivo reivindicar um aumento salarial e melhores condições de trabalho.

A Justiça do Rio de Janeiro recusou na noite de quarta-feira a libertação dos detidos. Pelo código penal militar brasileiro, os líderes da invasão podem ser condenados até 12 anos de prisão.

Para a juíza que proferiu a decisão, a custódia dos militares é "imprescindível à garantia da ordem pública, por conveniência da instrução criminal e para a manutenção dos princípios da hierarquia e da disciplina militares, que se encontram flagrantemente ameaçados".

A magistrada disse ainda que "os bombeiros extrapolaram, e muito, o exercício do seu direito de lutar por melhores condições" ao "invadir o Comando Central, desrespeitar os seus superiores e danificar o património público".

No próximo domingo, está agendada uma passeata de apoio aos bombeiros na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, a partir das 09:00 locais (13:00 em Lisboa).

*Foto em Lusa

Espanha: MILHARES DE MANIFESTANTES EXIGEM LIBERTAÇÃO DE DETIDOS EM VALÊNCIA




ASP - LUSA

Valência, Espanha, 09 jun (Lusa) - Milhares de pessoas estão concentradas em frente à esquadra de Zapadores, em Valência, onde se encontram detidos cinco elementos do 'movimento 15 de Maio, detidos hoje em incidentes com a polícia em frente às Cortes Valencianas.

O protesto começou em frente à Delegação do Governo, transformando-se depois numa marcha até à esquadra da polícia, onde se juntou um segundo grupo de manifestantes, que tinham hoje um protesto em defesa do valenciano.

Duas linhas policiais impedem a chegada dos manifestantes à entrada do edifício, onde exigem a libertação imediata dos cinco detidos hoje, nos incidentes que provocaram 18 feridos, entre os quais oito agentes policiais.

Com gritos contra a polícia e as autoridades locais, incluindo "para tantas mãos não tens algemas suficientes", os manifestantes gritam palavras de ordem contra o que ocorreu hoje à tarde.

Os incidentes foram já condenados pelas autoridades locais, incluindo o presidente do governo regional, Francisco Camps, que acusou os manifestantes de procurarem agir "contra representantes institucionais" que estavam na cerimónia de constituição do parlamento regional.

A Delegação do Governo em Valência afirmou que "elementos radicais e anti-sistema" foram os principais instigadores dos incidentes registados hoje em frente ao parlamento regional.

Refere, em comunicado, que "em nenhum momento" houve qualquer carga policial, mas apenas "uma resposta pontual dos agentes para responder à agressão prévia por parte de um grupo de antissistema que atiraram objetos contundentes à polícia".

Várias manifestações estão planeadas e a decorrer neste momento em várias cidades espanholas, incluindo Barcelona e Madrid.

Na capital da Catalunha, dezenas de pessoas cortaram durante uma hora a Avenida Diagonal, uma das principais da cidade, dirigindo-se agora para a sede do PP.

Em Madrid antecipa-se nova manifestação em frente ao Congresso de Deputados, em Madrid, depois da assembleia-geral que decorre neste momento no acampamento da Puerta del Sol.

Portugal: QUEM ORDENOU A CARGA POLICIAL NO ROSSIO




DIÁRIO LIBERDADE

Vermelhos - Em conferência de imprensa, frente ao Tribunal de Pequena Instância Criminal de Lisboa, o movimento "Democracia Verdadeira Já" denunciou a carga policial do dia 4 de Junho, no Rossio, onde estava organizada uma assembleia popular.

Os activistas exigem saber de quem partiu a ordem para a intervenção policial, da qual resultaram três detenções e apreensão de material diverso. O julgamento dos activistas foi adiado para o próximo dia 16.

Entretanto foi também divulgada a convocação de mais uma manifestação na Avenida da Liberdade, a 19 de Junho.

Foto: CMIP


Brasil: PATRIOTA DEFENDE FIM DE DIFERENÇAS SOCIAIS PARA CONTROLAR AIDS NO MUNDO




Renata Giraldi - Agência Brasil - Jornal do Brasil

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, defendeu que os líderes internacionais busquem controlar as diferenças sociais na tentativa de conter a epidemia de aids no mundo. Ao discursar na reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas na noite de ontem, durante os debates sobre tratamento para o combate à aids, o chanceler lembrou que o Brasil adotou um programa que visa à cooperação internacional.

Segundo o ministro, o programa brasileiro inclui a prevenção da doença e o tratamento das pessoas com o vírus HIV, além de políticas de combate às diferenças sociais. “A pobreza extrema, a desigualdade social, a falta de oportunidades econômicas, os sistemas de saúde fracos, a estigmatização, a discriminação e outras violações de direitos humanos são determinantes da epidemia, e essas questões devem ser tratadas de forma abrangente.”

Em outubro, o assunto será tema da 1ª Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde, no Rio de Janeiro. Patriota lembrou que, no Brasil, o acesso a meios prevenção e ao tratamento da aids – de forma gratuita – é um direito de todos e uma responsabilidade do Estado.

O chanceler afirmou ainda que o resultado das políticas públicas adotadas no país permitiu o “controle e a propagação da epidemia”. “A incidência de casos em crianças menores de cinco anos de idade diminuiu de 41,7% na última década”, disse.

“Os resultados falam por si mesmos, eles indicam que o acesso universal aos serviços de saúde, incluindo prevenção e tratamento, é fundamental para a reversão da epidemia especialmente em países em desenvolvimento”, afirmou o ministro.

Patriota destacou também as parcerias feitas pelo Brasil com vários países para a prevenção e o combate da aids. Segundo ele, há acordos com o governo de Moçambique para a construção de uma fábrica farmacêutica para a produção de medicamentos genéricos antirretrovirais. Há, ainda, colaboração com os governos de Botsuana, Gana, da Nigéria e da Zâmbia, além da Índia e África do Sul .

O chanceler afirmou que também há programas comuns do Brasil com os governos da Bolívia, de Cabo Verde, de Guiné Bissau, da Nicarágua, do Paraguai, de São Tomé e Príncipe e do Timor Leste para pôr em prática projetos que assegurem o acesso universal à prevenção do vírus HIV, além dos tratamento, cuidados e apoio aos doentes. “No Haiti, estamos trabalhando com países como Cuba para o fortalecimento do sistema de saúde”, disse.


Peru: OS DILEMAS DE OLLANTA




ATILIO BORON – REBELION – DIÁRIO LIBERDADE

Com o novo governo, o Peru pode deixar de lado sua postura de incondicional peão do império, representando um sopro de ar fresco para os governos de esquerda e progressistas da América Latina.

No momento em que escrevia estas linhas as “contagens rápidas” de todas as pesquisas davam como ganhador, por uma estreita margem, Ollanta Humala. Se confirmadas estas antecipações, o clima de renovação política e social instalado na América Latina desde finais do século passado se verá consideravelmente fortalecido. Um Peru que presumidamente abandonaria, com o novo governo, sua postura de incondicional peão do império – lamentável situação a que chegou não nas mãos do conservador Alejandro Toledo, mas do ex-líder aprista Alan García – seria um sopro de ar fresco para os governos de esquerda e progressistas de Nossa América.

Não é um mistério para ninguém que Washington tenha empregado todo seu arsenal financeiro, político e propagandístico para impedir o triunfo de Humala. O nervosismo evidenciado na semana passada pela “comunidade de negócios” do Peru, que bem como seus homólogos de outras partes do mundo tem acesso à informação que os demais não têm, refletia a preocupação que causava em suas fileiras a eventual derrota do fujimorismo: em função disto, a bolsa de Lima registrou uma baixa de 6%. O establishment peruano, personificado desde o século XIX por seu intelectual orgânico, o diário El Comercio, assumiu com tal descaramento seu papel de organizador do anti-humalismo que o mesmíssimo Mario Vargas Llosa renunciou a seguir escrevendo em suas páginas. A CNN não ficava atrás: na última sexta-feira sua principal apresentadora, Patrícia Janiot, submeteu o candidato da coligação Gana Peru a um interrogatório que por sua forma e seu conteúdo a desqualificam, pela enésima vez, como jornalista e a confirmar, por outro lado, como operadora política a serviço da Casa Branca. O governo de Alan García, obviamente, não ficou para trás nesta cruzada direitista. Mas seu desprestígio é tão grande que seu partido, o APRA, nem sequer pôde apresentar um candidato nestas eleições presidenciais.

Não deixa de ser significativo que, apesar do “êxito” evidenciado por seus indicadores macroeconômicos, o Peru não tenha conseguido reduzir a pobreza e a desigualdade econômica e social. Uma vez mais se comprova que na ausência de uma forte vocação reformista a lógica da acumulação capitalista concentra a riqueza e polariza a sociedade. O “efeito derrame” é uma superstição astutamente fabricada pelos propagandistas do império. E, tal qual outros casos na região, seria conveniente perguntar-se o que é que se quer dizer quando se fala em “êxito”. Se por tal coisa se entende o aumento do lucro dos capitalistas, o neoliberalismo certamente teve êxito; mas se “êxito” quer dizer, como deveria, maior bem-estar e melhor qualidade de vida para as grandes maiorias nacionais, autodeterminação nacional, soberania econômica, ou o “bem viver” de nossos povos originários, o experimento neoliberal foi um completo fracasso. E, não bastasse, corroeu gravemente a legitimidade dos regimes democráticos, tanto na América Latina como na Europa. Quando os “indignados” da Espanha exigem uma democracia verdadeira, estão reagindo diante da degradação política causada pelas políticas de ajuste e estabilização do FMI e do Banco Mundial.

Retomando o fio da meada de nossa argumentação, ao tentar espiar o que poderia reservar o futuro para o Peru, seria conveniente descartar hipóteses maximalistas: este país firmou um Tratado de Livre Comércio com os Estados Unidos – posto em marcha em 1º de fevereiro de 2009 – e as condições que o império introduziu neste acordo não deveria ser subestimadas. Por outro lado, a coalizão eleitoral forjada por Humala será outro elemento restritivo caso se desperte no novo presidente a vocação “bolivariana” que muitos lhe atribuem, mas que se cuidou para não agitar durante o curso de sua campanha. E seus inimigos: a oligarquia e as transnacionais, ambas sustentadas por Washington, são demasiado poderosos para serem desafiados sem se preparar cuidadosamente a batalha. Mas é um homem que denunciou como poucos as injustiças que desde tempos imemoriáveis se perpetram no Peru, e há razões para supor que será fiel a tão nobres sentimentos. Além, as lições que deixaram as recentes eleições – Chile em 2010; Espanha há duas semanas e Portugal ontem – são uma sóbria lembrança de que diante da gravidade da crise capitalista e da acentuação da congênita incapacidade deste sistema para repartir sequer com um mínimo de igualdade os frutos do crescimento econômico (mais que evidente no “milagre peruano”), a adoção de uma política resignada e “possibilista” que continue pelo caminho não precisamente iluminado por seus antecessores é o seguro trajeto para uma ressoante derrota em alguns poucos anos.

Há um velho dictum da teoria política que diz que os povos preferem o original à cópia: isso foi sofrido em carne e osso pela própria Concertação no Chile, o PSOE na Espanha, e o (mal chamado) Partido Socialista em Portugal. Mas, além destas notas chamando à cautela, é de se celebrar que em um momento no qual na América Latina o imperialismo e a reação estão passando à contraofensiva com inusitada agressividade, cercando a região com bases militares, o triunfo de Ollanta Humala modifica sensivelmente o tabuleiro geopolítico regional num sentido contrário aos interesses imperiais. Sua vitória bem poderia ser o marco que anuncia a reversão desta nefasta tendência. Por enquanto, a liga reacionária do Pacífico, pacientemente construída por Washington para neutralizar a Unasul e a Alba, e que teria como suportes o México, a Colômbia, o Peru e o Chile, perdeu uma de suas duas peças vitais para o controle da Amazônia, nada menos. Não é pouca coisa, brindemos com um bom pisco!

Tradução de Cainã Vidor. Publicado em Rebelíon.

Timor-Leste: EMPOSSADA NOVA COMISSÁRIA DA FUNÇÃO PÚBLICA




MSO - LUSA

Díli, 09 jun (Lusa) -- Isabel Pereira tomou hoje posse como comissária da Função Pública de Timor-Leste, entidade responsável pelos recursos humanos do Estado, em cerimónia que decorreu no Palácio do Governo.

A nova comissária notabilizou-se na área da defesa dos direitos humanos em Timor-Leste, tendo integrado o segundo governo constitucional e desempenhado funções na reforma do setor da defesa e segurança.

Isabel Pereira substitui no cargo Olandina Caeiro, chamada a desempenhar funções diplomáticas no exterior, tendo igualmente sido empossados os chefes de departamento da Inspeção Geral do Estado.

Durante a cerimónia de posse, o presidente da Comissão da Função Pública, Libório Pereira, afirmou ser "uma honra para a Comissão poder passar a poder contar com a experiência e conhecimento da comissária Isabel Pereira", lembrando que "a tarefa da comissão é enorme para gerir os recursos humanos de todas as entidades do Estado".

Segundo os dados que referiu, atualmente estão ao serviço de entidades públicas cerca de 27.500 trabalhadores, dos quais 13.800 são funcionários permanentes e 13.700 agentes contratados.

"Esta força de trabalho corresponde a cerca de 2,5 por cento da população, o que coloca Timor-Leste abaixo da média regional de funcionários públicos por habitante e demonstra o compromisso do Estado com equilíbrio das despesas públicas", disse.

Libório Pereira divulgou que, apesar de ter apenas dois anos de funcionamento, até ao momento o secretariado da Comissão da Função Pública já analisou mais de 11 mil candidaturas em processos de recrutamento, tendo sido admitidos cerca de 630 novos funcionários.

Mais de 500 pessoas foram selecionadas para cargos de direção e chefia, com base no mérito e a Comissão liderou o processo das avaliações de desempenho de 27 mil funcionários e agentes da administração.

Coube-lhe ainda a responsabilidade do registo e processo de conversão dos trabalhadores temporários que reúnem condições para serem funcionários permanentes, que deverá ficar finalizado em julho.

DIA DE PORTUGAL EM TIMOR LESTE É NA ESCOLA E COM SARDINHA À BEIRA MAR




MSO – LUSA

Díli, 09 jun (Lusa) -- As centenas de portugueses que se encontram em Timor-Leste vão repartir o seu 10 de Junho entre a receção mais formal na Escola Portuguesa, a convite do embaixador, e o arraial popular no "Carlos".

À semelhança de anos anteriores, a Escola Portuguesa de Díli abre as portas à comunidade, ao final da tarde, para assinalar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas numa receção a convite do embaixador português para assinalar a efeméride.

Palavras de circunstância, apertos de mão ou beijos a amigos que se encontram nestas ocasiões, conversas sobre as últimas "de cá e de lá", vão certamente preencher o tempo de quem vai à Escola, em Balide.

Depois do sol se pôr, a romaria é para o "Carlos", já fora de Díli, junto à praia, na direção da Areia Branca.

De um lado o mar, do outro a montanha, e no meio um pedaço bem português, o "Ponto de Encontro".

Quase ninguém conhece o espaço por esse nome, que é a designação oficial do estabelecimento, mas não há que enganar: perguntem pelo "Carlos" que vão lá direitinhos e se dúvidas houverem, quando na estrada para o Cristo Rei começar a cheirar a sardinha assada, a febras, a broa de milho ainda quente, é parar porque se está no sítio certo.

Carlos Roma, um algarvio que foi há 11 anos para Timor-Leste para ficar apenas seis meses e está para ficar, é o dono do estabelecimento e anualmente, pelo 10 de Junho, ajuda os compatriotas a matar saudades do Portugal, promovendo a festa popular.

"A sardinha foi importada de Portugal, através da Austrália. O vinho mandei eu vir do nosso país e nem a broa de milho vai faltar porque descobri um timorense que ainda a sabe fazer muito bem", diz à Lusa o dono do restaurante

E até vasos de manjericos viajaram de Portugal para o outro lado do mundo para que os poetas de ocasião possam pendurar as suas quadras.

AIP LEVA MISSÃO EMPRESARIAL A TIMOR LESTE




SAPO TL

A Associação Industrial Portuguesa (AIP), no âmbito do seu projecto de internacionalização, irá organizar entre os dias 8 a 15 DE JULHO, um colóquio denominado “Missão Empresarial a Timor-Leste”.

Com o apoio da Embaixada de Timor-Leste em Lisboa e do Ministério do Turismo, Comércio e Indústria de Timor-Leste, o evento visa proporcionar às empresas participantes a recolha de informação transversal, incluindo uma série de reuniões e workshops, visitas de prospecção e contactos bilaterais em função do perfil de cada participante.

Timor-Leste espera que Portugal se afirme como um parceiro na construção do seu tecido empresarial, pelo que o espaço para as empresas nacionais, apesar da proximidade de economias dominantes como a Austrália e a Indonésia, persiste disponível e não plenamente aproveitado.

Timor constitui ainda uma plataforma privilegiada para os países da ASEAN, um dos mais dinâmicos blocos económicos emergentes.

Para mais informações sobre este evento, clique aqui.

S. Tomé e Príncipe: Malária provoca 10 mortos no primeiro trimestre entre 1.100 novos casos




MYB - LUSA

São Tomé, 09 jun (Lusa) -- O índice de infeção por malária está a crescer em São Tomé Príncipe, onde nos primeiros três meses deste ano se registaram 10 mortos entre mais de 1.100 contaminações, disse hoje à Lusa fonte dos serviços de saúde.

As autoridades sanitárias do país reconhecem que os esforços para se erradicar a doença, ou pelo menos manter estáveis os indicadores da infeção, que apontavam para 0,4 por cento, não estão a ser suficientes.

"Nós estamos muito preocupados com esta situação. Algumas pessoas pensam que o paludismo já acabou, mas somente neste ano já morreram dez pessoas e o número poderá aumentar", explicou Maria de Jesus, coordenadora do Programa Nacional de Luta contra o Paludismo (PNLP).

Segundo a mesma fonte, as localidades de Oque-del-Rei, S. Marçal e Pantufo, no distrito de Água Grande, e Praia Melão e Bombom, no distrito de Mé Zochi, são as mais afetadas pela doença.

Hoje, as autoridades sanitárias iniciaram um programa de "pulverização intradomiciliar de emergência", depois de formar técnicos no combate à doença e de se reforçar as campanhas de sensibilização no terreno com o envolvimento do próprio primeiro-ministro, Patrice Trovoada.

"Só através de ações concertadas e colaboração de todos, cada um à sua medida, será possível atingir a meta que é a erradicação do paludismo no país", apelou Patrice Trovoada, que na quarta-feira se deslocou à localidade de Pantufo numa ação de sensibilização.

A coordenadora do PNLP atribui o aumento do número de casos à recusa das pessoas em aceitar a pulverização, tal como aconteceu em mais esta campanha, nomeadamente nas localidades mais afetadas pela doença.

"Já estivemos mais próximos da eliminação. Agora houve um ressurgimento da doença", lamentou Maria de Jesus.

A coordenadora fez ainda um apelo à população para que aproveite as ajudas técnicas e financeiras dos parceiros internacionais como a Missão Técnica Taiwanesa, Fundo Global da ONU, Organização Mundial de Saúde (OMS) e Cruz Vermelha, que colaboram com as autoridades são-tomenses no combate à doença.

"Somos um país pobre, vivemos de ajudas e se eles deixarem de nos apoiar qual será a nossa situação? Vai ser catastrófico. O número de óbitos vai aumentar e a economia também será afetada. As pessoas devem ter a consciência de que quanto mais depressa nós nos envolvermos nesta luta mais depressa ela chega ao fim", disse Maria de Jesus.

*Foto em Lusa

Corpo de militar português falecido em Moçambique em 1965 trasladado para a terra natal




RB - LUSA

Viseu, 09 jun (Lusa) -- A Liga dos Combatentes concluiu mais uma operação de trasladação do corpo de um antigo combatente português em Moçambique, que morreu em 1965, com o funeral marcado para domingo na terra natal do militar Manuel Cabral Ribeiro.

O antigo soldado português, falecido em Macimboa da Praia, Moçambique, vai, informou hoje a Liga dos Combatentes, a enterrar na sua terra natal, Pindo, Penalva do Castelo, no distrito de Viseu, depois de culminada a operação de trasladação do corpo.

O regresso do corpo deste antigo combatente português à sua terra natal precede, ainda segundo a Liga dos Combatentes, a realização de uma nova operação em Moçambique, inserida no programa "Conservação das Memórias", de 15 a 30 deste mês.

"O objetivo (desta nova operação) é efetuar o reconhecimento, no centro e sul do país, dos lugares onde se encontram inumados militares portugueses e de recrutamento local, tendo em vista a futura exumação e concentração em cemitérios condignos ou ossários a construir localmente", adianta uma nota enviada à Agência Lusa pela Liga dos Combatentes.

Manuel Cabral Ribeiro, antigo militar falecido a 31 de dezembro de 1965, vai ter os seus restos mortais depositados no cemitério da sua terra natal, Pindo, no concelho de Penalva do Castelo, depois de a Liga dos Combatentes ter localizado a sua primeira sepultura em Macimboa da Praia, Moçambique, numa operação levada a cabo em setembro de 2010.

Após a intervenção da liga, a família do soldado Cabral Ribeiro procedeu junto desta e do Consulado-Geral de Portugal em Moçambique às formalidades processuais necessárias para concretizar a transladação.

As cerimónias fúnebres vão ter início no Regimento de Infantaria (RI 14), em Viseu, unidade que terá a seu cargo as honras militares no cemitério de Pindo.

* Foto em Lusa

África do Sul: Pretória reforça e coordena recursos contra abate ilegal de rinocerontes




LUSA

O governo sul-africano entregou à Estrutura Nacional de Operações Conjuntas e Informação (Natjoints) a coordenação do combate contra a caça furtiva de rinocerontes, bem como o reforço dos recursos a utilizar no futuro.

Polícia e forças armadas actuam lado a lado com os “rangers” no Parque Nacional Kruger, na fronteira com Moçambique, desde 30 de Maio, numa operação coordenada pela Natjoints e que já alcançou alguns sucessos na localização, detenção e mesmo na morte de alguns caçadores furtivos, disse porta-voz daquele organismo em comunicado hoje emitido.

“Os caçadores furtivos de rinocerontes, que estão bem equipados com armas de grande calibre, encontrarão a devida resistência nesta nova parceria entre a polícia, as forças armadas e os guardas dos parques nacionais”, afirma a brigadeira Sally de Beer no comunicado.

Na passada sexta-feira foram detidos dois caçadores furtivos que teriam morto dois rinocerontes brancos e removido os seus cornos. Ambos serão presentes a tribunal e acusados de caça ilegal, posse de armas e munições, invasão de propriedade privada e tentativa de assassínio.

Durante o fim-de-semana, outros quatro suspeitos de caça furtiva foram detidos na zona do Parque Nacional Kruger. Na sua posse foram encontradas espingardas automáticas AK-47 (Kalashnikov), munições e equipamento de transmissões.

De Beer disse ainda que as autoridades vão fazer os possíveis por evitar que aos caçadores furtivos seja facilitada a libertação sob caução, e tentar garantir que todos recebam duras sentenças nos tribunais.

A 18 de abril quatro outros caçadores furtivos, dois dos quais moçambicanos, foram igualmente encurralados no Parque Nacional Kruger, e no dia seguinte dois outros suspeitos foram mortos a tiro pela polícia sul-africana, depois de terem apontado as suas armas aos agentes que os tentavam deter.

Segundo o presidente dos Parques Nacionais Sul-Africanos, David Mabunda, só este ano foram já mortos 71 rinocerontes nas reservas da África do Sul. Desse total, 46 foram mortos no Kruger.

O número de animais mortos tem aumentado tremendamente em tempos recentes, levando as autoridades a mobilizar recursos crescentes para proteger a reduzida população de rinocerontes existente na África do Sul.

Em 2010 foram mortos 333 rinocerontes, contra 122 em 2009 e 83 em 2008.

Os gangues envolvidos na caça furtiva desta espécie operam em território sul-africano e também a partir de Moçambique. As operações são muitas vezes conduzidas com precisão militar, envolvendo meios terrestres e até helicópteros, vistos em algumas ocasiões a sobrevoar reservas, públicas e privadas, onde são posteriormente encontradas as carcaças dos animais, com os cornos serrados, ou os animais ainda vivos mas com os cornos amputados.

*Foto em Lusa

Protestos - Espanha: VÁRIOS FERIDOS E CINCO DETIDOS EM CARGA POLICIAL EM VALÊNCIA




ASP - LUSA

Valência, Espanha, 09 jun (Lusa) -- Várias pessoas ficaram feridas e pelo menos cinco foram detidas depois de uma carga policial contra manifestantes do "movimento 15 de maio", que desde a madrugada de hoje se concentravam à frente das Cortes em Valência (Espanha).

Valência, Espanha, 09 jun (Lusa) -- Várias pessoas ficaram feridas e pelo menos cinco foram detidas depois de uma carga policial contra manifestantes do "movimento 15 de maio", que desde a madrugada de hoje se concentravam à frente das Cortes em Valência (Espanha).

O protesto, que pretendia coincidir com a tomada de posse do novo Governo regional, acabou com confrontos com a polícia, ainda que as autoridades tenham rejeitado ter feito uma carga, argumentando que atuaram com proporcionalidade.

Na carga, pelo menos três dos manifestantes e oito agentes ficaram feridos, segundo testemunhas que detalharam a carga policial, citadas pela imprensa espanhola.

Os agentes rejeitam que tenham carregado sobre os manifestantes, afirmando que apenas procuraram isolar "um grupo de descontrolados" que dizem pertencer a grupos "anti-sistema" que lançaram "objetos contundentes" contra os agentes.

Elementos do "movimento 15 de maio" rejeitam esse argumento, afirmando que os manifestantes estiveram concentrados desde a madrugada, pacificamente, como aliás tem ocorrido em todas as ações de protesto que começaram no mês passado.

Relacionados:

- Ver imagens em EL PAÍS

BEM-VINDO AO BRASIL, BATTISTI




RUI MARTINS, Berna – DIRETO DA REDAÇÃO

A decisão do STF negando a extradição de Cesare Battisti, apesar do ministro Gilmar Mendes, reconhece nossa soberania e conclui com justiça um longo processo. É a vitória de muitos companheiros, como Celso Lungaretti e Carlos Lungarzo, que lutaram com insistência e denunciaram a ilegalidade de se manter preso alguém já reconhecido como não extraditável pelo então ministro da Justiça, Tarso Genro.

É igualmente a vitória de políticos como Eduardo Suplicy e Fernando Gabeira, dos primeiros a defenderem Battisti, quando a esquerda brasileira, confundida pela revista Carta Capital e Mino Carta, não sabia se apoiava ou rejeitava o apelo de militantes europeus, entre eles com destaque para a escritora Fred Vargas.

Mas é também uma vitória do Direto da Redaçao, pois logo depois da prisao de Battisti no Rio de Janeiro, publicávamos a primeira coluna contra a extradição do combatente italiano, da qual lembramos alguns trechos:

Existem momentos em que uma decisão da Justiça brasileira pode transmitir ao mundo uma mensagem de serenidade, equilíbrio e ponderação. Esta coluna hoje quer ter mais uma função de manifesto para propor às personalidades brasileiras, muitas das quais viveram o exílio político, uma mobilização para pedir ao nosso Supremo Tribunal a rejeição do pedido de extradição do antigo militante da extrema-esquerda Cesare Battisti, preso no Rio de Janeiro.

Condenado à revelia à prisão perpétua, na Itália, por quatro crimes dos quais nega ser o autor, Cesare Battisti tinha se beneficiado, na França, de uma decisão do presidente Mitterrand contrária à extradição de antigos militantes revolucionários italianos. Julgando-se em lugar seguro, depois de ter fugido para o México, onde sobreviveu com pequenos empregos, Battisti começou ali a escrever livros policiais, talvez obcecado pela sua própria história de foragido – uma espécie de Jean Valjean italiano perseguido todo tempo por um obsessivo Javert.

Para ter com o que sustentar a esposa e as duas filhas, se tornou zelador de um prédio em Paris. Zelador-escritor, o antigo militante italiano do PAC, Proletários Armados pelo Comunismo, esperava viver na França o resto de sua vida.

Entretanto, o fim do governo Mitterrand, pos fim à sua anistia política. Um novo pedido de extradição pela Itália foi acatado pelo governo francês de Jacques Chirac. Não querendo passar o resto da vida na prisão, Cesare Battisti retomou sua vida de foragido. Na sua defesa, no julgamento da extradição, Battisti, além de negar os crimes, destacou a desumanidade da pena – “o que será de minha mulher e minhas filhas, que não poderei mais ver e nem sustentar ? Na verdade, serão elas também condenadas comigo”.

Por que o Brasil não deve extraditar Cesare Battisti ?

Além da questão humanitária, pois os crimes dos quais é acusado ocorridos no começo dos anos 70 normalmente já estariam prescritos, os crimes dos quais é acusado fazem parte de uma outra época da história política européia – o das Brigadas Vermelhas, cujas manifestações ocorreram tanto na Alemanha como na Itália.

Essa página política foi encerrada e revista, tanto os envolvidos em atos de violência como os ideólogos se reconverteram em partidários de uma lenta mas pacífica evolução social pelo mecanismo democrático.

Todos nós viramos as páginas. O Cesare Battisti de hoje nada tem a ver com o dos anos 70. Além disso, o Brasil anistiou todos quantos participaram dessa época, durante a ditadura militar. Uma anistia que beneficou também os profissionais da tortura, mesmo se não eram movidos por nenhum ideal de mudar o mundo e justiça social. Fazer exceção a esse princípio já adotado no nosso País seria um contrasenso e uma injustiça.

Mesmo porque o governo brasileiro de hoje tem muitos militantes desse passado, cuja vida não é de foragidos. Se a Justiça brasileira quiser aplicar o tratado de extradição com a Itália, caberá ao presidente Lula, com seu senso de equilíbrio, já demonstrado, anistiar Cesare Battisti e permitir-lhe viver no nosso país com sua família. Será um decisão humana.

O caso Battisti teve lances estranhos, como de jornalistas, políticos e juízes do STF defenderem a intromissão de outro país, a Itália, mas a Itália neofascista de Berlusconi, na nossa soberania. Porém, relendo esse trecho escrito em março de 2007 me surpreendo com a premonição de imaginar, com mais de três anos de antecedência, que caberia a Lula a principal decisão e, depois dos deslizes e dos comprometimentos de togados como Mendes e Peluzo, a retomada da consciência de nossa independência pelo STF.

Sim, porque houve momentos em que se temia mesmo um comportamento golpista do STF, querendo se sobrepor, como bem gostaria Gilmar Mendes, à decisao de Lula. Assim, o caso Battisti poderia ser o pretexto para se submeter ao STF todas as decisões da presidência da República. A esse respeito, escrevíamos em setembro de 2009 - Extraditar Cesare Battisti não é o alvo principal da direita brasileira e de seus representantes no Supremo Tribunal Federal. O objetivo é o de criar uma situação de impasse que, de uma ou outra forma, leve a um desgaste e a uma dimuição da imagem e do poder do governo do presidente Lula.

Em outras palavras, uma versão jurídica de golpe institucional, pela qual se possa questionar a real competência do poder executivo e, aberta essa brecha, se submeter todas as importantes decisões governamentais, envolvendo interesses estrangeiros, à aprovação pelo STF.

A importância atual dada à questão da extradição de Battisti confirma se estar submetendo o governo a um teste que, pelo visto, poderá dar resultado. Na análise do relator do processo Battisti surgiu, por diversas vezes, a intepretação jurídica de que uma decisão favorável do STF à extradição de Battisti, será definitiva, e, diante do acordo bilaterial de extradição entre Brasil e Itália, obrigará nosso país a um rápido cumprimento, sem a possibilidade legal de uma intervenção do presidente Lula suspender a extradição.

Terá assim sido criada a jurisprudência de que, pelo menos em casos bilaterais de direito internacional, a última palavra não será mais a do presidente da República mas do STF. E, mais rápido do que se pensa, o STF assumirá o poder de estatuir o que o executivo pode ou não fazer no país.

Nossa soberania não dependerá mais do executivo eleito pelo povo, mas de um grupo de juristas togados que, segundo a tendência de grupos dominantes, assumirá feições de junta decisória, e, no momento, o verdadeiro presidente brasileiro passaria a ser Gilmar Mendes. Tudo isso no estilo light e clean, sem tropas na rua e sem edição de atos institucionais.
Apesar de derrotado, Mendes não abandonou sua interepretação de que nosso judiciário e nossa presidência teriam de se sujeitar a um antigo colonizador europeu, como se fôssemos uma Abissínia.

Foi na defesa de nossa soberania que, em fevereiro de 2009, aqui no DR esrevíamos :

Existe uma maneira, Senhor Presidente, para se resolver de maneira rápida a questão Battisti, evitando-se que, com tantas mentiras e imprecisões espalhadas por setores entreguistas da imprensa, ela envenene a opinião pública e provoque uma gangrena.

O Brasil não pode aceitar que um premiê italiano, mal visto e tantas vezes acusado de corrupto, numa Itália cujo prefeito de sua capital, Roma, é conhecido por sua antiga militância neofascista, assim como são neofascistas confessos deputado e membros do governo pertencentes à Liga separatista do Norte, nos diga que medidas devem ser tomadas com relação ao ex-militante italiano Cesare Battisti.

Berlusconi é o pai da Diretriz do Retorno, que tanto mal tem causado aos nossos emigrantes na Europa, e acaba de instituir a delação, a deduragem como lei para os médicos italianos, obrigados a denunciarem todo emigrante clandestino que for ao consultório ou hospital, para ser rapidamente expulso. É com ele, que muitos de nossos jornalistas, alguns de renome, decidiram colaborar, mesmo se o clima já é mal cheiroso na Europa.

Não podemos simular surdez diante das palavras do deputado neofascista Ettore Pirovano, da Liga do Norte, de que “o Brasil é mais conhecido por suas dançarinas (putas) do que por seus juristas” numa ofensa a nossos advogados, magistrados e ao nosso povo, nem podemos tolerar a petulância do partido Aliança Nacional de levar ao Conselho da Europa a questão Battisti, com o apoio do Grupo Europa de Nações de direita e extrema-direita, num gesto digno da época colonial.

Nem podemos aceitar que um país estrangeiro tente criar conflitos e incompatibilidades entre órgãos institucionais brasileiros, numa clara intervenção na nossa política interna, fomentando divergências, fazendo ameaças e chantagens, utilizando-se de jornais, revistas e jornalistas que, por interesses políticos e pessoais, reforçam as pressões italianas com o objetivo de provocar uma crise política no Brasil e atingir seu prestígio de Presidente do País.

Silvio Berlusconi representa hoje a Europa próxima da extrema-direita, num clima que faz pensar nos anos 30 do século passado, quando se fazia a caça a judeus, ciganos e comunistas. Berlusconi reinventa Mussolini e faz a caça aos imigrantes, entre eles os brasileiros, os africanos, os árabes, os ciganos, os rumenos e ainda tem tempo para correr atrás de um antigo militante dos anos 70, de uma época italiana ainda mais podre que a atual, quando os julgamentos e processos era feitos ao interesse do governo, chefiado por um premiê mafioso.

Foi defendendo Battisti, que surgiu o conflito com a revista Carta Capital, considerada por tantos como revista de esquerda, pois Mino Carta defendia a extradiçao de Battisti e exercia influência junto a jovens brasileiros. Escrevemos uma Carta a Mino Carta, que provocou o fechamento de seu blog, da qual transcrevemos o trecho inicial :

Não sei porquê você, Mino Carta, tomou a peito apoiar a embaixada italiana, desejosa de obter de toda maneira a extradição do ex-militante de um pequeno e inexpressivo grupo armado italiano de uma época já tão distante. Infelizmente, e isso pode acontecer com todos nós jornalistas, você pisou na bola. Não chega a ser tão grave, porque um pequeno grupo decidido de simples cidadãos, juristas e políticos com o apoio do ministro da Justiça resolveu a parada, mas podia ser muito grave.

Foi-me difícil decidir escrever este comentário, porque sua trajetória é praticamente inatacável e sua contribuição ao restabelecimento da democracia no Brasil ficou evidente nas denúncias que corajosamente fazia, como editor de suas revistas, enfrentando os ditadores militares.

Evidentemente respeito sua opinião, talvez baseada num bom informante quanto à decisão do ministro da Justiça de dar refúgio a Battisti, mas péssimo quanto à real participação do Battisti naquele momento político italiano. Você vive felizmente numa democracia no Brasil e eu numa outra democracia exemplar na Suíça, e sabemos que o debate franco como este, é que nutre essas duas sociedades na livre expressão.

Ora, escrevo porque sua influência como editor da revista Carta Capital poderia ter sido bastante nefasta e significar para um homem, batido pela vida, em nada diferente dos “subversivos” brasileiros que você tanto entendeu, o retorno à Itália na condição de um condenado a apodrecer na prisão.

Marina Petrella, também italiana e muito mais envolvida na luta contra o establishement daqueles anos de chumbo, estava morrendo de desgosto e de tristeza num hospital parisiense, já em estado semi-comatoso, sem querer se alimentar, nos dias que precediam sua extradição para a Itália. Depois de trinta anos de vida normal, depois de ter abandonado o extremismo, ia ser separada de suas filhas, do marido, de seus alunos, para ir envelhecer e morrer numa prisão. Porém, foi graças à compaixão da esposa do presidente francês Sarkozy, e sua irmã, atriz conhecida aqui na Europa, ambas italianas, que se decidiu perdoar, porque a nova vida de Marina Petrella, dispensava uma tão tardia punição.

Quando em março, publiquei nos pequenos jornais e sites que escrevo, (proibido que fui e sou de participar da grande imprensa já depois da ditadura), um artigo em favor de Cesare Battisti, contando para os brasileiros a triste sina desse foragido, que quase foi sequestrado, em 2004, pelos italianos, mesmo sendo um simples zelador de prédio e pequeno escritor de romances policiais, alguns amigos, companheiros como se diz, se senbilizaram.

Entretanto, quando Carta Capital publicou aquela reportagem tendenciosa e nada imparcial, tudo se comprometeu. Porque sua revista, que se poderia dizer de centro-esquerda, as vezes mesmo bem de esquerda, serve de orientação para muitos jovens e para muitos militantes de esquerda. E ficaram na dúvida. Quem sou eu, simples jornalista expatriado, que como um Joris Ivens terá de sobreviver com seus frilas, enquanto lúcido e não enfartado por não ter mais lugar na grande imprensa, para competir com Carta Capital ? Como ganhar a confiança de meus amigos e companheiros com minhas colunas benévolas diluídas na selva da imprensa brasileira ?

Enfim, Cesare Battisti vai ser um homem livre no Brasil. foi uma longa luta, uma bela vitória de todos nós. Bem- vindo Cesare Battisti !

* Jornalista, escritor, ex-CBN e ex-Estadão, exilado durante a ditadura, é líder emigrante, ex-membro eleito no primeiro conselho de emigrantes junto ao Itamaraty. Criou os movimentos Brasileirinhos Apátridas e Estado dos Emigrantes, vive em Berna, na Suíça. Escreve para o Expresso, de Lisboa, Correio do Brasil e agência BrPress

Relacionados: