Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

A LUTA CONTRA TRUMP. ASSIM NÃO VAI A LADO NENHUM



Pedro Tadeu*, opinião

Tenho a certeza: Donald Trump é um perigo para a humanidade e deve ser combatido com obstinação. Tenho outra certeza: a forma como Donald Trump é combatido reforça mais, no curto prazo, o apoio popular que o levou à Casa Branca.

Vejamos a lista de problemas que Trump prometeu, aos americanos, resolver: o desemprego, a imigração, a criminalidade, o terrorismo, o islamismo radical, a deslocalização de capitais e trabalho, os acordos comerciais da globalização que prejudicam os Estados Unidos, o enfraquecimento económico face à China, a falta de grandes investimentos em infraestruturas, a captura do Obamacare pelas companhias de seguros, a corrupção da classe política em Washington, a falta de poder do povo, a abertura de fronteiras a inimigos e a criminosos, a falta de um muro na fronteira com o México, o inútil intervencionismo militar em países estrangeiros, o desinvestimento no reforço da defesa do território norte-americano. Isto é: "colocar a América primeiro", diz ele.

Quantos norte-americanos, mesmo entre os que não votaram nele, se reveem nesta lista? Este diagnóstico até já foi feito: os americanos acham que estão inseguros, os americanos acham que estão a ser explorados pelos países estrangeiros, os americanos acham que estão a perder a liderança no mundo, os americanos acham que os políticos do sistema são corruptos, os americanos acham que têm imigrantes a mais, os americanos partilham a lista de preocupações de Trump e identificam-se com ela. Isto dá uma tremenda força política ao, agora, "líder do mundo livre".

Enquanto esta visão do planeta e do país for prevalecente nos Estados Unidos - e ela, por si só, na sua dimensão completa, implica a sobreposição de sentimentos de racismo, xenofobia, nacionalismo, imperialismo e populismo - é pouco provável que Trump enfraqueça.

O novo presidente dos Estados Unidos está disposto a tomar medidas desumanas, como a utilização da tortura ou a proibição (ainda temporária) de entrada no país de quaisquer pessoas vindas de sete países muçulmanos. Aqui uma parte, menor, dos americanos que se reconhecem na lista de promessas de Trump repudia os seus processos e demarca-se. Porém, outra parte da população, pelo contrário, reforça o seu apoio por ver no líder do país alguém que é capaz de fazer o que é preciso para concluir o trabalho a que se propôs, em contraste com a ineficácia dos governantes tradicionais, atados pelos nós do politicamente correto.

Com Trump a parecer decidido a cumprir, custe o que custar, as promessas que fez bem pode a imprensa publicar "factos alternativos" para caluniar o homem, como o de estar nas mãos de Putin por causa de uma prostituta russa, que não será por aí que ele enfraquece - pelo contrário, esse tipo de notícias reforça a credibilidade da tese da conspiração mediática "liberal" contra o presidente e, consequentemente, a simpatia popular.

A luta contra Trump vai ser longa e muito difícil porque quem o apoia acha, convictamente, que tem a razão do seu lado e enquanto o tom do combate for primordialmente emocional, hiperbólico e tremendista, essa "racionalidade" não é posta em causa, pelo contrário, aparenta solidez e espalha-se, como um cancro, por mais gente e por mais países, onde novos "Trumps" aproveitarão as metástases. A luta contra Trump e contra tudo o que, por detrás dele, se prepara para capturar o poder no mundo exige, como todas as grandes guerras, estratégia, paciência, serenidade, firmeza, mobilização e tempo. Enquanto for a golpes de contrainformação e a discursos políticos inconsequentes não vai a lado algum.

* Diário de Notícias

REAÇÃO DE LEITORA AO ARTIGO DE OPINIÃO DE PEDRO TADEU – em comentários DN


Os EUA têm uma taxa de desemprego de 4% é quase inexistente , morrem mais pessoas por ataques com armas de fogo que Trump defende que de atentados terroristas , não me parece que as razões que invoca no artigo sejam aquelas pelas quais Trump ganhou as eleições.

Quem elegeu Trump foi sobretudo a América ignorante e profunda , sem instrução que se sente ameaçada pelos imigrantes qualificados e bem mais educados que eles próprios, nas grandes cidades educadas e informadas ganhou Clinton , e continua a ser a ignorância que o suporta.

Em todo o mundo políticos , artistas, empresários , cientistas , advogados de todas as cores políticas já vieram repudiar Trump e tudo o que ele representa.

Sem comentários: